EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Bélgica: Direita nacionalista da Flandres vence e primeiro-ministro demite-se

Alexander De Croo, primeiro-ministro da Bélgica
Alexander De Croo, primeiro-ministro da Bélgica Direitos de autor AP Photo/Omar Havana
Direitos de autor AP Photo/Omar Havana
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conservadores nacionalistas da Nova Aliança Flamenga foram a força mais votada, segundo os resultados provisórios. Vlaams Belang, partido nacionalista de extrema-direita, terminou em segundo. Primeiro-ministro belga demite-se depois de o seu partido liberal ter ficado abaixo dos 7%.

PUBLICIDADE

O partido nacionalista Nova Aliança Flamenga (N-VA), de direita, ganhou as eleições de domingo na Bélgica.

Apontado pelas sondagens como o vencedor, o Vlaams Belang, partido separatista flamengo de extrema-direita e anti-imigração, acabou na segunda posição, à frente do partido socialista Voruit.

O país votou em eleições regionais, nacionais e europeias, apelidadas de “Super Domingo”.

A nível nacional, o partido nacionalista N-VA, liderado por Bart De Wever, obteve 18,6% dos votos, mais de 2% em relação a 2020, enquanto o Vlaams Belang, com 15,4%, registou um aumento de 3,5%, de acordo com os resultados preliminares publicados pela emissora VRT.

O Vlaams Belang, que liderou as sondagens nos últimos meses, obteve 21% dos votos flamengos no domingo, não conseguindo ultrapassar os seus rivais conservadores flamengos, a N-VA, que se tornou o maior partido da Bélgica com cerca de 25% dos votos flamengos.

Primeiro-ministro belga demite-se

Os liberais do Open VLD, do primeiro-ministro Alexander De Croo, foram os grandes derrotados, ficando abaixo dos 7%, muito atrás da extrema-esquerda, o que levou o chefe do governo belga a pedir a demissão.

"Perdemos esta eleição. Eu era o rosto da campanha. Este não é o resultado que esperávamos. Assumo toda a responsabilidade", afirmou de Croo.

A saída de De Croo dificulta as negociações de coligação para a formação de um novo governo.

A Bélgica é um país dividido pela língua, com a francófona Valónia no sul e a Flandres, de língua neerlandesa, no norte, e os governos são invariavelmente formados por coligações de partidos de ambas as regiões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Emmanuel Macron anuncia eleições antecipadas depois de uma dura derrota nas eleições europeias

Eleições europeias: os vencedores e os vencidos em Bruxelas e em toda a Europa

Eleições Europeias: a afluência às urnas e o abstencionismo em foco