EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Renew Europe vai votar a expulsão do partido holandês VVD a 10 de junho

Valerie Hayer, candidata do partido presidencial francês Renew às eleições europeias, no Parlamento Europeu, a 23 de abril de 2024, em Estrasburgo, França.
Valerie Hayer, candidata do partido presidencial francês Renew às eleições europeias, no Parlamento Europeu, a 23 de abril de 2024, em Estrasburgo, França. Direitos de autor AP Photo/Jean-Francois Badias
Direitos de autor AP Photo/Jean-Francois Badias
De  Alice Tidey
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A decisão do partido centrista holandês de entrar numa coligação a quatro com uma fação de extrema-direita é inaceitável para a direção do grupo.

PUBLICIDADE

O VVD, partido holandês que integra o grupo centrista do Parlamento Europeu, vai ser submetido a uma votação após as eleições europeias, depois de ter entrado numa coligação com um partido de extrema-direita, disse o líder do Renew Europe a uma emissora francesa, na terça-feira.

"Desaprovo totalmente esta decisão política a nível nacional. Acho que eles (VVD) se afastaram dos nossos valores", disse Valérie Hayer à televisão BFM.

"Em segundo lugar, como presidente do grupo, tenho uma responsabilidade coletiva e a decisão deve ser tomada em conjunto no dia 10 de junho, de acordo com os estatutos do grupo", acrescentou Hayer.

Os comentários surgem cinco dias depois de o VVD, o partido do primeiro-ministro cessante Mark Rutte, ter anunciado que tinha entrado num acordo de coligação a quatro com o PVV de Geert Wilders, o Novo Contrato Social (NSC), de centro-direita, e o populista Movimento dos Agricultores-Cidadãos (BBB).

O PVV, liderado por Wilders, um líder anti-islâmico e eurocético convicto, venceu as eleições gerais de novembro, obtendo mais de um quarto dos votos e 37 dos 150 lugares da Câmara dos Representantes.

O acordo quadripartido celebrado na semana passada prevê a fixação de um limite para o número de pedidos de asilo que podem ser aceites, o reforço dos requisitos para as autorizações de residência temporárias, o fim do reagrupamento familiar automático, o alargamento do período normal de naturalização para 10 anos e a exigência de que os estrangeiros renunciem à sua nacionalidade original quando pedirem a cidadania holandesa.

Hayer, que é a escolha do Presidente francês Emmanuel Macron para as eleições europeias, condenou imediatamente o acordo, argumentando que o VVD "é o oposto do que defendemos em matéria de valores, Estado de direito, economia, clima e, claro, Europa".

Questionada na terça-feira sobre se o VVD poderia permanecer no grupo, Hayer disse: "Para mim, esta é uma opção inaceitável porque não estão a respeitar os nossos valores ao fazer esta aliança".

"Sempre respeitámos o cordão sanitário (contra a extrema-direita). É um dos valores absolutos do grupo e assumirei as minhas responsabilidades após as eleições para garantir que estes valores continuam a ser respeitados", acrescentou.

De acordo com o Centro de Sondagens da Euronews, o Renew Europe deverá estar entre os derrotados das próximas eleições europeias, que se realizam de 6 a 9 de junho, com 86 lugares, contra os atuais 100. Isto apesar do facto de o número de deputados ao Parlamento Europeu (MPE) ter aumentado de 705 para 720.

O grupo de extrema-direita ID, do qual faz parte o PVV de Wilder, deverá, no entanto, aumentar a sua influência, conquistando 82 lugares, contra os actuais 59.

O partido nacional de Hayer, Renaissance, está atrás do partido de extrema-direita Rassemblement National (RN) nas sondagens internas em França e deverá obter cerca de 16% dos votos contra 31% do seu rival de extrema-direita.

"Está fora de questão, nunca na minha vida", afirmou ao BFM. "Em todo o caso, politicamente, nunca me associei de forma alguma à extrema-direita".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos de agricultores do primeiro governo para abalar a política agrícola do bloco

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica

Líder da coligação mais votada nas legislativas na Bulgária anuncia que não será primeiro-ministro