EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Seis conclusões das eleições no Reino Unido

Keir Starmer, do Partido Trabalhista, parece ser o claro vencedor das eleições no Reino Unido
Keir Starmer, do Partido Trabalhista, parece ser o claro vencedor das eleições no Reino Unido Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Jack Schickler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Partido Trabalhista de Keir Starmer parece ter obtido uma vitória triunfante - e os Conservadores enfrentam agora uma bifurcação no caminho.

PUBLICIDADE

Depois de garantir uma das maiores vitórias eleitorais da história do seu partido, o líder trabalhista Keir Starmer será convidado a formar um governo e a nomear ministros na manhã de 5 de julho.

Seis coisas a saber sobre uma noite em que se assistiu a uma transformação, se não mesmo a um banho de sangue, na política do Reino Unido, com oito secretários de gabinete a perderem os seus lugares até agora.

1. Os eleitores queriam mudança e obtiveram uma vitória histórica

O Partido Trabalhista, de centro-esquerda, ganhou em todo o país, mais do que duplicando o seu número de deputados e assegurando uma maioria comparável à que Tony Blair alcançou em 1997.

Starmer reconquistou a "Muralha Vermelha" do norte da Inglaterra, o coração da esquerda que tinha sido conquistado pela vitória triunfante do conservador Boris Johnson em 2019, e muito mais.

De acordo com uma projeção da BBC divulgada por volta das 3h30 da manhã, (mesma hora em Lisboa), os conservadores deverão ficar com cerca de 154 lugares, menos de metade do número de lugares conquistados em 2019.

Este resultado vem na sequência de múltiplas perdas em zonas tradicionais, como os distritos à volta de Londres. Finchley, o antigo lugar de Margaret Thatcher, tem agora um deputado trabalhista.

Os eleitores enviaram um sinal claro após cinco anos de política no Reino Unido, em que se registaram vários escândalos e várias demissões, incluindo a de dois primeiros-ministros: Johnson e Liz Truss.

Para além da promessa pré-eleitoral de Boris de "fazer o Brexit", houve poucos avanços políticos - não ajudados por uma constante mudança de pessoal sénior.

A energia de Westminster tem-se concentrado mais em escândalos e subterfúgios do que no custo de vida ou na correção dos cuidados de saúde.

Num discurso de vitória, Starmer apelou ao "fim da política de desempenho e ao regresso à política como serviço público", estabelecendo um contraste entre a teatralidade de Johnson e o seu estilo mais sóbrio.

Starmer está agora numa posição única para fazer algo a esse respeito. No sistema político do Reino Unido, existem poucos controlos constitucionais sobre um líder que controla a Câmara dos Comuns - ainda menos desde o Brexit.

O eleitorado parece querer a mudança que Starmer prometeu. A questão é se o Partido Trabalhista - que não é exatamente imune às suas próprias intrigas e guerras internas - pode entregá-la.

2. Muitas cabeças de alto nível rolaram

Os conservadores perderam centenas de deputados e muitos políticos de topo perderam os seus empregos quotidianos.

Entre eles, contam-se antigos ou actuais ministros do Governo, como Robert Buckland, Penny Mordaunt e Grant Shapps.

Outro dos derrotados foi Jacob Rees-Mogg, um importante defensor do Brexitismo e leal a Johnson, que ganhou notoriedade pela sua abordagem descontraída à perspetiva de sair da UE sem um acordo. Perdeu o seu lugar em Somerset, apesar de ter uma maioria de mais de 14.000 em 2019.

PUBLICIDADE

Jeremy Hunt manteve o seu lugar em South West Surrey, com uma escassa maioria de menos de 1.000 votos, e evitou por pouco ser o primeiro ministro das Finanças em funções a perder o seu lugar.

Na altura da publicação deste artigo, ainda não se sabe se Truss, cujo mandato como Primeira-Ministra - apenas 49 dias - foi notoriamente mais curto do que o tempo de vida de uma alface, manteve o seu lugar em South West Norfolk.

Isto para não falar dos grandes nomes que estão a desaparecer sem enfrentar o drama eleitoral - incluindo a ex-primeira-ministra Theresa May, embora os meios de comunicação social de quinta-feira à noite sugiram que ela será agora nomeada legisladora na Câmara dos Lordes.

A expressão "navio a afundar-se" não lhe faz justiça.

PUBLICIDADE

A taxa de sobrevivência dos deputados conservadores, esta noite, rondou os 41%. Como observam os professores de política Philip Cowley e Matthew Bailey, é um pouco pior do que as perspectivas dos passageiros de segunda classe do Titanic - 42% dos quais sobreviveram.

3. Para além das manchetes, houve muitos outros vencedores e perdedores.

Mesmo num sistema dominado por dois partidos, há mais a registar do que os números dos títulos.

