Viver perto de bares e locais de fast-food pode ser mau para a saúde do coração, diz estudo

Viver perto de pubs, bares e restaurantes de fast-food está associado a um maior risco de insuficiência cardíaca - estudo
Viver perto de pubs, bares e restaurantes de fast-food está associado a um maior risco de insuficiência cardíaca - estudo Direitos de autor Canva
De  Oceane Duboust
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com um novo estudo, os participantes perto da maior densidade de locais de venda de alimentos prontos a comer têm um risco 16% maior de sofrer de insuficiência cardíaca.

PUBLICIDADE

Viver perto de pubs, bares e restaurantes de fast-food pode aumentar o risco de insuficiência cardíaca, segundo um novo estudo.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte a nível mundial, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), e a nova investigação publicada na revista Circulation: Heart Failure sugere que o local onde se vive pode fazer a diferença.

Os investigadores analisaram os dados de meio milhão de adultos do UK Biobank com idades compreendidas entre os 37 e os 73 anos.

"A maior parte da investigação anterior sobre a relação entre a nutrição e a saúde humana centrou-se na qualidade dos alimentos, negligenciando o impacto do ambiente alimentar", afirmou em comunicado Lu Qi, autor sénior do estudo e professor de epidemiologia na Universidade de Tulane, nos EUA .

"O nosso estudo realça a importância de ter em conta o ambiente alimentar na investigação nutricional", afirmou, acrescentando que este tipo de restaurantes serve frequentemente alimentos pouco saudáveis.

Risco de insuficiência cardíaca 16% maior quando rodeado por locais de fast-food

Os investigadores avaliaram a exposição das pessoas a pubs, bares e restaurantes de fast-food em função da proximidade (viver num raio de um quilómetro) e da densidade (o número total de estabelecimentos de comida pronta a comer num raio de um quilómetro).

As pessoas que viviam a menos de 500 metros de distância de bares e pubs tinham um risco 13% maior de sofrer de insuficiência cardíaca, em comparação com as pessoas que viviam a mais de dois quilómetros. No caso dos restaurantes de fast-food, o risco era de 10%.

Em geral, os participantes que viviam em zonas com a maior densidade de estabelecimentos de comida pronta a comer, principalmente pubs, bares e locais de fast-food, tinham um risco 16% maior de sofrer de insuficiência cardíaca em comparação com os que não tinham estes restaurantes nas proximidades.

A insuficiência cardíaca ocorre quando o músculo cardíaco não consegue bombear o sangue de forma eficaz, levando a uma reserva de sangue e a uma potencial acumulação de fluidos nos pulmões, resultando em falta de ar, de acordo com a Mayo Clinic.

"Estudos anteriores sugeriram que a exposição a ambientes de comida pronta a consumir está associada ao risco de outras doenças, como a diabetes tipo 2 e a obesidade, que também podem aumentar o risco de insuficiência cardíaca", afirmou Qi.

Estatuto socioeconómico também pode ser um fator

A proximidade de locais de fast-food e bares não são os únicos fatores de risco. O risco de insuficiência cardíaca foi maior entre os participantes sem um diploma universitário e entre os adultos de zonas urbanas sem acesso a centros de fitness.

O estudo parece corroborar investigações anteriores efetuadas nos Países Baixos e na Suécia.

"A insegurança alimentar está frequentemente associada a uma composição de baixo estatuto socioeconómico e a ambientes alimentares prontos a comer", refere o estudo, e a insegurança alimentar é um "determinante social notável" no que diz respeito aos riscos de insuficiência cardíaca.

Os investigadores também insistiram na importância de realizar estudos mais alargados, uma vez que a sua demografia é constituída por mais de 94% de europeus brancos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas associam alimentos ultraprocessados a 32 problemas de saúde

Consumo diário de carne e alimentos processados ligado à doença de Alzheimer

Quais são os países mais afetados pela crescente crise da obesidade?