A pílula contracetiva e os seus efeitos secundários

Os benefícios e efeitos secundários da pílula
Os benefícios e efeitos secundários da pílula Direitos de autor Canva
De  Imane El Atillah
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Estudos recentes descobriram que mulheres que tomam contraceção hormonal - especificamente uma apenas com progesterona - têm um risco aumentado de desenvolver cancro da mama.

PUBLICIDADE

Estudos recentes descobriram que mulheres que tomam contraceção hormonal - especificamente uma apenas com progesterona - têm um risco aumentado de desenvolver cancro da mama.

Esta relação não é novidade, pois todos os tipos de contracetivos hormonais são conhecidos por terem efeitos colaterais potenciais, alguns mais graves do que outros.

A pílula ainda é amplamente considerada uma invenção transformadora que deu às mulheres um método conveniente e fiável de evitar gravidezes indesejadas e até é prescrita em doenças como a endometriose.

Mas as últimas descobertas vieram reavivar a discussão sobre métodos anticoncecionais e o seu impacto na saúde física e mental das mulheres.

"A pílula como um medicamento geral amplo é uma das melhores coisas que aconteceram ao mundo da contraceção para milhões e milhões de pessoas, e continua a ser uma forma incrivelmente comum de contraceção. Mas não é para todas", disse Alyssa Dweck, ginecologista em Nova Iorque, ao Euronews Next.

De mudanças de humor a seios doloridos, dores de cabeça e redução do desejo sexual, nos últimos anos, muitas mulheres têm reclamado dos efeitos colaterais dos anticoncecionais hormonais e até abandonado a pílula após relatos de complicações graves de saúde.

Há uma década, o alarme público tomou conta de França quando uma mulher de 25 anos entrou com uma ação judicial sobre o derrame debilitante que sofreu enquanto usava uma pílula anticoncecional de terceira geração que combinava a hormona feminina estrogénio com uma versão sintética de progesterona.

Esse caso provocou uma queda acentuada no número de mulheres que tomaram a pílula nos anos seguintes, embora continue a ser o método mais usado no país, de acordo com o Instituto Francês de Estudos Demográficos.

Quais são os principais efeitos colaterais da pílula?

Os efeitos colaterais comuns durante o uso da pílula incluem sangramento irregular, náuseas, sensibilidade nos seios e, potencialmente, uma mudança de peso em qualquer direção, explicou Dweck.

Num número reduzido de casos, as pessoas podem ter complicações muito mais sérias, como coágulos sanguíneos, que podem chegar aos pulmões e causar embolia pulmonar ou atingir o cérebro e causar um derrame.

Estudos também associaram a pílula anticoncecional a um risco aumentado de certos tipos de cancro, especificamente de mama, colo do útero e fígado.

Um estudo recente publicado na PLOS Medicine concluiu que as mulheres que tomam contraceção hormonal têm um risco 20-30% maior de desenvolver cancro da mama.

"Este risco não parece variar de acordo com o último tipo de anticoncecional prescrito", disse Kirstin Pirie, da Unidade de Epidemiologia do Cancro da Oxford Population Health e uma das principais autoras do estudo.

"No entanto, como o risco subjacente de cancro da mama é pequeno para mulheres na faixa dos 20 e 30 anos, o excesso de cancro da mama associado ao uso em idades mais jovens também é bastante pequeno", disse ao Euronews Next.

Embora estas descobertas possam parecer preocupantes, Pirie observou que o risco só prevalece durante o uso da pílula e começa a diminuir substancialmente quando é interrompido.

Dweck acrescentou que a pílula pode até ser benéfica em alguns casos.

"A pílula anticoncecional também é bem conhecida por ajudar a prevenir o risco de cancros de ovário e do útero. E isso não é muito divulgado, mas com certeza é muito importante para aquelas pessoas que se preocupam com essas doenças, talvez devido ao histórico familiar", disse.

"Portanto, há muitas coisas boas que podem ser obtidas com a pílula anticoncecional para a pessoa certa, e há efeitos colaterais para outras", acrescentou, observando que as pessoas devem estar atentas ao seu historial de saúde antes de tomar a pílula.

PUBLICIDADE

No entanto, alguns especialistas, como Pirie, pedem mais estudos sobre os efeitos colaterais da pílula composta apenas por progesterona.

“Muito se sabe sobre os riscos associados ao uso de anticoncecionais orais combinados, pois esses anticoncecionais são usados há muitas décadas por um grande número de mulheres em todo o mundo. No entanto, nas últimas décadas, o uso de contracetivos apenas com progesterona aumentou substancialmente no Reino Unido e, portanto, é importante continuar a avaliar os riscos de curto e longo prazo associados ao seu uso”, disse.