O Partido Nacional Escocês parece ter perdido o seu controlo sobre a política de Westminster a norte da fronteira. Poderá ficar com apenas seis deputados, depois de ter conquistado 48 dos 59 lugares da Escócia em 2019, segundo a projeção da BBC. Esta situação surge na sequência de uma série de escândalos e de mudanças na liderança do partido, incluindo a perda de Nicola Sturgeon.

Os liberais-democratas, quase eliminados depois de terem entrado num governo de coligação entre 2010 e 2015, deverão passar de apenas 11 para 56 lugares em 2019, regressando o partido centrista ao seu papel mais familiar de terceira maior força em Westminster.

PUBLICIDADE

No seu discurso de vitória, o líder do Lib Dem, Ed Davey, falou dos eleitores que se sentiram "desiludidos, desvalorizados e desesperados por mudança" devido às longas esperas por ambulâncias e médicos de família e aos rios cheios de esgotos.

Outro dos grandes vencedores da noite foi Nigel Farage, o populista de direita que liderou o Partido da Independência do Reino Unido e que impulsionou o Brexit.

O seu Partido Reformista de direita poderá conquistar quatro lugares - incluindo o do próprio Farage. Também parece ter tido uma influência significativa ao desviar a base de eleitores conservadores - o que custou ao Sunak lugares como Darlington.

Entretanto, Jeremy Corbyn - o antigo líder trabalhista ejectado num escândalo de antissemitismo - ganhou com sucesso uma candidatura a deputado independente no círculo eleitoral do norte de Londres, que ocupa desde a década de 1980.

PUBLICIDADE

Rebelde frequente, mesmo quando era membro do Partido Trabalhista, é agora provável que se revele um espinho para Starmer, se não for reconciliado.

4) O sistema político do Reino Unido pode ser brutal

O Reino Unido é talvez o único país da Europa a ter um sistema de eleição por sufrágio universal para a sua legislatura: quem obtiver mais votos leva o prémio.

Muitos apontam a injustiça deste sistema para os partidos mais pequenos, como o Reformador ou os Verdes, que obtêm muitos votos mas têm poucos lugares para mostrar.

Mas quando os eleitores estão alinhados e preparados para votar taticamente, o sistema de Westminster pode produzir resultados que são radicais, se não brutais.

PUBLICIDADE

5. A revolução do Brexit comeu os seus filhos

Esta foi a primeira eleição geral do Reino Unido desde que o país saiu formalmente da UE.

O Brexit foi frequentemente descrito como uma revolução - e, como Pierre Vergniaud observou uma vez, as revoluções têm o hábito de devorar os seus filhos.

Os conservadores que lideraram o Brexit - Johnson, Rees-Mogg, Michael Gove - estão agora todos fora da Câmara dos Comuns, enquanto Sunak, um proeminente esquerdista, parece fatalmente ferido.

Não haverá uma reviravolta na política: Starmer, embora tenha apoiado a permanência, excluiu a possibilidade de voltar a aderir ao mercado único ou à união aduaneira da UE.

PUBLICIDADE

Mas, sem as restrições de Bruxelas, cabe-lhe agora tomar uma série de decisões cruciais sobre o modelo económico do Reino Unido e o seu lugar no mundo.

É ele, e não aqueles que planearam o Brexit, que as vai tomar.

6. Os conservadores enfrentam algumas escolhas difíceis.

Há uma bifurcação no caminho para os conservadores, o partido dominante do governo do Reino Unido nos últimos dois séculos, que pode agora ter sofrido uma derrota histórica numa escala não vista desde 1832.

Robert Buckland, um antigo ministro do Governo, sugeriu um caminho a seguir depois de ter perdido o seu lugar numa reviravolta significativa para os trabalhistas.

PUBLICIDADE

Buckland disse à BBC estar "farto da política da arte da representação" e que o partido precisa de "voltar ao espírito de fazer as coisas bem feitas".

Penny Mordaunt, outra conservadora de topo que perdeu esta noite, apelou a uma mudança para o centro.

"A renovação... não será alcançada se falarmos para uma fatia cada vez mais pequena de nós próprios, mas se formos guiados pelo povo deste país. Os nossos valores têm de ser os do povo", afirmou.

Mas há outras opções disponíveis.

PUBLICIDADE

Em França, o partido de centro-direita foi dividido numa disputa sobre a possibilidade de unir forças com o Rally Nacional, de extrema-direita.

O mesmo se poderá aplicar agora aos conservadores britânicos, que enfrentam a pressão eleitoral do Reformismo.

Quem quer que seja o próximo líder conservador - e agora há apenas uma lista de cerca de 150 candidatos para escolher - terá de resolver alguns dilemas difíceis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quem é Keir Starmer, o próximo primeiro-ministro do Reino Unido?

Rishi Sunak convoca eleições antecipadas para julho, numa manobra surpresa

Parlamento Europe: a primeira vez para os jovens deputados