IA e eleições europeias: Podem as novas tecnologias estar a fomentar o euroceticismo?

Uma vista do mural de Banksy sobre o Brexit, que mostra um homem a rasgar a bandeira da UE em Dover, Inglaterra, na terça-feira, 11 de dezembro de 2018.
Uma vista do mural de Banksy sobre o Brexit, que mostra um homem a rasgar a bandeira da UE em Dover, Inglaterra, na terça-feira, 11 de dezembro de 2018. Direitos de autor Gareth Fuller/PA via AP
De  Andrea Carlo
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

No momento em que a Europa se prepara para ir às urnas em junho, a Euronews Next avalia se a tecnologia de IA pode causar estragos na estabilidade política da UE.

PUBLICIDADE

Desde que a inteligência artificial (IA) tomou de assalto as nossas vidas no início deste ano, a tecnologia tem sido considerada uma faca de dois gumes, capaz de abrir novos horizontes e de nos dar ferramentas criativas e, por vezes, cómicas.

Mas também tem sido um fator de perturbação, uma vez que muitos receiam que possa deslocar milhões de pessoas dos seus empregos e alimentar ainda mais a disseminação de desinformação.

A esfera política está entre as muitas facetas da sociedade que são altamente susceptíveis à influência da IA. Com as eleições europeias à porta, será que a nova tecnologia pode causar estragos?

Euroceticismo e as eleições de 2024

As eleições para o Parlamento Europeu, agendadas para 6 a 9 de junho de 2024, serão as primeiras a ser moldadas pela tecnologia de IA. Estas eleições ocorrem num momento particularmente importante do calendário democrático global, uma vez que cerca de metade da população mundial irá votar no próximo ano.

Os europeus irão às urnas numa altura em que a delicada estabilidade geopolítica do mundo está em jogo.

A guerra grassa à nossa porta: A invasão russa da Ucrânia, que teve início em fevereiro de 2022, continua a fazer barulho, enquanto Israel continua a lutar contra Gaza. As consequências da pandemia de COVID-19 desencadearam uma crise de custo de vida, deixando inúmeras famílias em todo o continente a lutar para fazer face às despesas. E, sem surpresa, a maioria das pessoas não está propriamente satisfeita com a situação atual.

Deputados votam Lei da Inteligência Artificial no dia 14 de junho de 2023, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, no leste de França.
Deputados votam Lei da Inteligência Artificial no dia 14 de junho de 2023, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, no leste de França.Jean-Francois Badias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Nos últimos anos, já se assistiu a convulsões, com a proliferação de políticas populistas e a forte presença de movimentos eurocépticos, reforçados por uma série de crises na década de 2010 e no início da década de 2020.

Os analistas consideram que a atual situação da Europa faz dela o barril de pólvora perfeito para um furacão populista na próxima primavera.

"O contexto atual, marcado por uma desigualdade crescente e por guerras culturais furiosas, proporciona um terreno fértil para as forças eurocépticas, que podem agora continuar ou voltar a culpar as elites da UE por uma situação terrível", disse Andrea Pirro, professor de ciências políticas na Universidade de Bolonha, ao Euronews Next.

O euroceticismo, um termo controverso nascido no meio mediático britânico dos anos 80, foi adotado pelos cientistas políticos para descrever os movimentos que se opõem ou se opõem a muitos aspectos do projeto europeu e do processo de integração em geral.

Embora alguns especialistas tenham questionado a sua existência como um movimento distinto - assinalando a utilização carregada do termo como forma de categorizar cegamente qualquer crítico da UE -, identificaram sobretudo um crescimento tangível do sentimento anti-europeu após o Tratado de Maastricht em 1992. 

Essa opinião acentoou-se nas décadas de 2000 e 2010 na sequência da crise financeira e da guerra civil síria, e que culminou com a decisão do Reino Unido de abandonar o bloco após o referendo do Brexit de 2016.

Os sentimentos críticos em relação à UE tendem a ser mais fortemente defendidos por partidos populistas não governamentais, que estão a aumentar rapidamente a sua base de eleitores e, por vezes, até a ganhar eleições.

De facto, embora o moderado Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, seguido dos socialistas e democratas, de centro-esquerda, continuem a liderar as sondagens, uma análise do Politico mostrou que os populistas de direita irão provavelmente aumentar a sua quota de lugares nas próximas eleições.

Tendo em conta as previsões actuais, é provável que o euroceticismo continue a ser uma força potente em junho de 2024.

"O euroceticismo em toda a Europa irá renascer no próximo ano, à medida que nos aproximamos das eleições europeias", afirmou Marius Ghincea, investigador de ciência política no Instituto Universitário Europeu (EUI), em Florença.

"Em particular, devemos esperar ganhos significativos em todo o continente, nos países da Europa Ocidental e Oriental".

Os esforços da Europa para traçar linhas de proteção para a IA foram prejudicados pelo recente aparecimento de sistemas de IA generativa, como o ChatGPT da OpenAI.
Os esforços da Europa para traçar linhas de proteção para a IA foram prejudicados pelo recente aparecimento de sistemas de IA generativa, como o ChatGPT da OpenAI.Matt Rourke/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Poderá a IA mudar o rumo das eleições europeias?

"É verdade que tem muitos duplos corporais?", perguntou um estudante ao Presidente russo Vladimir Putin durante uma entrevista televisiva no início deste mês, segundo a Reuters.

PUBLICIDADE

Só que as palavras saíram diretamente da boca do próprio Putin - pelo menos, de uma versão dele gerada por IA.

A tecnologia de IA tem vindo a esbater cada vez mais as linhas entre o facto e a ficção, criando imagens quase realistas (ou, muitas vezes, totalmente credíveis). Entre estas encontram-se as "deep fakes", imagens e vídeos criados à semelhança de outro indivíduo.

