EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições legislativas em França: o que se segue para o partido do presidente Macron?

O Presidente francês Emmanuel Macron sai da cabina de voto antes de votar em Le Touquet-Paris-Plage, no norte de França, no domingo, 30 de junho de 2024.
O Presidente francês Emmanuel Macron sai da cabina de voto antes de votar em Le Touquet-Paris-Plage, no norte de França, no domingo, 30 de junho de 2024. Direitos de autor Yara Nardi/AP
Direitos de autor Yara Nardi/AP
De  Sophia Khatsenkova
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Depois de uma nova derrota esmagadora às mãos da extrema-direita na primeira volta das eleições legislativas de domingo, o futuro do partido centrista do presidente francês Emmanuel Macron está em risco, com alguns especialistas a questionarem-se se continuará a existir.

PUBLICIDADE

O presidente francês Emmanuel Macron, que convocou eleições antecipadas para 9 de junho após a derrota do seu partido nas eleições europeias, viu a sua coligação centrista sofrer mais uma derrota humilhante este domingo.

A sua aliança ficou em terceiro lugar, com 20,83% dos votos, enquanto a aliança de partidos de esquerda, a Nova Frente Popular, obteve 27,99%.

O Rassemblement National, de extrema-direita, obteve 33,15% dos votos e quase duplicou o seu resultado em relação às últimas eleições legislativas de 2022.

O que é que estes resultados significam para o campo presidencial?

Quando o presidente francês Emmanuel Macron convocou eleições antecipadas, prometeu "um tempo de clarificação essencial".

Mas após três semanas de campanha apressada e confusa, os resultados mostram que a aposta do Presidente falhou.

"O seu partido obter o terceiro lugar numa eleição que ele próprio provocou é uma grande derrota", disse Emmanuel Rivière, especialista em política e sondagens.

Numa declaração escrita, Macron não admitiu que o seu partido foi derrotado, mas apelou a "uma ampla manifestação claramente democrática e republicana para a segunda volta".

Macron e os seus aliados apelaram aos seus apoiantes para que impeçam a extrema-direita de tomar posse na próxima volta das eleições legislativas, prevista para 7 de julho.

Gabriel Attal, o primeiro-ministro cessante de Macron, exortou os eleitores a impedirem a vitória do Rassemblement National mas também disse que o partido de Jean-Luc Melenchon, o La France Insoumise, não é uma escolha credível.

Mas a eficácia desta "frente republicana" contra a extrema-direita tem vindo a enfraquecer ao longo dos anos.

O que é que se segue para o partido centrista de Macron?

De acordo com François-Xavier Millet, especialista em política e professor na Universidade das Antilhas, a votação deste domingo foi, em muitos aspetos, um protesto contra a forma como o presidente tem tratado as principais questões internas.

A curto prazo, "não há esperança para o partido presidencial", disse à Euronews.

Mas, a longo prazo, Millet acredita que Macron ainda pode salvar o que resta do seu partido, se o Rassemblement National ganhar a maioria absoluta dos lugares: "Se a extrema-direita liderar o governo, Macron poderá tentar recuperar algum tipo de legitimidade política a longo prazo, apresentando-se como um garante da Constituição, tentando salvaguardar os franceses de algumas das decisões da extrema-direita".

Com um número sem precedentes de lugares a caminho de uma segunda volta com três candidatos, a negociação política vai agora começar.

O presidente francês Emmanuel Macron, à direita, acompanha Edouard Philippe, antigo primeiro-ministro francês
O presidente francês Emmanuel Macron, à direita, acompanha Edouard Philippe, antigo primeiro-ministro francêsGonzalo Fuentes/AP

Os partidos decidirão quem deve abandonar o cargo para terem mais hipóteses de derrotar os candidatos de extrema-direita nos seus círculos eleitorais.

PUBLICIDADE

As candidaturas à segunda volta devem ser apresentadas até às 18:00 de terça-feira pelos candidatos que tenham obtido pelo menos 12,5% dos votos dos eleitores recenseados.

De acordo com Emmanuel Rivière, o futuro da aliança centrista está "ameaçado", uma vez que o panorama político vai mudar após estas eleições antecipadas.

"Os possíveis sucessores de Macron vão tentar construir algo novo", explicou o especialista em sondagens à Euronews, referindo-se ao antigo primeiro-ministro de Macron, Edouard Philippe, que lidera o partido de centro-direita Horizons.

Na semana passada, Philippe acusou Macron de "matar a maioria presidencial" e muitos outros políticos do campo presidencial expressaram a sua frustração e desilusão com a sua decisão de dissolver a Assembleia Nacional.

PUBLICIDADE

Muitos candidatos da aliança centrista recusaram-se mesmo a colocar o rosto de Emmanuel Macron nos seus cartazes eleitorais, temendo que a imagem pudesse prejudicar as suas hipóteses de serem eleitos.

Annabelle, 28 anos, que vive em Paris, partilhou um sentimento semelhante. Votou em Macron este domingo. "Acho que ele desiludiu muitos franceses e ninguém pode voltar a confiar nele".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poderá a França evitar o triunfo da extrema-direita na segunda volta das eleições?

Bardella compromete-se a ser "primeiro-ministro de todos os franceses" após vitória nas legislativas

Aumentam preocupações com as propostas económicas dos partidos antes das eleições francesas