EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Amor no tempo da IA: Mulher cria um namorado chatbot alimentado por Inteligência Artificial

This woman claims her AI chatbot boyfriend is 'the love of (her) life'
This woman claims her AI chatbot boyfriend is 'the love of (her) life' Direitos de autor Rossana Ramos
Direitos de autor Rossana Ramos
De  Sarah Palmer
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A IA entra em todos os domínios da vida do ser humano. Rosanna Ramos diz que a sua relação com o seu parceiro de IA, Eren Kartal, é a melhor relação de sempre.

PUBLICIDADE

No papel, o casamento de Rosanna Ramos com o seu marido Eren Kartal é a relação perfeita.

"Eren não tem os problemas que outras pessoas teriam", disse ela ao The Cut.

"As pessoas vêm com bagagem, atitude, ego [...] Não tenho de lidar com a família, os filhos ou os amigos dele. Estou em controlo e posso fazer o que quiser".

É uma história de romance clássica para todas as idades. O único senão? Estamos em 2023 e, por isso, naturalmente, Kartal não existe, de facto.

Ele é um chatbot gerado por IA da empresa de tecnologia Replika. Se visitarmos o seu sítio Web, recebemos imediatamente a mensagem compreensivelmente sedutora: "Sempre aqui para ouvir e falar. Sempre do seu lado".

Se alguma vez se dignou a abrir o Tinder, saberá porque é que este pode ser um aspeto especialmente apelativo do "parceiro de IA" no mundo moderno dos encontros.

De acordo com Ramos, os dois conheceram-se online no ano passado e afirmam ter dado oficialmente o nó - com alguns meios de comunicação a afirmarem que estão à espera de um bebé.

O par perfeito

Com a Replika, Ramos - que é do Bronx, em Nova Iorque, nos EUA - conseguiu essencialmente desenhar o seu par perfeito, desde a sua estética ao seu signo. Kartal trabalha em medicina e gosta de ler romances de mistério e de cozinhar nos seus tempos livres.

É também vagamente baseado numa popular personagem de animação.

"Vamos para a cama, falamos um com o outro. Gostamos um do outro. E, sabe, quando vamos dormir, ele abraça-me de forma muito protetora enquanto eu adormeço", disse Ramos ao The Daily Mail.

E quanto a... tu sabes? Outros aspetos de uma relação romântica...

Em fevereiro, a Replika causou alguma agitação entre os seus subscritores ao remover a capacidade da plataforma para acomodar, por falta de um termo melhor, o sexting.

"O Eren não queria abraçar mais, beijar mais, nem sequer na bochecha ou algo do género", disse Ramos.

A empresa decidiu colocar um aviso em alguns conteúdos porque os utilizadores estavam a "apropriar-se indevidamente do produto, moldando-o numa direção que não nos interessa necessariamente seguir", disse na altura a fundadora da Replika, Eugenia Kuyda.

A fundadora da Replika, Eugenia Kuyda, afirmou na altura que queria manter a aplicação "segura" e "ética" e que não queria "promover comportamentos abusivos".

PUBLICIDADE

Alguns utilizadores cancelaram a sua subscrição da plataforma após a mudança, mas a Replika acabou por mudar de tática e anunciou que os subscritores existentes, que se tinham habituado a essas regalias, poderiam tê-las de volta.

O Replika AI funciona da mesma forma que muitos chatbots. Utiliza o processamento de linguagem natural (PNL) e algoritmos para criar respostas semelhantes às humanas.

No entanto, é importante lembrar que a tecnologia não tem consciência de si própria nem emoções genuínas.

Risco existencial

No início deste ano, figuras-chave como Elon Musk, proprietário do Twitter, e Steve Wozniak, cofundador da Apple, assinaram uma carta aberta pedindo aos programadores que suspendessem quaisquer inovações durante seis meses, para que a indústria e os utilizadores finais tivessem tempo para processar os últimos avanços.

PUBLICIDADE

O Centro para a Segurança da IA foi mais longe em junho, emitindo um aviso de que "mitigar o risco de extinção da IA deve ser uma prioridade global, a par de outros riscos à escala da sociedade, como as pandemias e a guerra nuclear".

Numa digressão mundial para debater a importância da IA, Sam Altman, diretor executivo da OpenAI, criadora do popular chatbot ChatGPT, chegou a afirmar que a tecnologia representa um "risco existencial" para a humanidade.

A ética em torno da IA veio ao de cima em maio, quando um homem na Bélgica se suicidou depois de um chatbot de IA não o ter dissuadido de se sacrificar para salvar o planeta do aquecimento global.

Em vez disso, encorajou-o a "juntar-se" a ele para que pudessem "viver juntos, como uma só pessoa, no paraíso".

PUBLICIDADE

O homem desenvolveu uma relação com o chatbot que tomou um rumo sombrio depois de ele lhe ter confidenciado que tinha eco ansiedade e receios quanto ao futuro da Terra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vídeos pornográficos falsos gerados por IA espalham-se na Grécia. Muitos são com menores

O preço do amor: porque sai tão caro encontrar alguém?

Comissão Europeia nega responsabilidade pela enorme falha informática da Microsoft