As "deepfakes" têm sido frequentemente utilizadas para fins cómicos ou satíricos, como foi o caso da emissora britânica Channel 4, que gerou controvérsia em 2020 ao criar uma mensagem de Natal falsa que mostrava a Rainha Isabel II a dançar e a disparar contra outros membros da família real.

A tecnologia de IA generativa também pode criar imagens que retratam figuras públicas numa variedade de cenários farsescos. Entre as suas vítimas mais proeminentes está o próprio Santo Padre, com imagens falsas do Papa Francisco a usar calças Balenciaga ou a tocar nos gira-discos de uma festa rave a circular na Internet.

Estas imagens geradas por IA podem ser fonte de humor inofensivo, mas num contexto político tenso, o risco de ramificações decididamente prejudiciais é grave.

PUBLICIDADE

Uma agência de cibersegurança da UE, a ENISA, já apelou à vigilância, observando o recente aumento das ferramentas de IA, incluindo "chatbots" como o ChatGPT, e 2.580 incidentes de cibersegurança relacionados de julho de 2022 a junho de 2023.

"A confiança no processo eleitoral da UE dependerá criticamente da nossa capacidade de confiar em infraestruturas cibernéticas seguras e na integridade e disponibilidade de informações", disse Juhan Lepassaar, diretor executivo da ENISA, em um comunicado oficial.

"Agora, cabe-nos a nós garantir que tomamos as medidas necessárias para alcançar este objetivo sensível, mas essencial para as nossas democracias."

O logótipo da OpenAI é apresentado num telemóvel com uma imagem num monitor de computador gerada pelo modelo texto-imagem Dall-E do ChatGPT.
O logótipo da OpenAI é apresentado num telemóvel com uma imagem num monitor de computador gerada pelo modelo texto-imagem Dall-E do ChatGPT.Michael Dwyer/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Ao longo da última década, os partidos populistas anti-UE têm-se apoiado frequentemente na utilização das redes sociais para atrair apoios, e os investigadores consideram que a IA pode tornar-se a mais recente ferramenta à sua disposição.

"Os partidos eurocépticos têm tradicionalmente levado a cabo campanhas de difamação contra as elites da UE e os opositores eurófilos", afirmou Pirro.

PUBLICIDADE

"A IA irá inevitavelmente facilitar a criação desses conteúdos, tornando-os mais reais à medida que a tecnologia avança."

No Reino Unido, por exemplo, a campanha pró-Brexit Leave recorreu fortemente às redes sociais para criticar a UE. As investigações subsequentes revelaram que várias declarações enganosas ou inexactas, ou "notícias falsas", foram amplamente divulgadas em linha e que os bots automatizados em plataformas como o Twitter (agora conhecido como X) aumentaram no período que antecedeu o referendo.

No entanto, ainda não se sabe se as forças eurocépticas conseguirão aproveitar a IA em seu benefício.

"A IA é uma ferramenta que pode ser utilizada a favor ou contra os objectivos populistas em toda a Europa", afirma Ghincea.

"Se vai ou não fomentar o euroceticismo em toda a Europa depende da eficácia e da rapidez com que os partidos tradicionais e radicais a utilizam para atingir os seus próprios objectivos."

PUBLICIDADE
Primeiro-ministro britânico Boris Johnson dirige-se aos seus apoiantes antes de entrar no seu autocarro de campanha para as eleições gerais em Manchester, em novembro de 2019.
Primeiro-ministro britânico Boris Johnson dirige-se aos seus apoiantes antes de entrar no seu autocarro de campanha para as eleições gerais em Manchester, em novembro de 2019.Frank Augstein/Copyright 2019 The AP. All rights reserved

"Tecnologia politizada" enfrenta regulamentação

O público em geral pode não estar preparado para enfrentar a força total da IA, mas a UE tem estado certamente a pensar nisso.

Considerada uma "estreia mundial" na campanha para regulamentar a IA a nível legislativo, o Parlamento Europeu e o Conselho da UE conseguiram chegar a um acordo provisório denominado Lei da Inteligência Artificial no início deste mês, após anos de discussões, que recebeu luz verde do parlamento a 14 de dezembro.

Entre os muitos aspectos que a lei pretende abranger está a ameaça representada por certas ferramentas "inaceitáveis" e de "alto" risco, que serão proibidas ou avaliadas antes de serem divulgadas ao público.

Mas a lei foi alvo de reações mistas, com críticas do sector tecnológico. O seu destino permanece incerto, uma vez que três dos actores mais poderosos da UE - Alemanha, França e Itália - manifestaram o seu descontentamento.

Marinus Ossewaarde, professor associado de sociologia na Universidade de Twente, nos Países Baixos, afirmou que a IA pode afetar a tomada de decisões democráticas nos próximos anos, especialmente se os governos não a regulamentarem.

PUBLICIDADE

"A IA é uma tecnologia completamente politizada. Atualmente, quase todos os governos do mundo têm as suas estratégias de IA. A IA não é uma espécie de ferramenta neutra, mas sim uma força política apoiada por milhares de milhões de euros", afirmou ao Euronews Next.

"Se o metaverso for deixado nas mãos de grandes oligarcas tecnológicos (como já foi decidido anteriormente com as plataformas de redes sociais) para servir objectivos empresariais, então isso tem um enorme potencial para matar a vida democrática", alertou.

Mas se for regulamentado para revitalizar a vida democrática, pode tornar-se "uma força democratizante".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grupo dos Verdes defende pacto ecologista que traga mais justiça social aos europeus

Impasse nas negociações sobre Lei da Inteligência Artificial da UE

Notícias com avatares de Inteligência Artificial são realidade e podem mudar a face do jornalismo