EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Será que as mulheres sentem realmente mais dor do que os homens? Novo estudo quer acabar com os estereótipos de género

Dor
Dor Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Rory Elliott Armstrong
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um novo estudo centra-se nas disparidades de sexo e género na dor e vai tentar explicar esta relação complicada.

PUBLICIDADE

Quando se trata de dor, os estereótipos relacionados com o sexo e o género tendem a entrar em jogo. Mas será que o limiar de um homem é realmente mais elevado do que o de uma mulher? As mulheres são de facto mais sensíveis do que os homens?

Estas são algumas das questões a que a Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) espera responder até ao final de 2024 com novas investigações.

O objetivo é abordar, compreender e sensibilizar para as disparidades entre sexo e género em relação à dor, que define como uma "experiência sensorial e emocional desagradável".

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o sexo refere-se às "diferentes características biológicas e fisiológicas dos homens e das mulheres, tais como os órgãos reprodutores, os cromossomas, as hormonas, etc.".

O género, por outro lado, refere-se às características de mulheres, homens, raparigas e rapazes que são socialmente construídas. Isto inclui normas, comportamentos e papéis, bem como as relações entre si.

O que é que sabemos até agora?

No que diz respeito ao sexo, vários investigadores realizaram no passado experiências laboratoriais onde, através de estímulos de pressão ou temperatura, provocaram dor em participantes voluntários.

Os seus resultados indicam que as mulheres podem ser mais sensíveis à dor do que os homens, o que significa que têm um limiar mais baixo. No entanto, também se verificou que a experiência da dor tem um impacto maior nos homens do que nas mulheres.

Isto levanta a questão: onde é que residem as diferenças? É o nosso cérebro ou o que fazemos para regular a dor que faz a distinção? As hormonas estão envolvidas? A ciência não tem uma resposta clara para estas questões, embora alguns estudos encontrem disparidades na resposta hormonal ou cerebral aos estímulos dolorosos.

De facto, alguns estudos não encontram diferenças entre homens e mulheres quando se têm em conta outros aspetos, como variáveis psicológicas específicas de cada pessoa. Por exemplo, o nível de ansiedade ou as estratégias que cada pessoa tem para lidar com situações negativas.

As hormonas podem desempenhar um papel fundamental

Cerca de metade das condições de dor crónica são mais comuns nas mulheres, sendo que apenas 20% têm uma maior prevalência nos homens.

Javier Medel, anestesista e chefe da unidade de dor do Hospital Vall d'Hebron, em Barcelona, explica que "existe uma componente biológica, que envolve recetores, diferenças hormonais e até genes", mas que todos os estudos realizados até agora são puramente "experimentais".

As hormonas podem influenciar a dor de várias formas, alterando a sensibilidade à dor, alterando os processos biológicos associados à dor (por exemplo, a inflamação), conduzindo a patologias dependentes de hormonas (por exemplo, a endometriose) ou influenciando o humor para alterar a experiência da dor.

A investigação clínica sobre a dor sugere que o género também pode afetar a forma como um indivíduo contextualiza e lida com a dor.

A dor é muito subjectiva

Tradicionalmente, a masculinidade é estereotipicamente associada à bravura e à dureza, enquanto a feminilidade está ligada à sensibilidade. Alguns estudos sugerem que, independentemente do sexo atribuído à nascença, as pessoas que se consideram mais masculinas têm um limiar e uma tolerância à dor mais elevados.

"A dor é muito subjetiva", diz Medel à Euronews Health, acrescentando que "cada um a sente de forma diferente e, biograficamente falando, depende da forma como se reagiu a estímulos dolorosos no passado".

O médico explica ainda que isto não depende apenas do género, mas também da etnia, uma vez que o papel de uma mulher ou de um homem pode variar entre estes. No norte da Europa, por exemplo, "as pessoas têm uma conceção diferente da dor devido ao clima", diz.

Diagnóstico tardio devido a preconceitos

Devido aos estereótipos de género, existem certos preconceitos em relação às mulheres doentes no sistema de saúde em geral.

Laia Pratcorona, ginecologista e promotora ativa da saúde da mulher na medicina, explica que "devido à visão de que as mulheres são mais instáveis emocionalmente", o diagnóstico e o tratamento podem ser atrasados, aumentando as taxas de mortalidade.

PUBLICIDADE

"Se uma mulher vai ao médico de família por causa de uma dor e não se enquadra em determinados parâmetros clínicos, a primeira coisa que normalmente fazem é mandá-la consultar um psiquiatra", afirma.

As mulheres também estiveram e estão sub-representadas nos ensaios clínicos. No passado, eram excluídas devido à instabilidade dos seus níveis hormonais durante o ciclo menstrual.

Mas isto, explica Pratcorona, "é um problema quando se trata de dosagens de medicamentos", uma vez que esses mesmos medicamentos são depois administrados a mulheres (com menstruação).

Que mais pode ser feito?

Tanto Medel como Pratcorona concordam com o facto de que é necessário fazer mais investigação sobre o assunto e também mais divulgação, que é o que o IASP pretende alcançar até ao final do ano.

Muitas pessoas não estão conscientes deste preconceito dentro da medicina", disse Pratcorona à Euronews Health, razão pela qual ela e outros colegas estão a tentar implementar uma disciplina chamada "Género e Medicina" na Universidade Autónoma de Barcelona.

PUBLICIDADE

Medel explica que atualmente é obrigatório incluir tanto homens como mulheres nas investigações médicas, mas que "o próximo passo é incluir também os diferentes géneros".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa faz apelo à natalidade: "Sem crianças e jovens, um país perde o seu desejo pelo futuro"

Doente de Parkinson volta a mover-se livremente após o primeiro transplante de células cerebrais cultivadas em laboratório

Exposição pré-natal a químicos pode aumentar risco de obesidade e hipertensão nas crianças