EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Vitória da aliança de esquerda surpreende. Quem são os vencedores e os vencidos em Paris?

Eleições legislativas em França
Eleições legislativas em França Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Jack Schickler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A França já votou na segunda volta naquelas que são as eleições legislativas mais cruciais dos últimos anos. Os resultados surpreenderam.

PUBLICIDADE

A aliança de esquerda Nova Frente Popular ficou em primeiro lugar nas eleições legislativas francesas, mas não conseguiu obter a maioria dos deputados necessária para controlar a Assembleia Nacional, de acordo com uma sondagem à boca da urna.

"A vontade do povo deve ser estritamente respeitada. Nenhum acordo seria aceitável. A derrota do Presidente da República e da sua coligação está claramente confirmada. O Presidente deve curvar-se e aceitar a sua derrota", disse Jean-Luc Mélenchon no seu primeiro discurso. "O Primeiro-Ministro deve retirar-se. O Presidente deve chamar a Nova Frente Popular para governar", afirmou.

As previsões da Ipsos representam um revés para o Rassemblement National(RN), de extrema-direita, que viu as suas esperanças de obter a maioria absoluta destruídas pela votação tática e pela retirada estratégica de candidatos.

A Nova Frente Popular (NFP), uma coligação formada à última hora por socialistas, comunistas, verdes e o partido esquerdista La France Insoumise, deverá conquistar entre 172 e 192 dos 577 lugares do hemiciclo, segundo as previsões da Ipsos.

Já os democratas liberais centristas, do presidente Emmanuel Macron, deverão alcançar entre 150 e 170 lugares, segundo as sondagens, enquanto os republicanos de centro-direita (LR) poderão obter entre 57 e 67 assentos parlamentares

.O Rassemblement National, o partido de extrema-direita liderado por Marine Le Pen e Jordan Bardella, deverá obter apenas 132-152 lugares, o que o colocará provavelmente em terceiro lugar, atrás das recentes projeções da Ipsos, segundo as quais Le Pen e os seus aliados do partido Republicanos poderiam obter entre 230 e 280 lugares.

Com a possibilidade de um parlamento suspenso, o futuro poderá ser marcado por meses de duras disputas políticas.

Na primeira volta, o Rassemblement Nacional (RN), de extrema-direita, liderou as sondagens legislativas, quase duplicando o seu apoio e deixando o Presidente Emmanuel Macron a cambalear.

Quem será o primeiro-ministro?

Perante os resultados, o primeiro-ministro Gabriel Attal declarou, no domingo à noite que "apresentará a sua demissão na segunda-feira" O primeiro-ministro ocupava o cargo desde o início do ano.

O primeiro-ministro francês Gabriel Attal discursa após a segunda volta das eleições legislativas, domingo, 7 de julho de 2024, em Paris.
O primeiro-ministro francês Gabriel Attal discursa após a segunda volta das eleições legislativas, domingo, 7 de julho de 2024, em Paris. Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

A Constituição francesa permite a "coabitação", com um Presidente e um primeiro-ministro de partidos diferentes. A última vez que isso aconteceu foi de 1997 a 2002, quando o socialista Lionel Jospin governou ao lado do presidente de centro-direita Jacques Chirac.

Numa declaração emitida no domingo, o chefe de Estado, Emmanuel Macron, disse que iria esperar que a nova Assembleia fosse "estruturada" para "tomar as decisões necessárias."

Presidente francês Emmanuel Macron após a votação para a segunda volta das eleições legislativas em Le Touquet-Paris-Plage. 7 junho 2024
Presidente francês Emmanuel Macron após a votação para a segunda volta das eleições legislativas em Le Touquet-Paris-Plage. 7 junho 2024Mohammed Badra/AP

É nédito que nenhum partido ganhe a maioria sem uma coligação governamental evidente e a França pode encontrar-se agora num impasse pouco familiar.

A França tem um sistema eleitoral a duas voltas - apenas aqueles que obtiveram resultados suficientes na votação de 30 de junho avançaram para a segunda volta de hoje.

Stéphane Séjourné, secretário geral do Renaissance, disse que está pronto para trabalhar "com todos os partidos republicanos", mas acrescentou que "é evidente que Jean-Luc Mélenchon e alguns dos seus aliados não podem governar a França."

No entanto, cerca de 215 candidatos que obtiveram resultados satisfatórios renunciaram ao longo da semana, uma vez que a "Frente Republicana" procurou evitar a divisão do voto da extrema-direita nos círculos eleitorais em que três ou mais pessoas conseguiram passar.

PUBLICIDADE

Com tanto em jogo, os eleitores acorreram em massa às urnas. Às 18h25, a taxa de participação era de 67,1%, a mais elevada registada desde 1997 e muito superior aos 46,2% obtidos em 2022, segundo a Ipsos.

Esquerdistas em alta, fundadores de centro-direita

O NFP foi reunido em junho para afastar a ameaça da extrema-direita, embora não tenha conseguido alcançar a unidade total; os partidos de esquerda fora do NFP obtiveram 13-16 lugares, segundo a sondagem.

Em 2022, a coligação equivalente, conhecida como NUPES, obteve 131 lugares, enquanto os outros partidos de esquerda obtiveram 22 - embora não seja claro por quanto tempo a aliança díspar do NFP se manterá unida.

Os resultados continuam a ser más notícias para os republicanos.

PUBLICIDADE

O partido de centro-direita de Charles de Gaulle e Nicolas Sarkozy dominou durante muito tempo a política francesa, mas prevê-se agora que ele (e os seus aliados) ganhem 57-67 lugares - embora isso não conte com os membros, incluindo o líder do partido, Eric Ciotti, que se comprometeram com Le Pen.

Acompanhe na nossa cobertura das eleições minuto a minutoaqui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

TikTok "promoveu a misoginia e os estereótipos negativos" no período que antecedeu as eleições europeias

O que levou Macron a dissolver o Parlamento? Analista explica

Mapa interativo com os resultados da segunda volta das eleições em França