EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Papa Francisco participa pela primeira vez numa cimeira do G7 e alerta para os perigos da IA

O Papa Francisco sai com a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni no final de uma fotografia de grupo do G7 em Borgo Egnazia, a 14 de junho de 2024
O Papa Francisco sai com a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni no final de uma fotografia de grupo do G7 em Borgo Egnazia, a 14 de junho de 2024 Direitos de autor Luca Bruno/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Luca Bruno/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Pontífice fez valer a sua autoridade moral perante o Grupo dos Sete, convidado pela anfitriã Itália para falar numa sessão especial sobre os perigos e as promessas da IA.

PUBLICIDADE

O Papa Francisco dirigiu-se aos líderes da Cimeira do G7 no sul de Itália, sendo o primeiro pontífice a fazê-lo.

Numa mesa redonda especial, o Papa desafiou-os a manter a dignidade humana em primeiro lugar no desenvolvimento e na utilização da inteligência artificial, alertando para o facto de uma tecnologia tão poderosa correr o risco de transformar as próprias relações humanas em algoritmos.

"Perante as maravilhas das máquinas, que parecem saber escolher de forma autónoma, devemos ter bem claro que a tomada de decisões, mesmo quando somos confrontados com os seus aspetos por vezes dramáticos e urgentes, deve ser sempre deixada à pessoa humana", afirmou.

O Papa Francisco com a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni e os chefes de Estado do G7 durante uma foto de família no segundo dia da cimeira em Borgo Egnazia, 14/06/2024
O Papa Francisco com a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni e os chefes de Estado do G7 durante uma foto de família no segundo dia da cimeira em Borgo Egnazia, 14/06/2024Christopher Furlong/2024 Getty Images

"Condenaríamos a humanidade a um futuro sem esperança se retirássemos às pessoas a capacidade de tomar decisões sobre si próprias e sobre as suas vidas, condenando-as a depender das escolhas das máquinas."

O Papa usou a sua autoridade moral para falar ao Grupo dos Sete, convidado pela anfitriã Itália para uma sessão especial sobre os perigos e as promessas da IA.

Ao fazê-lo, ofereceu uma visão ética sobre uma questão que está cada vez mais na agenda das cimeiras internacionais, das políticas governamentais e dos conselhos de administração das empresas.

Francisco afirmou que os políticos devem assumir a liderança para garantir que a IA se mantém centrada no ser humano, de modo a que as decisões sobre quando utilizar armas ou mesmo ferramentas menos letais sejam sempre tomadas por humanos e não por máquinas.

O chefe da Igreja Católica também criticou as armas autónomas, afirmando que nunca deve ser deixado às máquinas a decisão de matar ou não uma pessoa.

Nenhuma máquina deveria escolher tirar a vida a um ser humano.
Papa Francisco
Chefe da Igreja Católica Romana

Permitam-me que insista que, à luz da tragédia que são os conflitos armados, é urgente reconsiderar o desenvolvimento e a utilização de dispositivos como as chamadas "armas letais autónomas" e, em última análise, proibir a sua utilização. Isto começa com um compromisso efetivo e concreto de introduzir um controlo humano cada vez maior e adequado. Nenhuma máquina deve optar por tirar a vida a um ser humano", afirmou.

A declaração final do G7 refletiu amplamente as suas preocupações. Os líderes prometeram coordenar melhor a governação e os quadros regulamentares em torno da IA para a manter "centrada no ser humano".

Ao mesmo tempo, reconheceram os potenciais impactos nos mercados de trabalho das máquinas que tomam o lugar dos trabalhadores humanos e no sistema judicial dos algoritmos que prevêem a reincidência.

"Vamos prosseguir uma transformação digital inclusiva, centrada no ser humano, que apoie o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável, maximize os benefícios e gere os riscos, em consonância com os nossos valores democráticos partilhados e o respeito pelos direitos humanos", afirmaram.

Ao participar na cimeira, Francisco juntou-se a um coro de países e organismos globais que pressionam por salvaguardas mais fortes na IA após o boom na IA generativa iniciado pelo chatbot ChatGPT da OpenAI.

Sobre a questão das armas, os líderes do G7 afirmaram reconhecer o impacto da IA no domínio militar "e a necessidade de um quadro para o desenvolvimento e utilização responsáveis". Os líderes do G7 encorajaram os Estados a garantir que "a utilização militar da IA é responsável, cumpre o direito internacional aplicável, em particular o direito internacional humanitário, e reforça a segurança internacional".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo de ajuda à Ucrânia dos líderes do G7 já é considerado “histórico”

Zelenskyy agradece aos EUA e ao Japão pelos pactos de segurança "históricos" no primeiro dia da cimeira do G7

Maré vermelha em Madrid para receber os campeões europeus