EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Investigadores infetam 36 pessoas com COVID para compreender por que algumas têm menos probabilidades de contrair o vírus

Os investigadores infectaram 36 pessoas com o vírus que causa a COVID-19 para compreender por que razão algumas pessoas parecem escapar ao vírus. A resposta estava no seu sistema imunitário.
Os investigadores infectaram 36 pessoas com o vírus que causa a COVID-19 para compreender por que razão algumas pessoas parecem escapar ao vírus. A resposta estava no seu sistema imunitário. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Oceane Duboust
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um grupo de investigadores infetaram 36 pessoas com o vírus que causa a COVID-19 para compreender por que razão algumas pessoas parecem escapar ao vírus. A resposta estava no seu sistema imunitário.

PUBLICIDADE

Uma nova investigação analisou a razão pela qual algumas pessoas não ficam doentes com a COVID-19, infetando deliberadamente um pequeno número de indivíduos saudáveis em condições altamente controladas.

Os investigadores administraram o vírus a 36 voluntários adultos saudáveis sem antecedentes de COVID-19 através do nariz.

Analisaram as células do nariz e do sangue dos participantes no estudo e publicaram as suas conclusões na revista Nature.

Depois, utilizaram uma tecnologia chamada sequenciação de célula única para analisar a informação genética (ADN e ARN) de cada célula.

"Esta foi uma oportunidade incrivelmente única para ver como são as respostas imunitárias quando se deparam com um novo agente patogénico - em adultos sem história prévia de COVID-19, num contexto em que factores como o tempo de infeção e as comorbilidades podiam ser controlados", afirmou o Dr. Rik Lindeboom, coautor do estudo do Instituto do Cancro dos Países Baixos, num comunicado.

Um gene que pode evitar uma infeção prolongada

Os indivíduos que eliminaram rapidamente o vírus não apresentaram uma resposta imunitária generalizada típica. Em vez disso, apresentaram respostas imunitárias subtis.

Níveis elevados de atividade de um gene chamado HLA-DQA2 antes da exposição poderiam ter ajudado estes participantes a evitar uma infeção prolongada, afirmam os investigadores.

Por outro lado, seis indivíduos que desenvolveram uma infeção prolongada tiveram uma resposta imunitária rápida no sangue, mas mais lenta no nariz, o que permitiu que o vírus se estabelecesse aí.

"Estas descobertas lançam uma nova luz sobre os eventos iniciais cruciais que permitem que o vírus se instale ou o eliminem rapidamente antes que os sintomas se desenvolvam", disse o Dr. Marko Nikolić, outro dos autores do estudo da University College London.

Os investigadores também encontraram padrões comuns nos receptores de células T activados (TCR), as proteínas à superfície das células T concebidas para reconhecer antigénios específicos.

Quando um TCR se liga a um agente patogénico apresentado por uma célula infetada ou anormal, desencadeia a ativação da célula T.

Em seguida, as células T podem matar diretamente as células infectadas, activando outras células imunitárias e contribuindo para a imunidade a longo prazo ao recordar o agente patogénico.

Este estudo forneceu informações sobre a forma como as células imunitárias comunicam e poderá ajudar a desenvolver terapias com células T direccionadas não só para a COVID-19, mas também para outras doenças.

"Agora temos uma compreensão muito maior de toda a gama de respostas imunológicas, o que poderia fornecer uma base para o desenvolvimento de potenciais tratamentos e vacinas que imitam essas respostas protetoras naturais", disse Nikolić.

Este estudo faz parte do Human Cell Atlas, um grupo colaborativo internacional lançado em 2016 com o objetivo de mapear todas as células humanas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"

Agências da UE sugerem maior vigilância da gripe das aves

OMS classifica talco como "provavelmente cancerígeno" para os seres humanos