EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

NATO acusa China de ser um "facilitador decisivo" da guerra da Rússia contra a Ucrânia

Cimeira da NATO
Cimeira da NATO Direitos de autor Matt Rourke/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Matt Rourke/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pequim negou que apoie as ações de guerra da Rússia e insiste que mantém relações comerciais normais com o seu vizinho do norte.

PUBLICIDADE

Na sua mais séria repreensão à China, os aliados da NATO apelidaram o "gigante asiático" de "facilitador decisivo" da guerra da Rússia contra a Ucrânia e manifestaram preocupação com o arsenal nuclear e os recursos espaciais chineses.

Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, fez eco do severo comunicado final, adotado pelos 32 membros da NATO na sua cimeira em Washington, que deixa claro que a China está a tornar-se um foco de atenção da aliança militar.

"O apoio da China aumenta a ameaça que a Rússia representa para a segurança euro-atlântica", afirmou Stoltenberg. "Os aliados deixaram claro que a China não pode permitir o maior conflito na Europa na história recente sem afetar negativamente os seus interesses e a sua reputação.

Pequim negou que apoie as ações de guerra da Rússia e insiste em manter relações comerciais normais com o seu vizinho do norte.

Críticas ao apoio da China à Rússia e à sua indústria de defesa

No comunicado, os países membros da NATO afirmam que a China se tornou um "facilitador da guerra" através da sua "parceria sem restrições" com o Kremlin e do seu apoio em grande escala à base industrial de defesa russa.

"Apelamos à República Popular da China, enquanto membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas com a responsabilidade especial de defender os objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas, para que cesse todo o apoio material e político ao esforço de guerra da Rússia", lê-se na declaração, que se refere à China pela abreviatura do seu nome oficial, República Popular da China.

Stoltenberg afirmou ainda que os aliados da Aliança Atlântica continuarão a apoiar a Ucrânia "no caminho irreversível para a adesão à NATO".

"O trabalho que estamos a fazer agora em conjunto garantirá que, no momento certo, a Ucrânia possa aderir sem demora. Não se trata de uma questão de "se", mas de "quando".

Governo chinês insatisfeito com os planos da NATO para alargar a sua influência

Pequim manifestou a sua insatisfação com o interesse crescente da NATO na Ásia e exigiu que a aliança se mantivesse afastada da região Ásia-Pacífico e não incitasse ao confronto.

A NATO não deve usar a China para justificar a sua inserção na Ásia-Pacífico e tentar perturbar a dinâmica regional", afirmou Lin Jian, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do "gigante asiático", na terça-feira. "A China é uma força para a paz mundial, um contribuinte para o desenvolvimento global e um defensor da ordem internacional", disse.

A Austrália, a Nova Zelândia, o Japão e a Coreia do Sul enviaram os seus líderes, ou adjuntos, à cimeira da NATO em Washington, esta semana. São parceiros, e não Estados membros, da aliança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden vs Trump: quem quer que Joe Biden seja substituído?

"Ucrânia vai parar Putin", diz Biden na abertura da cimeira da NATO

Biden diz que teve "um mau momento" pelo seu desempenho no debate contra Trump