EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Partido neerlandês VVD vai manter-se no Renew Europe apesar da coligação com a extrema-direita

O neerlandês Malik Azmani (VVD) e a presidente do grupo Renew Europe, Valérie Hayer
O neerlandês Malik Azmani (VVD) e a presidente do grupo Renew Europe, Valérie Hayer Direitos de autor Alexis Haoulot/EP
Direitos de autor Alexis Haoulot/EP
De  Marta Iraola IribarrenPaula Soler
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os liberais da UE não vão expulsar o partido neerlandês VVD - nem votar na sua expulsão - apesar da decisão do partido de entrar numa coligação a quatro com o partido de extrema-direita PVV de Geert Wilders, disseram à Euronews duas fontes familiarizadas com as discussões.

PUBLICIDADE

Cada eurodeputado conta numa altura em que o Renew Europe está a lutar com o grupo dos Conservadores e Reformistas para se tornar a terceira força no Parlamento Europeu para o próximo mandato de cinco anos.

Os liberais da UE no Parlamento Europeu deviam ter votado a expulsão do partido neerlandês VVD imediatamente após as eleições de 10 de junho, mas como o Renew Europe perdeu 21 lugares, adiaram a decisão sem fixar uma data.

Contudo, é provável que o grupo envie uma missão de observação aos Países Baixos para verificar se o partido está a ultrapassar alguma linha vermelha em termos de valores e princípios liberais. A decisão oficial será tomada em conselho da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE), em Vilnius (Lituânia), este fim de semana.

A iniciativa do ALDE - uma das três forças políticas que compõem o grupo centrista Renew Europe, juntamente com o Renaissance francês e os Democratas Europeus - contraria um compromisso assumido pela presidente do grupo, Valérie Hayer, da delegação francesa, que sofreu grandes perdas para o Rassemblement National de Marine Le Pen, recebendo 13 eurodeputados (contra 23).

Durante a sua campanha, Hayer assinou uma declaração em nome do Renew Europe na qual concordava com os líderes dos grupos Socialistas e Democratas (S&D), Verdes e Esquerda em "nunca cooperar nem formar uma coligação com os partidos de extrema-direita e radicais a qualquer nível".

Este compromisso não foi objeto de consulta interna no seio do partido e foi assumido apenas pela presidente do grupo.

Como é que o Renew Europe chegou aqui?

Em novembro passado, os eleitores neerlandeses deram a vitória ao partido de extrema-direita de Wilders, que obteve 23,5% dos votos nas eleições gerais nos Países Baixos.

Depois de meses de negociações infrutíferas nos Países Baixos, o VVD, partido do primeiro-ministro cessante Mark Rutte, anunciou que tinha chegado a um acordo de coligação a quatro mãos com o PVV de Geert Wilders, de extrema-direita, o Novo Contrato Social (NSC), de centro-direita, e o populista Movimento dos Agricultores-Cidadãos (BBB).

Após o anúncio, Hayer declarou aos meios de comunicação social franceses que o VVD se tinha distanciado dos valores do grupo e que o Renew Europe deveria decidir em conjunto o que fazer a seguir.

No entanto, uma moção oficial para expulsar o partido holandês nunca foi apresentada no ALDE, e o partido não toma tais "decisões drásticas" a menos que haja um crime ou uma investigação oficial, disse uma fonte do partido à Euronews.

Nas eleições de junho, o partido de Wilders (PVV) obteve sete lugares no Parlamento Europeu.

O PVV juntou-se ao grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID), que conta atualmente com 58 eurodeputados e que, até agora, tem sido excluído de posições-chave no Parlamento devido a um "cordão sanitário".

As negociações sobre a composição final dos grupos parlamentares ainda estão a decorrer, com um prazo até 4 de julho, pelo que a relação de forças ainda pode mudar ligeiramente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Renew Europe pode sofrer uma perda brutal de deputados nas eleições europeias

Renew Europe vai votar a expulsão do partido holandês VVD a 10 de junho

Budapeste nega que investigação sobre Transparência Internacional seja para intimidar