EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Partido de extrema-direita de Giorgia Meloni vence europeias em Itália com quase 30% dos votos

Giorgia Meloni
Giorgia Meloni Direitos de autor Roberto Monaldo/LaPresse via AP
Direitos de autor Roberto Monaldo/LaPresse via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O partido Fratelli d'Italia, da primeira-ministra Giorgia Meloni, venceu as eleições europeias em Itália com 28% dos votos. Os analistas afirmam que a primeira-ministra se tornou uma das figuras mais poderosas da União Europeia.

PUBLICIDADE

O partido de extrema-direita Fratelli d'Italia (Irmãos de Itália), de Giorgia Meloni, assegurou a vitória em Itália após ter recebido mais de 28% dos votos, de acordo com uma sondagem à boca das urnas divulgada pela RAI italiana.

A vitória dará a Meloni um impulso interno, posicionando-a como uma das figuras mais poderosas da União Europeia.

A oposição de centro-esquerda do Partido Democrático obteve 23% dos votos, seguida pelo populista Movimento Cinco Estrelas, que recebeu 10% da votação, uma queda de sete pontos em relação às eleições de 2019.

Os parceiros júnior de Meloni, Forza Italia e o partido Liga, liderado pelo político eurocético Matteo Salvini, tiveram uma exibição mista.

A Liga, de extrema-direita, recebeu cerca de 8% dos votos, uma queda acentuada em relação ao resultado de 2019, quando obteve 34,3% para um total de 29 lugares.

O apoio esmagador aos Fratelli d'Italia em comparação com a Forza Italia e a Liga "confirma a tendência de que o centro-direita italiano é muito sensível às mudanças internas de liderança dentro da coligação", disse Francesco Sismondini, analista de sondagens eleitorais, à Euronews.

Andrea Renda, diretor de investigação do Centro de Estudos de Política Europeia, disse à Euronews que podem surgir tensões na coligação governamental devido à disparidade dos resultados dos partidos. "Os outros partidos vão aperceber-se de que estão a perder consenso quanto mais se mantiverem no poder com os Fratelli d'Italia", disse Renda.

Meloni foi considerada a figura central das eleições, uma vez que tanto a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, do Partido Popular Europeu (centro-direita), como Marine Le Pen, da extrema-direita francesa, a cortejaram em busca de apoio.

Le Pen procurou o apoio de Meloni para unir os partidos de extrema-direita da UE. No Parlamento Europeu, estes partidos estão atualmente divididos entre os grupos do Identidade e Democracia (ID), do qual faz parte o Rassemblement National de Le Pen, e os Conservadores e Reformistas Europeus (CRE) de Meloni.

Von der Leyen precisava do apoio de Meloni para assegurar o seu segundo mandato como Presidente da Comissão Europeia e, ao longo da campanha, a Presidente da Comissão reiterou a sua confiança em Meloni como um parceiro credível em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bélgica: Direita nacionalista da Flandres vence e primeiro-ministro demite-se

A aritmética do novo Parlamento Europeu

Emmanuel Macron anuncia eleições antecipadas depois de uma dura derrota nas eleições europeias