EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

NATO diz que é "irreversível" o caminho da Ucrânia para a adesão

Ucranianos apelam à adesão do seu país à porta da cimeira da NATO
Ucranianos apelam à adesão do seu país à porta da cimeira da NATO Direitos de autor Noah Berger/AP
Direitos de autor Noah Berger/AP
De  Shona Murray
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O convite formal a Kiev para aderir à aliança ainda não foi feito por que não existe consenso entre os aliados para esse efeito.

PUBLICIDADE

A declaração da NATO, de que o caminho da Ucrânia para a adesão à aliança é "irreversível", representa um passo em frente, disse a vice-primeira-ministra ucraniana Stefanishyna. É uma "mensagem muito forte sobre a adesão", revelou a diplomata à Euronews. Além disso, é um sinal claro para a Rússia sobre o futuro da Ucrânia.

Vários especialistas afirmam que a adesão é a única garantia de segurança para a Ucrânia, especialmente porque a maior parte do território ucraniano seria abrangido pelo artigo 5 do Tratado da NATO, que assegura que um ataque a um aliado é respondido como se fosse um ataque a todos os aliados.

"Não basta dizer que o futuro da Ucrânia está na NATO", diz Ivo Daalder, antigo embaixador dos EUA na NATO. "A Rússia não vai desistir do seu objetivo de controlar a Ucrânia, a menos e até que a Ucrânia seja integrada nas instituições ocidentais - a NATO e a União Europeia", disse à Euronews.

"É uma oportunidade perdida não oferecer a adesão à Ucrânia", comentou Ed Arnold, investigador sénior para a segurança europeia no Royal United Service Institute (RUSI). "Não temos tempo, qualquer um pode inverter o curso do caminho da Ucrânia porque a linguagem desta cimeira não é juridicamente vinculativa.

"Trump pode inverter a situação se chegar ao poder. E sabemos como Trump não gosta dos acordos de outras pessoas, para não mencionar o facto de que Trump tem uma má história com Zelenskyy".

Enquanto presidente dos EUA, Donald Trump tentou chantagear o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, negando o apoio militar dos EUA à Ucrânia, a menos que ele criasse uma investigação falsa sobre corrupção por Hunter Biden - o filho de Joe Biden.

O assunto levou à destituição de Trump depois dos denunciantes terem revelado o caso.

Zelenskyy e a sua equipa, incluindo a vice-primeira-ministra Stefanishyna, estão em Washington para o 75º aniversário da NATO.

Segurança da Ucrânia só com "zero soldados russos" no seu território

Os aliados da NATO aumentaram significativamente as suas contribuições para a Ucrânia no âmbito da cimeira desta semana, incluindo dezenas de sistemas de defesa e um calendário para a entrega de caças F-16.

"Todos os anúncios sobre a defesa aérea e os sistemas Patriot são importantes, mas não vão mudar o rumo da segurança ucraniana - não como a adesão à NATO faria", disse Arnold.

Parte da preocupação de alguns países em hesitar em apoiar a adesão da Ucrânia é a clara responsabilidade e o risco que surgiria para os aliados ao admitir um país no meio de um intenso conflito armado.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, conversa com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, na cimeira da NATO em Washington.
O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, conversa com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, na cimeira da NATO em Washington.Adrian Wyld/AP

No entanto, o embaixador Daalder afirma que apenas as partes não disputadas da Ucrânia seriam abrangidas pelas garantias do artigo 5º.

As zonas ocupadas, como a Crimeia, o Donbas e partes do leste da Ucrânia, não seriam abrangidas. Mas Kiev e o resto da Ucrânia estariam, o que, em teoria, ajudaria a dissuadir a Rússia de ataques como o desta semana aos hospitais, incluindo um hospital pediátrico.

"No passado, a NATO forneceu garantias de segurança e trouxe membros que tinham disputas territoriais", disse Ivo Daalder.

"Isto não é algo de novo. Em 1955, a Alemanha Ocidental tornou-se membro da NATO e foi explicitamente entendido que a Alemanha Oriental, que ainda era um território em disputa, não fazia parte do território da NATO".

Stefanishnya concorda que a adesão à NATO é a melhor solução mas, em última análise, diz que a única verdadeira garantia de segurança é se e quando a Rússia cessar a sua conquista territorial brutal e deixar de bombardear civis e alvos civis. Precisamos de muito mais. E enquanto houver pessoas a morrer na Ucrânia, nunca nos sentiremos plenamente capazes de nos prepararmos".

"No momento em que não houver soldados russos em solo ucraniano, será o momento em que poderemos dizer que as pessoas estão seguras", concluiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden quer garantir que está apto para a presidência no jantar de encerramento da cimeira da NATO

Aliados da NATO: visita de Orbán a Moscovo não promove a paz e a unidade

"Ucrânia vai parar Putin", diz Biden na abertura da cimeira da NATO