EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O que se segue após a vitória esmagadora dos trabalhistas nas eleições britânicas?

O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, fala aos seus apoiantes na Tate Modern em Londres, sexta-feira, 5 de julho de 2024.
O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, fala aos seus apoiantes na Tate Modern em Londres, sexta-feira, 5 de julho de 2024. Direitos de autor Kin Cheung/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Kin Cheung/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Angela Skujins com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Nas próximas 24 horas, serão nomeados novos ministros e a direção do novo governo ficará mais clara.

PUBLICIDADE

"A mudança começa agora", prometeu o líder trabalhista, Keir Starmer, aos seus apoiantes ao amanhecer de sexta-feira em Londres.

E depois de um cerimonial "beijar de mãos" com o rei Carlos III, Starmer, de 61 anos, tornou-se oficialmente primeiro-ministro e pode formar um governo maioritário.

Com apenas dois lugares ainda por decidir na Câmara dos Comuns, com 650 lugares, os trabalhistas obtiveram uma esmagadora maioria de 412 lugares, conquistando mais 211 assentos.

O Partido Conservador de direita do anterior governo tem agora apenas 121 lugares - uma perda de 250 lugares - e o partido centrista Liberal Democrata tem 71, ganhando 63 lugares.

O primeiro-ministro cessante, Rishi Sunak, disse aos seus apoiantes no seu círculo eleitoral de Richmond e Northallerton - onde foi reeleito deputado - que assumiria o ónus da perda histórica do seu partido.

Sunak regressou então ao n.º 10 de Downing Street que, desde 1735, é simultaneamente a residência e o gabinete dos primeiros-ministros britânicos. De todos os endereços políticos do mundo, só a Casa Branca, nos Estados Unidos, é provavelmente mais famosa.

No seu último discurso como primeiro-ministro, Sunak disse que se sentia honrado por liderar o "melhor país do mundo" e afirmou que o povo britânico tinha "emitido um veredito sóbrio".

De seguida, visitou o Palácio de Buckingham, onde apresentou formalmente a sua demissão ao Rei Carlos III, uma formalidade histórica, uma vez que, embora o rei seja o chefe de Estado, não tem poder real nos processos políticos do Reino Unido.

Mesmo assim, o rei continua a reunir-se semanalmente com o primeiro-ministro para discutir assuntos governamentais. Embora o monarca seja politicamente neutro, tem o direito de "aconselhar e avisar" o primeiro-ministro se o considerar necessário.

De acordo com uma longa tradição, o monarca pediu então a Starmer que formasse um novo governo.

Pouco depois, Starmer entrou pela primeira vez no n.º 10 de Downing Street para começar a formar o seu novo governo.

O rei voltará à cena pública no final deste mês para a abertura do Parlamento. Depois disso, numa reunião conjunta da Câmara dos Lordes e da Câmara dos Comuns, proferirá um discurso escrito para ele pelo novo governo, no qual apresentará o seu programa legislativo.

Renovação nacional

Starmer afirmou que as suas ambições políticas para os próximos cinco anos se centrarão em colocar o "país em primeiro lugar, o partido em segundo" e que o governo se centrará na "renovação nacional".

"Temos de fazer regressar a política ao serviço público", afirmou.

O Manifesto Trabalhista, um documento que define as prioridades políticas do partido, enumera cinco objetivos para o grupo político. Estes incluem o relançamento do crescimento económico, a promoção das energias limpas, a redução da criminalidade violenta, a reforma da educação e a melhoria e investimento no Serviço Nacional de Saúde.

PUBLICIDADE

Pela primeira vez em 14 anos, o Partido Trabalhista pode definir a agenda política - mas ele e Starmer enfrentam enormes desafios. O antigo advogado e procurador-geral do Ministério Público enfrenta uma nação impaciente por mudanças, num contexto de condições económicas sombrias, desconfiança crescente nas instituições do Estado e um tecido social desgastado.

Rachel Reeves, do Partido Trabalhista, que será a primeira mulher a ocupar o cargo de ministra das Finanças do Reino Unido, afirmou que não tem "ilusões" quanto à dimensão do desafio que irá enfrentar. "A gravidade da herança dos conservadores é verdadeiramente terrível", disse aos jornalistas.

Reeves referiu que o peso da dívida do Reino Unido está a atingir 100% do rendimento nacional do país e que a carga fiscal atingiu um máximo de sete décadas. Não pôde prometer que tudo vai mudar de imediato, mas a missão de um novo governo trabalhista será a de relançar o crescimento económico.

Apesar disso, Anand Menon, professor de Política Europeia e Negócios Estrangeiros no King's College de Londres, diz que os eleitores britânicos devem ficar tranquilos com a relativa estabilidade do novo governo.

PUBLICIDADE

Os eleitores devem sentir-se animados, acrescenta, "com os ministros a permanecerem no poder durante bastante tempo e com o governo a ser capaz de pensar para além do muito curto prazo, com objetivos a médio prazo", afirmou ainda.

O primeiro dia do Parlamento está agendado para a próxima terça-feira, com a eleição do presidente do Parlamento. A abertura do Parlamento e o discurso do Rei seguir-se-ão na quarta-feira, 17 de julho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Conseguimos", disse Keir Starmer no discurso de vitória

Seis conclusões das eleições no Reino Unido

Quem é Keir Starmer, o próximo primeiro-ministro do Reino Unido?