EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Qual é o envolvimento do Azerbaijão com a França e a Nova Caledónia?

Manifestantes seguram bandeiras do Kanak e da Frente Socialista de Libertação Nacional (FLNKS) durante uma concentração em Paris
Manifestantes seguram bandeiras do Kanak e da Frente Socialista de Libertação Nacional (FLNKS) durante uma concentração em Paris Direitos de autor Nicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Nicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Daniel Harper
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A França acusou o Azerbaijão de se imiscuir no seu território do Pacífico, a Nova Caledónia, apoiando movimentos independentistas e espalhando desinformação, no meio de tensões geopolíticas mais vastas.

PUBLICIDADE

A França acusou o Azerbaijão de ingerência no seu território da Nova Caledónia, um arquipélago do Pacífico.

Apesar da grande distância geográfica e cultural entre o Estado do Cáspio e o território francês do Pacífico, esta reivindicação está enraizada numa complexa rede de tensões históricas, políticas e diplomáticas.

A crise na Nova Caledónia

A Nova Caledónia, situada entre a Austrália e as Ilhas Fiji, é um território francês com uma história de luta pela independência.

A recente agitação na Nova Caledónia foi desencadeada por uma nova lei eleitoral considerada discriminatória pela população indígena Kanak.

Esta lei permite que as pessoas que vivem na Nova Caledónia há pelo menos dez anos tenham direito de voto nas eleições locais, o que, segundo os apoiantes pró-independência, irá diluir o voto dos Kanak.

Acusações da França

O Ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, declarou publicamente que o Azerbaijão, juntamente com a China e a Rússia, está a interferir nos assuntos internos da Nova Caledónia. "Isto não é uma fantasia. É uma realidade", disse Darmanin ao canal de televisão France 2, sublinhando a gravidade das alegações.

O Governo francês aponta o aparecimento súbito de bandeiras do Azerbaijão nas manifestações independentistas de Kanak e o apoio de grupos ligados a Baku aos separatistas.

O Azerbaijão negou veementemente qualquer envolvimento, classificando as acusações de infundadas. "Rejeitamos completamente as acusações infundadas", disse Ayhan Hajizadeh, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Azerbaijão. "Refutamos qualquer ligação entre os líderes da luta pela liberdade na Caledónia e o Azerbaijão."

Um elemento importante nesta história é o Grupo Iniciativa de Baku, criado durante uma conferência em julho de 2023 no Azerbaijão. Este grupo, que inclui participantes de vários territórios franceses que procuram a independência, tem como objetivo apoiar movimentos anti-coloniais contra a França.

O grupo manifestou a sua solidariedade com o povo Kanak e condenou as recentes reformas eleitorais na Nova Caledónia. "Somos solidários com os nossos amigos Kanak e apoiamos a sua luta justa", declarou o Grupo Iniciativa de Baku.

A woman waves a Kanak and Socialist National Liberation Front (FLNKS) flag in Noumea, New Caledonia
A woman waves a Kanak and Socialist National Liberation Front (FLNKS) flag in Noumea, New CaledoniaNicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Por que razão a França e o Azerbaijão estão a entrar em conflito diplomático?

As tensões entre a França e o Azerbaijão não se limitam à Nova Caledónia. A França é um aliado tradicional da Arménia, o rival histórico do Azerbaijão, especialmente no que diz respeito à região controversa do Nagorno-Karabakh.

Após a guerra de 2020 e a subsequente ofensiva de 2023 do Azerbaijão para recuperar o controlo do Nagorno-Karabakh, a França apoiou abertamente a Arménia.

Este apoio inclui acordos de defesa e fornecimento de equipamento militar, alimentando ainda mais a animosidade do Azerbaijão. Darmanin referiu-se ao Azerbaijão como uma "ditadura", sublinhando a desconfiança profundamente enraizada.

A França também acusou o Azerbaijão de estar envolvido em campanhas de desinformação para desestabilizar os seus territórios. Contas de redes sociais pró-azerbaijanas foram associadas à difusão de conteúdos enganosos sobre as acções da polícia francesa na Nova Caledónia.

Uma fonte do Governo francês mencionou uma "campanha bastante maciça, com cerca de 4.000 mensagens geradas por (estas) contas", com o objetivo de incitar à violência e à desconfiança.

A França retirou o seu embaixador no Azerbaijão em abril, tendo o Presidente Macron lamentado as acções do Azerbaijão e manifestado a esperança de que os azerbaijaneses clarificassem as suas intenções.

A woman waves a Kanak and Socialist National Liberation Front (FLNKS) flag in Noumea, New Caledonia
A woman waves a Kanak and Socialist National Liberation Front (FLNKS) flag in Noumea, New CaledoniaNicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Porquê a Nova Caledónia?

Embora o interesse direto do Azerbaijão na Nova Caledónia possa parecer rebuscado, enquadra-se numa estratégia mais ampla de contestação do legado colonial francês e de apoio a movimentos separatistas.

Ao alinhar-se com os sentimentos anti-coloniais, o Azerbaijão pretende posicionar-se como defensor dos movimentos de libertação, desacreditando simultaneamente a França na cena internacional.

PUBLICIDADE

Este esforço é visto como parte de uma manobra geopolítica mais vasta, incluindo os esforços do Azerbaijão para denegrir a imagem da França, como o demonstra a sua alegada campanha de desinformação contra a capacidade da França para acolher os Jogos Olímpicos.

O aumento das tensões teve outras repercussões. O Ministro dos Desportos francês cancelou a passagem da chama olímpica pela Nova Caledónia, por razões de segurança, mas também por uma ação que reflecte a gravidade da agitação e as acusações de interferência estrangeira.

O envolvimento do Azerbaijão nos tumultos da Nova Caledónia é uma questão multifacetada que radica em rivalidades geopolíticas mais vastas e em ressentimentos históricos.

Para o Azerbaijão, o apoio a movimentos independentistas em territórios franceses é uma forma de se vingar da França pelo seu apoio à Arménia e de reforçar a sua própria posição internacional.

Para a França, estas acções representam um desafio direto à sua soberania e estabilidade nos seus territórios ultramarinos, o que suscita fortes acusações e tensões acrescidas entre Paris e Baku.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais uma morte na Nova Caledónia. França acusa Azerbaijão de fomentar a violência no arquipélago

Paris impõe estado de emergência na Nova Caledónia. Habitantes temem pela escassez de alimentos

França declara estado de emergência na Nova Caledónia após tumulto que causou quatro mortos