EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Escutas telefónicas sobre rodas": condutores são avisados de que a privacidade dos seus dados não está garantida nos veículos modernos

A proliferação de sensores nos automóveis transformou-os em prodigiosos centros de recolha de dados
A proliferação de sensores nos automóveis transformou-os em prodigiosos centros de recolha de dados Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Associated Press
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Fundação Mozilla adverte que os fabricantes de automóveis não estão a dar aos condutores controlo suficiente sobre a privacidade dos seus dados.

PUBLICIDADE

Os investigadores alertam para o facto de os automóveis modernos serem "escutas sobre rodas", uma vez que os fabricantes não dão aos condutores controlo sobre a privacidade dos seus dados.

No seu inquérito "Privacy Not Included", a Fundação Mozilla afirma que a maioria dos principais fabricantes admite que pode estar a vender as informações pessoais dos condutores, tendo metade deles afirmado que as partilharia com governos ou agências de aplicação da lei sem uma ordem judicial.

A proliferação de sensores nos automóveis transformou-os em prodigiosos centros de recolha de dados.

Os investigadores afirmam que os condutores têm pouco ou nenhum controlo sobre os dados pessoais que os seus veículos recolhem. Alertam também para o facto de as normas de segurança serem vagas, o que constitui uma grande preocupação, dado o historial de suscetibilidade dos fabricantes de automóveis à pirataria informática.

"Os automóveis parecem ter passado despercebidos no radar da privacidade e espero que possamos ajudar a remediar esse facto, porque são verdadeiramente terríveis", afirmou Jen Caltrider, líder da investigação do estudo. "Os carros têm microfones e as pessoas têm todo o tipo de conversas sensíveis dentro deles. Os carros têm câmaras que estão viradas para dentro e para fora".

A menos que optem por um modelo usado, pré-digital, os compradores de automóveis "simplesmente não têm muitas opções", disse Caltrider.

Os carros tiveram a pior pontuação em termos de privacidade entre mais de uma dúzia de categorias de produtos que a Mozilla estudou desde 2017.

Vinte e cinco marcas de automóveis - escolhidas pela sua popularidade na Europa e na América do Norte - tiveram os seus avisos de privacidade revistos. Nenhuma delas cumpriu os padrões mínimos de privacidade da Mozilla, que promove tecnologias de código aberto e de interesse público e mantém o navegador Firefox. Em contrapartida, 37% das aplicações de saúde mental que a organização sem fins lucrativos analisou este ano cumpriam.

Fabricantes de automóveis vendem dados pessoais

Dezanove fabricantes de automóveis dizem que podem vender dados pessoais. Metade partilhará as suas informações com o governo ou com as autoridades policiais em resposta a um "pedido", em vez de exigir uma ordem judicial. Apenas dois - Renault e Dacia, que não são vendidos na América do Norte - oferecem aos condutores a opção de apagar os seus dados.

"Cada vez mais, a maior parte dos carros são escutas telefónicas sobre rodas", disse Albert Fox Cahn, investigador de tecnologia e direitos humanos Carr Center for Human Rights Policy de Harvard. "Os aparelhos eletrónicos que os condutores pagam cada vez mais para instalar estão a recolher cada vez mais dados sobre eles e os seus passageiros""Há algo de singularmente invasivo em transformar a privacidade do carro num espaço de vigilância empresarial", acrescentou.

Um grupo comercial que representa os fabricantes da maioria dos automóveis e camiões ligeiros vendidos nos EUA, a Alliance for Automotive Innovation, contestou esta caracterização. Numa carta enviada na terça-feira aos líderes da Câmara dos Representantes e do Senado dos Estados Unidos, afirma partilhar "o objetivo de proteger a privacidade dos consumidores".

Apelou a uma lei federal sobre a privacidade, afirmando que uma "manta de retalhos de leis estatais sobre a privacidade cria confusão entre os consumidores sobre os seus direitos de privacidade e torna o cumprimento desnecessariamente difícil". A ausência de tal lei permite que os dispositivos conectados e os smartphones acumulem dados para segmentação de anúncios personalizados e outros tipos de marketing - ao mesmo tempo que aumenta as chances de roubo de informações por meio de violações de segurança cibernética.

A Associated Press perguntou à Aliança, que tem resistido aos esforços para dar aos proprietários de automóveis e às oficinas independentes acesso aos dados a bordo, se apoia a possibilidade de os compradores de automóveis optarem automaticamente por não participar na recolha de dados - e de lhes dar a opção de eliminar os dados recolhidos. O porta-voz Brian Weiss afirmou que, por razões de segurança, o grupo "está preocupado" com a possibilidade de permitir que os clientes optem por não participar completamente, mas apoia a possibilidade de lhes dar um maior controlo sobre a forma como os dados são utilizados no marketing e por terceiros.

Os investigadores da Mozilla afirmaram que a maioria das marcas de automóveis ignorou as perguntas que lhes foram enviadas por correio eletrónico sobre o assunto.

A Nissan, sediada no Japão, surpreendeu os investigadores com o nível de honestidade e a discriminação pormenorizada da recolha de dados que o seu aviso de privacidade fornece, em forte contraste com as grandes empresas de tecnologia, como o Facebook ou a Google. As "informações pessoais sensíveis" recolhidas incluem números de carta de condução, estatuto de imigrante, raça, orientação sexual e diagnósticos de saúde.

Além disso, a Nissan afirma que pode partilhar "inferências" retiradas dos dados para criar perfis que "refletem as preferências, características, tendências psicológicas, predisposições, comportamentos, atitudes, inteligência, capacidades e aptidões do consumidor".

A Nissan foi uma das seis empresas automóveis que afirmaram poder recolher "informações genéticas" ou "características genéticas", segundo os investigadores. Também disse que recolheu informações sobre "atividade sexual", mas não explicou como.

Se um proprietário optar por não participar na recolha de dados, o aviso de privacidade da Tesla diz que a empresa pode não ser capaz de notificar os condutores "em tempo real" de problemas que possam resultar em "funcionalidade reduzida, danos graves ou inoperacionalidade".

PUBLICIDADE

Nem a Nissan nem a Tesla responderam de imediato a questões sobre as suas práticas.

A Mozilla teve em conta leis como o Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia e a Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia por obrigar os fabricantes de automóveis a fornecer informações sobre a recolha de dados existentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova linha do metro de Roma não terá gladiadores, mas vai passar por baixo do Coliseu

Entusiastas de automóveis clássicos debatem a conversão dos motores de combustão em elétricos

Em 2026, autoestradas da UE terão um posto de carregamento de carros elétricos a cada 60 km