Que outras opções existem?

Felizmente, existem alternativas à pílula anticoncecional quando se trata de prevenir uma gravidez indesejada.

Dweck aponta aplicações que podem rastrear ciclos e prever a ovulação, preservativos femininos ou masculinos - que têm o benefício adicional de prevenir infeções sexualmente transmissíveis (DSTs) - e dispositivos intrauterinos não hormonais (DIUs) como as formas mais relevantes de contraceção não hormonal para pessoas que estão a pensar em abandonar a pílula hormonal.

Também há esperança noutra frente: a contraceção masculina. Enquanto as mulheres carregam há décadas a maior parte da responsabilidade do controlo da natalidade, estudos recentes sugerem que os homens em breve poderão compartilhar esse fardo de maneira mais justa ou até mesmo tirá-lo inteiramente dos ombros das mulheres, seja tomando uma "pílula masculina", esfregando um gel hormonal nos ombros ou fazendo uma vasectomia reversível.

PUBLICIDADE

Abandonar a pílula

Muitas mulheres não ficaram à espera da revolução na contraceção masculina e já abandonaram o anticoncecional hormonal.

Há um ano, o médico prescreveu a *Sofia (cujo nome foi alterado a seu pedido) a pílula anticoncecional, após o diagnóstico da síndrome do ovário poliquístico (SOP), uma condição que afeta as hormonas reprodutivas e geralmente causa períodos irregulares, acne, crescimento excessivo de pelos, e infertilidade.

"Infelizmente, quando você vai ao médico e tem SOP como mulher, a única coisa que dizem é para perder peso e tomar a pílula hormonal se quiser menstruar regularmente, e quando quiser engravidar, para voltar e discutir tratamentos de fertilidade", disse ao Euronews Next.

Quando perguntou sobre os possíveis efeitos secundário, o médico desvalorizou-os e enfatizou que a pílula ajudaria a reduzir o risco de cancro do útero, que é aumentado pela SOP.

Não totalmente convencida, mas sem alternativas, começou a tomar a pílula - até que os efeitos secundários se tornaram insuportáveis.

PUBLICIDADE

"Uma coisa que realmente me assustou foram as mudanças de humor, porque podia passar por diferentes estados emocionais e, um dia, do nada, ficava triste e depois ficava feliz, e depois estaria a chorar", disse.

“Passava por momentos, por uma série de dias, em que simplesmente não me sentia eu mesma”.

Sofia disse que inicialmente acreditava que a pílula ajudaria a minimizar os sintomas da sua condição, mas acabou por lhe causar mais mal do que bem.

Enquanto isso, nas redes sociais, ela encontrava histórias de mulheres que diziam conseguir equilibrar a SOP de forma natural, sem contraceção hormonal.

Depois de cinco meses a tomar a pílula e farta dos efeitos secundários, decidiu tentar adotar mudanças na dieta e no estilo de vida para controlar a SOP.

PUBLICIDADE

“Para mim, a decisão de abandonar a pílula foi médica”, explicou. “Eu queria recuperar a minha saúde e seguir o caminho tradicional e natural para tentar resolver o problema”.

Embora a sua luta para equilibrar as suas hormonas naturalmente tenha sido acidentada, obteve alguns resultados positivos e disse que conseguiu experimentar um ciclo menstrual mais regular e um humor muito melhor em geral.

Histórias nas redes sociais que exaltam os benefícios de abandonar a pílula têm encorajado um número crescente de mulheres a tomar a decisão.

No entanto, os especialistas alertam para os perigos de tomar grandes decisões seguindo as tendências online sem consultar um profissional de saúde.

“O melhor das redes sociais é que trazem uma grande consciencialização sobre tópicos de conversa que todos nós precisamos ter, seja com os nossos amigos, a nossa família, os nossos médicos, os nossos parceiros”, disse Dweck.

PUBLICIDADE

"A desvantagem é que há muita desinformação, ou informações equivocadas, ou informações que podem pertencer a um indivíduo e não a todos. Portanto, isso realmente deve ser levado em consideração", acrescentou.

"Assim, a boa notícia é que estamos a falar sobre isso. A má notícia é que precisamos falar com especialistas familiarizados com as nossas circunstâncias individuais para encontrar as melhores opções".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro

Padre e alegado companheiro detidos em Espanha por venda ilegal de Viagra