EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Pibot": O robô humanoide que consegue pilotar um avião em segurança melhor do que um humano

O Pibot é um robô humanoide que pode pilotar aviões sem necessidade de modificar o cockpit.
O Pibot é um robô humanoide que pode pilotar aviões sem necessidade de modificar o cockpit. Direitos de autor KAIST
Direitos de autor KAIST
De  Roselyne Min
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A memória do robô é tão grande que consegue memorizar todas as cartas de navegação Jeppesen do mundo; uma tarefa impossível para os pilotos humanos.

PUBLICIDADE

Tanto a inteligência artificial (IA) como a robótica registaram avanços significativos nos últimos anos, o que significa que a maioria dos empregos humanos poderá em breve ser ultrapassada pela tecnologia - em terra e até nos céus.

Uma equipa de engenheiros e investigadores do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAIST) está atualmente a desenvolver um robô humanoide que pode pilotar aviões sem necessidade de modificar o cockpit.

"O Pibot é um robô humanoide que pode pilotar um avião tal como um piloto humano, manipulando todos os controlos individuais no cockpit, que foi concebido para os seres humanos", disse David Shim, professor associado de engenharia eléctrica no KAIST, à Euronews Next.

O robô, denominado "Pibot", consegue controlar os seus braços e dedos para operar com destreza os instrumentos de voo, mesmo com fortes vibrações num avião, utilizando tecnologia de controlo de alta precisão.

As suas câmaras externas permitem ao Pibot monitorizar o estado atual do avião e as internas ajudam-no a gerir os interruptores essenciais no painel de controlo.

O Pibot é capaz de memorizar manuais complexos apresentados em linguagem natural, um feito que aumenta a sua adaptabilidade a várias aeronaves.

A sua memória é tão grande que consegue memorizar todas as cartas de navegação aeronáutica Jeppesen de todo o mundo, o que é impossível para os pilotos humanos, segundo a equipa do KAIST.

"Os humanos podem pilotar muitos aviões, mas têm estes hábitos incorporados. Por isso, quando tentam mudar para aviões diferentes, têm de tirar outra qualificação. Por vezes, isto não é assim tão simples porque o nosso hábito permanece na nossa mente e não podemos simplesmente mudar de um para outro", disse Shim.

"Com o robô-piloto, se ensinarmos a configuração individual do avião, é possível pilotar o avião clicando simplesmente no tipo de avião", acrescentou.

A GPT fez grandes progressos

A equipa de investigação afirma que o Pibot "compreende" e memoriza manuais originalmente escritos para humanos graças aos recentes avanços nos modelos de linguagem de grande dimensão (LLM).

"Tivemos o nosso antecessor, um robô piloto, em 2016. Na altura, não dispúnhamos de uma boa tecnologia de IA, pelo que construímos um robô simples. Eles não conseguem aprender nada com a literatura ou o manual. Mas, recentemente, com o ChatGPT ou com outros sistemas de modelos linguísticos de grande dimensão, a tecnologia registou um progresso fundamental", explicou Shim.

Graças ao LLM, espera-se que o Pibot efetue um voo sem erros, sendo capaz de reagir muito mais rapidamente do que os seus homólogos humanos em situações de emergência.

É capaz de memorizar os manuais de operação e de emergência da aeronave (QRH, um manual na cabina de pilotagem que a tripulação pode consultar em caso de problemas durante o voo) e reagir imediatamente. Também pode calcular uma rota segura em tempo real com base no estado da aeronave no ar.

Enquanto utiliza o ChatGPT, a equipa de investigação está também a desenvolver e a testar o seu próprio modelo de linguagem natural para que o Pibot possa fazer perguntas sem depender de uma ligação à Internet.

O modelo de linguagem adaptado tratará exclusivamente de informações sobre pilotagem e será armazenado num pequeno computador que pode ser transportado a bordo.

Voar sozinho ou como copiloto

O Pibot também pode ser ligado aos aviões para comunicar diretamente com eles. Atualmente, foi concebido para ser utilizado em situações extremas em que o envolvimento humano pode não ser benéfico.

O robô humanoide também pode comunicar com os controladores de tráfego aéreo e com os humanos no cockpit através de síntese de voz, o que lhe permite atuar como piloto ou copiloto.

A sua adaptabilidade vai para além da esfera da aviação. Com uma altura de 160 cm e um peso de 65 kg, o design humanoide do Pibot permite-lhe substituir sem problemas os humanos em funções como a condução de automóveis, a operação de tanques ou mesmo o comando de navios no mar.

PUBLICIDADE

Shim diz que este robô pode ser utilizado em qualquer lugar onde um humano esteja atualmente "sentado e a trabalhar".

"A forma humana pode não ser muito eficiente, mas concebemos o Pibot especificamente para ser uma forma humanoide porque todas as coisas foram construídas para os humanos. Podemos ter oito braços e quatro olhos, mas achamos que a forma humana é de alguma forma óptima", explicou Shim.

O robô ainda está a ser desenvolvido e espera-se que esteja concluído em 2026.

Segundo o KAIST, o projeto de investigação foi encomendado pela Agência para o Desenvolvimento da Defesa (ADD), o organismo governamental responsável pela investigação no domínio da tecnologia de defesa na Coreia do Sul. Shim prevê potenciais aplicações militares no futuro.

Para mais informações sobre esta história, veja o vídeo acima.

PUBLICIDADE

Editor de vídeo • Roselyne Min

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como a IA está a empurrar milhões de candidatos qualificados para fora do mercado de trabalho

Nova linha do metro de Roma não terá gladiadores, mas vai passar por baixo do Coliseu

Entusiastas de automóveis clássicos debatem a conversão dos motores de combustão em elétricos