EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Notícias falsas estão a aumentar à medida que as eleições europeias se aproximam

Este é um exemplo de desinformação à medida que as eleições europeias se aproximam
Este é um exemplo de desinformação à medida que as eleições europeias se aproximam Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  James Thomas
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro polaco Donald Tusk, a tentativa de homic´ídio do primeiro-ministro eslovaco Robert Fico e as novas regras da UE em matéria de combate ao branqueamento de capitais foram recentemente alvo de desinformação.

PUBLICIDADE

Antes das eleições europeias, que se realizam de 6 a 9 de junho, os líderes europeus e a própria União Europeia estão a ser cada vez mais alvo de campanhas de desinformação.

Quer se trate de uma tentativa de desacreditar os rivais políticos ou de alegações sobre a regulamentação da UE, as redes sociais estão repletas de narrativas falsas.

Um exemplo disso é a tentativa de homicídio do primeiro-ministro eslovaco Robert Fico, que deu origem a uma grande quantidade de desinformação política online.

The picture in this post doesn’t show Cintula and Šimečka together.
The picture in this post doesn’t show Cintula and Šimečka together.Euronews

Os utilizadores das redes sociais afirmam que esta fotografia mostra o alegado agressor de Fico ao lado de Martin Šimečka, o pai do líder do partido da oposição Eslováquia Progressista.

Os meios de comunicação social eslovacos identificaram o alegado atirador como sendo o autointitulado escritor Juraj Cintula.

No entanto, a fotografia da publicação não mostra Cintula e Šimečka juntos. Na verdade, o segundo homem na foto não é Šimečka, e a foto em si vem de um dos lançamentos de livros de Cintula em 2019.

O próprio Facebook já classificou a publicação como informação falsa.

A tentativa de falsa associação do ataque a Fico com os seus rivais políticos continua a ser particularmente perigosa antes das eleições europeias.

Donald Tusk tem vergonha da sua identidade polaca?

Do outro lado da fronteira, na Polónia, o primeiro-ministro Donald Tusk foi acusado de atacar a noção de identidade polaca.

Uma imagem publicada no TikTok afirma que Tusk chamou à identidade polaca "uma anormalidade" que lhe chega "com dolorosa persistência". No entanto, esta afirmação é enganadora.

The words in the post are taken out of context
The words in the post are taken out of contextEuronews

As palavras são efetivamente dele, mas escritas num artigo publicado há 40 anos.

De acordo com os verificadores de factos polacos, o artigo de Tusk discute criticamente as atitudes dos polacos em relação à realidade, antes de confirmar que se identifica com a sua própria nacionalidade, numa altura em que a Polónia era um satélite comunista da União Soviética.

"Apesar da sua herança opressiva, continua a ser a nossa escolha consciente comum", afirmou.

Sendo um primeiro-ministro fortemente pró-UE, que já foi presidente do Conselho Europeu, Tusk é um alvo crucial para a desinformação a poucas semanas das eleições.

A UE está a proibir pagamentos em dinheiro superiores a 100 mil euros?

Muitas vezes, é a própria UE que está a ser atacada por aqueles que espalham falsas narrativas.

Alguns utilizadores das redes sociais afirmam que a UE proibiu todos os pagamentos em numerário superiores a 100.000 euros.

Isto é parcialmente verdade: a UE aprovou regras que limitam as transações em numerário a 100.000 euros, no âmbito de um conjunto de novas medidas de combate ao branqueamento de capitais, mas estas restrições não se aplicam a todas as transações.

Especificamente, os comerciantes estão sujeitos a um limite que os impede de aceitar ou pagar transações em numerário superiores a 100.000 euros.

PUBLICIDADE

As transferências entre particulares num contexto não profissional estão excluídas.

Antes das eleições europeias, é fundamental que as notícias sejam partilhadas de forma correta e justa, para que o eleitorado possa votar com a informação adequada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A realeza europeia participou em marchas a favor da Palestina e acusou Israel de genocídio?

A Rússia continua a utilizar a ponte da Crimeia para reforçar as suas forças militares na Ucrânia?

Não, este artigo da RTÉ sobre fundos irlandeses para animais ucranianos não é verdadeiro