EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

França: Macron recusa demissão do primeiro-ministro Gabriel Attal

As eleições legislativas antecipadas em França, cuja segunda volta se realizou este domingo, foram uma montanha-russa política.
As eleições legislativas antecipadas em França, cuja segunda volta se realizou este domingo, foram uma montanha-russa política. Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Emmanuel Macron recusou a demissão do primeiro-ministro Gabriel Attal. A sua saída deixaria a França sem chefe de governo a menos de três semanas do início dos Jogos Olímpicos de Paris.

PUBLICIDADE

O presidente francês Emmanuel Macron rejeitou a demissão do primeiro-ministro Gabriel Attal, na sequência do resultado eleitoral caótico que não conferiu maioria a nenhum dos partidos na Assembleia Nacional.

Uma ampla coligação de esquerda, a Nova Frente Popular, obteve o maior número de lugares na segunda volta das eleições de domingo, mas não conseguiu obter a maioria.

A coligação ficou à frente do Rassemblement National (RN), partido de extrema-direita, que ficou em terceiro lugar, atrás do partido centrista de Macron. A afluência às urnas foi elevada.

O resultado deixa a França perante a perspetiva de um parlamento suspenso e de paralisia política.

Apesar de a extrema-direita ter aumentado significativamente o número de lugares que detém no parlamento, ficou muito aquém das expectativas.

O que acontecer em França poderá ter impacto na guerra na Ucrânia, na diplomacia global e na estabilidade económica da Europa.

Alívio prevalece na Alemanha, diz o porta-voz do governo

O governo da Alemanha, que, juntamente com a França, é visto como o motor da integração europeia, expressou alívio, na segunda-feira, pelo facto de a extrema-direita nacionalista não se ter tornado o partido mais forte.

"Para já, prevalece um certo alívio pelo facto de as coisas que temíamos não se terem materializado", disse um porta-voz do chanceler alemão Olaf Scholz aos jornalistas em Berlim. "Só o tempo dirá o que acontece com este resultado eleitoral e a França decidirá".

"A relação germano-francesa é muito especial", acrescentou Steffen Hebestreit. "É certamente também o núcleo do facto de estarmos a viver a Europa em paz e liberdade".

Gabinete de Macron em reunião pós-eleitoral

Os membros do gabinete do Presidente francês Emmanuel Macron chegaram ao palácio presidencial, na segunda-feira, após os resultados das eleições não terem deixado nenhuma fação política com maioria.

Entre os que chegaram, ao final da manhã, estavam o primeiro-ministro nomeado por Macron, há apenas sete meses, e o ministro do Interior.

O primeiro-ministro Gabriel Attal anunciou que apresentaria a sua demissão, mas disse que ficaria "enquanto o dever o exigisse". A sua saída deixaria a França sem chefe de governo a menos de três semanas do início dos Jogos Olímpicos de Paris.

No domingo, Attal deixou claro que discordava da decisão de Macron de convocar eleições. Os resultados das duas rondas de votação não deixaram um caminho claro para formar um governo, nem para a coligação de esquerda que ficou em primeiro lugar, nem para a aliança centrista de Macron, nem para a extrema-direita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Legislativas: franceses respiram de alívio, mas o Governo é incerto

Centenas festejam em Paris na noite da segunda volta das eleições francesas

Parlamento Europeu: a primeira vez para os jovens deputados