EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Doente de Parkinson volta a mover-se livremente após o primeiro transplante de células cerebrais cultivadas em laboratório

Thomas Matsson foi o primeiro doente do mundo a testar o método, em 2023.
Thomas Matsson foi o primeiro doente do mundo a testar o método, em 2023. Direitos de autor EBU/SVT
Direitos de autor EBU/SVT
De  Roselyne Min com EBU/SVT
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Thomas Matsson, doente de Parkinson, foi o primeiro no mundo a receber 7 milhões de células cerebrais cultivadas em laboratório em 2023. Hoje, consegue cheirar e praticar desporto.

PUBLICIDADE

Investigadores da Universidade de Lund, na Suécia, conseguiram implantar 7 milhões de células cerebrais cultivadas em laboratório num doente para tratar a doença de Parkinson.

Thomas Matsson, residente na Suécia, foi o primeiro no mundo a testar o método, há cerca de um ano.

Matsson foi diagnosticado com Parkinson aos 42 anos. Durante os últimos 17 anos, sentiu-se como se estivesse a caminhar através de um xarope, diz ele.

"O 'Mister P', a doença, puxava-me o pescoço para um lado quando eu ia para o outro", diz Matsson.

Hoje, reconhece novamente os cheiros e pratica desporto. "O xarope desapareceu. Tenho os meus 7 milhões de células e elas estão a começar a funcionar", diz Matsson.

"Reduzi a minha medicação para a doença de Parkinson. Antes, tudo era lento e tudo era difícil", acrescentou.

Ser capaz de patinar quando se tem Parkinson há 20 anos, acho que não há muita gente que o faça.
Thomas Matsson

Matsson diz que está a dar tacadas de golfe que não conseguia dar há 10 anos.

"Faço patinagem de longa distância, slalom, esqui de fundo, padel e, acima de tudo, golfe", afirma.

"Ser capaz de patinar quando se tem Parkinson há 20 anos, acho que não há muita gente que o faça. E depois 28 dias em Espanha, onde joguei 25 voltas em 28 dias, não se pode fazer isso quando se está saudável a maior parte do tempo. Aconteceu qualquer coisa. Algo muito bom".

Como é que funciona?

Parkinson é uma doença neurodegenerativa que afeta o movimento, principalmente devido à perda de células que produzem dopamina e que ajudam a transmitir sinais que controlam o movimento e a coordenação como um neurotransmissor.

A terapia celular concebida por investigadores da Universidade de Lund consiste em expor células estaminais de óvulos fertilizados - chamadas células estaminais embrionárias - a fatores de crescimento e a sinais que receberiam normalmente durante o desenvolvimento do embrião, de modo a orientá-las para se tornarem células dopaminérgicas imaturas.

As células são depois implantadas numa área de 4 mm no centro do cérebro do doente, mais próxima do tronco cerebral, para substituir as células dopaminérgicas que os doentes de Parkinson perderam.

Após alguns meses, as células começam a enviar fibras nervosas e a produzir dopamina.

"A ideia é que possa ser administrado como um tratamento único e a esperança é que os doentes possam reduzir a medicação, evitar os efeitos secundários do tratamento medicamentoso e obter um bom efeito motor a longo prazo das células para toda a vida", disse Gesine Paul-Visse, médica sénior em neurologia no Hospital Universitário de Skåne e professora adjunta na Universidade de Lund, à estação de televisão sueca SVT em 2023, quando começaram os primeiros ensaios.

Matsson não se sentiu bem logo que acordou do procedimento de 13 horas. Sofreu uma psicose durante 10 dias.

"Entre outras coisas, fugi duas vezes da enfermaria. Na segunda vez, foi a polícia que me levou de volta. Não é algo que eu queira voltar a experimentar. De maneira nenhuma", disse Matsson.

Não se sabe se foi um efeito da longa exposição à anestesia ou se teve a ver com o facto de o seu cérebro se ter adaptado às novas células cerebrais.

Risco de formação de tumores cerebrais

Até agora, cinco indivíduos foram submetidos a cirurgia utilizando as células cultivadas em laboratório. Em breve, três outros doentes receberão uma dose dupla, com 14 milhões de células cerebrais cada.

PUBLICIDADE

"Há sempre um risco teórico de formação de tumores, que é suscetível de aumentar se houver um maior número de células cerebrais implantadas", disse Paul-Visse.

"Depois, há o risco de medicação excessiva, de se produzir demasiada dopamina no cérebro. Penso que este risco é extremamente baixo", acrescentou.

Se tudo correr bem com os primeiros oito doentes, a equipa de investigação prosseguirá com estudos de maior dimensão em colaboração com uma empresa farmacêutica.

"O interesse dos doentes tem sido incrível. Até há doentes que vivem no estrangeiro e que gostariam de se mudar para a Suécia para participar neste estudo. E tivemos de informar todos os doentes de que o recrutamento para este estudo estava encerrado", afirma Paul-Visse.

Matsson diz ter 110% de certeza de que a equipa de investigação será bem sucedida.

PUBLICIDADE

"Estou absolutamente convencido, 110 por cento! E espero que estes cientistas acabem por receber as suas justas recompensas", acrescentou.

A esperança é que as células cultivadas estejam disponíveis como medicamento em todo o mundo dentro de sete a dez anos.

"Há efetivamente esperança. Há mesmo esperança!" disse Paul-Visse como mensagem para as pessoas que vivem com a doença de Parkinson.

Editor de vídeo • Roselyne Min

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exposição pré-natal a químicos pode aumentar risco de obesidade e hipertensão nas crianças

Cientistas esperam descobrir se o ruído cor-de-rosa pode melhorar o sono e a memória

O "assassino silencioso" da Europa: Qual é o país com a tensão arterial mais elevada e como podemos evitá-la?