EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O declínio da fertilidade na Europa: que país europeu tem menos bebés?

Os nados-vivos atingiram o seu nível mais baixo na UE.
Os nados-vivos atingiram o seu nível mais baixo na UE. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Servet Yanatma
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Pela primeira vez desde 1960, o número de nados-vivos na UE desceu abaixo dos 4 milhões, o que representa uma das taxas de fertilidade mais baixas do mundo.

PUBLICIDADE

Em 2022, o número de nados-vivos na União Europeia atingiu o seu nível mais baixo desde 1960, de acordo com os últimos dados disponíveis. Nesse ano, nasceram apenas 3,88 milhões de bebés na UE, marcando a primeira vez que o número desceu abaixo dos 4 milhões.

A taxa de fertilidade também diminuiu, aproximando-se dos níveis registados pela última vez há duas décadas. A UE registou uma das taxas de fertilidade mais baixas do mundo, definida como o número de nados-vivos por mulher.

Como se comparam as taxas de fertilidade nas diferentes regiões da Europa? E como evoluiu a taxa de fertilidade na Europa em comparação com o resto do mundo?

Desde 1960 que se regista uma tendência decrescente do número de crianças nascidas na UE. O número mais baixo foi registado em 2022, com 3,88 milhões.

Em 1990, nasceram 5,1 milhões de bebés na UE, o último ano em que o número de nascimentos ultrapassou os 5 milhões.

As taxas de fertilidade variam consideravelmente na Europa

Em 2022, a taxa de fertilidade, que reflete o número de nados-vivos por mulher, variou significativamente na UE, oscilando entre 1,79 em França e 1,08 em Malta, de acordo com o Eurostat, o serviço de estatística da UE.

A média da UE no seu conjunto é de 1,46. Incluindo a Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA), o Reino Unido e os países candidatos à UE, a Geórgia (1,83) e a Moldávia (1,81) registaram taxas mais elevadas do que a França.

Embora a taxa de fecundidade mais elevada seja observada em França, um país mediterrânico, outras nações mediterrânicas como Malta (1,08), Espanha (1,16), Itália (1,24), Grécia (1,32) e Chipre (1,37) apresentam taxas notavelmente mais baixas.

Foram registadas taxas de fertilidade ligeiramente mais elevadas em países como a Roménia (1,71), a Turquia (1,63), o Reino Unido (1,56), a Alemanha (1,46) e a Finlândia (1,32).

A taxa de fertilidade na Europa está a aumentar ou a diminuir?

A análise da evolução a longo prazo da taxa de fertilidade na UE revela uma clara tendência para a baixa.

Em 1970, era de 2,35, o nível mais elevado registado, antes de cair para o seu nível mais baixo no final da década de 1990, atingindo 1,4 em 1998, de acordo com os dados do Banco Mundial.

Em seguida, começou a aumentar gradualmente, atingindo um pico recente de 1,57 em 2016.

Em 2022, a taxa de fertilidade total na UE era de 1,46 nados-vivos por mulher, aproximando-se dos níveis registados no início da década de 2000, que eram de cerca de 1,4.

A taxa de fertilidade mudou significativamente nos países da UE nos últimos 20 anos, diminuindo em 13 dos 27 Estados-Membros da UE entre 2002 e 2022.

A Irlanda e a Finlândia registaram os decréscimos mais significativos nas taxas de fertilidade, tendo cada uma delas diminuído mais de 0,4 pontos, o que corresponde a descidas superiores a 20%.

Em contrapartida, a Chéquia, a Roménia e a Bulgária registaram os maiores aumentos, cada um deles superior a 35 por cento.

Esta taxa manteve-se estável na UE, com um aumento de apenas 2%.

UE tem uma das taxas de fertilidade mais baixas do mundo

Em 2021, a UE registou uma taxa de fertilidade de 1,52, a mais baixa depois da região da Ásia Oriental e do Pacífico, que teve uma taxa de 1,49, de acordo com dados do Banco Mundial.

PUBLICIDADE

A África Ocidental e Central registou a taxa de fertilidade mais elevada, com 4,98, seguida da África Oriental e Austral, com 4,35, e do mundo árabe, com 3,14.

A taxa de fertilidade média global foi de 2,27, com o Norte de África e o Médio Oriente a registarem uma taxa mais elevada de 2,63. A taxa da América do Norte, de 1,64, foi ligeiramente superior à média da OCDE, de 1,59.

Desde 1970, tem-se verificado uma tendência notável de descida das taxas de fertilidade em quase todas as regiões, embora esta descida tenha sido significativamente mais lenta em África.

As taxas de fertilidade em todos os 41 países europeus, incluindo a UE, a EFTA e os países candidatos, estão abaixo da média global.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Será que as mulheres sentem realmente mais dor do que os homens? Novo estudo quer acabar com os estereótipos de género

Doente de Parkinson volta a mover-se livremente após o primeiro transplante de células cerebrais cultivadas em laboratório

O "assassino silencioso" da Europa: Qual é o país com a tensão arterial mais elevada e como podemos evitá-la?