EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Os fantasmas da guerra ensombram o aniversário do desembarque na Normandia

Tropas aliadas desembarcaram nas praias da Normandia a 6 de junho de 1944
Tropas aliadas desembarcaram nas praias da Normandia a 6 de junho de 1944 Direitos de autor Laurent Cipriani/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Laurent Cipriani/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

“Há coisas pelas quais vale a pena lutar”, diz um veterano da Segunda Guerra Mundial. "Embora eu gostasse que houvesse outra forma de o fazer, em vez de nos tentarmos matar uns aos outros", acrescenta.

PUBLICIDADE

Veteranos da Segunda Guerra Mundial juntaram-se a chefes de Estado e outras personalidades para comemorar o 80.º aniversário do “Dia D”, o desembarque na Normandia, na quinta-feira.

A invasão das tropas aliadas, que começou a 6 de junho de 1944, levou à derrota dos nazis e ao fim da guerra.

A operação começou com aviões dos Aliados a bombardear as defesas alemãs na Normandia, seguidos por cerca de 1200 aviões que transportavam tropas.

Ao amanhecer, as forças aliadas começaram a bombardear as defesas costeiras alemãs e, pouco depois, os navios começaram a desembarcar tropas em cinco praias com os nomes de código Utah, Omaha, Gold, Juno e Sword.

No final do dia, cerca de 160.000 soldados aliados tinham desembarcado na Normandia, embora tenha havido milhares de baixas.

Uma Europa em guerra

Um número cada vez menor de veteranos da Segunda Guerra Mundial fez a peregrinação de regresso a França, numa altura em que a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia destrói as esperanças de que vidas e cidades na Europa não sejam novamente arrasadas.

À medida que os veteranos, agora centenários, revivem as velhas memórias dos camaradas mortos enterrados na Normandia, a presença do Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy nas comemorações do Dia D com os líderes mundiais, incluindo o Presidente dos EUA, Joe Biden, que apoia a luta do país contra a invasão russa, irá inevitavelmente fundir o terrível passado da Segunda Guerra Mundial com o tenso momento atual.

Com os mortos e feridos de ambos os lados na Ucrânia estimados em centenas de milhares, as cerimónias em memória dos mais de 4.400 mortos dos Aliados no Dia D e de muitas dezenas de milhares de outros, incluindo civis franceses, que morreram na subsequente Batalha da Normandia, são tingidas pela preocupação de que as lições da Segunda Guerra Mundial se estejam a perder.

“Há coisas pelas quais vale a pena lutar”, disse o veterano da Segunda Guerra Mundial Walter Stitt, que lutou em tanques e fará 100 anos em julho, enquanto visitava a praia de Omaha esta semana. “Embora eu gostasse que houvesse outra forma de o fazer, em vez de nos tentarmos matar uns aos outros.”

“Um dia destes vamos aprender, mas eu não vou estar lá para ver”, acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Veterano da Segunda Guerra Mundial casa-se aos 100 anos numa praia da Normandia

Milhares de túmulos iluminados não deixam apagar a memória do Dia D

Salto de paraquedas sobre a Normandia inicia comemorações do Dia D