EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Estudo associa os alimentos ultra-processados a um maior risco de doença cardiovascular e mortalidade

Alimentos ultra-processados à base de plantas associados a um maior risco de doença cardiovascular
Alimentos ultra-processados à base de plantas associados a um maior risco de doença cardiovascular Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Oceane Duboust
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os investigadores analisaram o impacto de uma série de alimentos ultra-processados "à base de plantas" na sua saúde, o que confirmou outras descobertas que associam os alimentos processados a problemas de saúde.

PUBLICIDADE

Um número crescente de estudos está a encontrar ligações entre os alimentos ultra-processados (UPFs) e o aumento do risco de problemas de saúde como a obesidade, doenças cardíacas e diabetes tipo 2.

Uma equipa de investigadores da Universidade de São Paulo, no Brasil, e do Imperial College London, no Reino Unido, analisou especificamente o impacto dos alimentos "à base de plantas" altamente processados no risco cardiovascular.

Analisaram os dados de cerca de 120 000 pessoas do UK Biobank, com uma média de idade de 55 anos.

Quando a dieta era mais rica em alimentos não processados à base de plantas, como frutos, legumes, cereais ou frutos secos, os riscos diminuíam.

Um aumento de dez por cento nestes ingredientes foi associado a uma redução de sete por cento no risco de doenças cardiovasculares e de oito por cento no risco de doenças coronárias.

No entanto, o consumo de alimentos ultra-processados de origem não animal foi associado a um aumento de cinco por cento do risco de doenças cardiovasculares e a um aumento de 12 por cento da mortalidade.

Os UPFs em geral também foram associados a um maior risco de doença cardiovascular e mortalidade.

"Temos mais um forte argumento para incentivar a redução do consumo de alimentos ultraprocessados, independentemente de serem de origem animal ou vegetal", afirmou em comunicado a Dra. Renata Levy, uma das autoras do estudo e professora da Universidade de São Paulo.

Quais alimentos ultra-processados foram incluídos no estudo?

O estudo analisou uma vasta gama de alimentos ultra-processados, incluindo pães industriais, pastelaria, biscoitos e bolos. As alternativas à carne representaram apenas 0,2% do UPF à base de plantas.

A Dra. Hilda Mulrooney, professora de nutrição e saúde na Universidade Metropolitana de Londres,afirmou num comunicado que o estudo era "impressionante em termos da dimensão do estudo e que utilizou uma vasta gama de métodos estatísticos para demonstrar um efeito".

Mas salientou que "o maior contribuinte para os alimentos ultra-processados à base de plantas não são as alternativas à carne, mas sim o pão, a pastelaria, os pãezinhos, os bolos e as bolachas, que não são bons marcadores de uma dieta à base de plantas, uma vez que muitas pessoas que consomem carne também consomem esses produtos".

"O estudo limita-se a mostrar associações e a causalidade não pode ser demonstrada", acrescentou.

Vários especialistas observaram também que o estudo se baseou no sistema de classificação NOVA, que classifica os alimentos de acordo com o seu grau de transformação, mas não tem em conta o conteúdo nutricional dos alimentos.

"Uma ingestão demasiado elevada de qualquer grupo de alimentos é suscetível de resultar em desequilíbrio, e eu estaria muito mais preocupado com o facto de os alimentos saudáveis serem mais acessíveis. O consumo de alimentos de qualidade inferior é a única opção para muitas pessoas devido à pressão do custo de vida", acrescentou Mulrooney.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ensaio clínico com novo medicamento indica cura em 100% de doentes oncológicos

Poderá o arroz rosa ser o alimento do futuro? Cientistas dizem que é mais nutritivo que o arroz normal

Cientistas associam alimentos ultraprocessados a 32 problemas de saúde