Cinco caminhadas pelas deslumbrantes montanhas e aldeias do Azerbeijão

Durante o trilho de Khinalig, pode desfrutar de vistas magníficas das montanhas do Grande Cáucaso.
Durante o trilho de Khinalig, pode desfrutar de vistas magníficas das montanhas do Grande Cáucaso. Direitos de autor Azerbaijan Tourism
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Quer esteja à procura de adrenalina ou de um passeio mais tranquilo com uma vista inspiradora, a nossa seleção de cinco caminhadas no Azerbaijão vai inspirá-lo a fazer as malas

PUBLICIDADE

O Azerbaijão tem alguns dos mais fascinantes trilhos para caminhadas do mundo, que serpenteiam por paisagens selvagens, picos de montanhas e aldeias remotas.

Há percursos para todos os níveis. No entanto, os caminhantes que se esforçam são recompensados com monumentos no cimo das montanhas, encostas coloridas e aldeias como as dos contos de fadas para explorar.

Se está com vontade de se aventurar, eis cinco das melhores caminhadas do Azerbaijão e os conselhos do guia local Tural Mehbaliyev, da "Outdoor Caucasus", sobre ao que deve ter em atenção em cada percurso.

De Galakhudat até Khinalig, uma das aldeias mais elevadas do país

Azerbaijan Tourism
Descubra a deslumbrante aldeia junto à montanha de KhinaligAzerbaijan Tourism

Distância / duração: 8 km / 3 horas

Dirija-se às fascinantes montanhas do Cáucaso para uma caminhada através de paisagens majestosas até uma das aldeias habitadas mais altas do Azerbeijão.

O trilho segue por um caminho sinalizado com 8 km de extensão. A caminhada completa demora cerca de 3 horas e é acessível a todos os níveis de aptidão.

Parte-se da aldeia de Galakhadut, com Bazarduzu, o pico mais alto do país, a pairar sobre nós.

A maior parte do percurso é feita ao longo de uma estrada larga e plana, com vistas para os penhascos cobertos de branco de Gizilgaya e para o exuberante vale de Gudyalchay.

O destino é Khinalig, também escrito Khinalug ou Xinalug. Trata-se de um aglomerado de casas espalhadas ao longo de um afloramento rochoso cuja população remonta ao profeta Noé. 

É um dos mais antigos locais continuamente habitados na região do Cáucaso. Os residentes preservaram a sua língua e práticas culturais distintas ao longo dos séculos.

Passeie pelo centro, que Mehbaliyev descreve como um "museu vivo de arquitetura antiga", onde vai encontrar aldeões a praticar artesanato tradicional, nomeadamente tecelagem, cerâmica e confeção de tapetes.

Aqui vai encontrar ainda uma pequena casa de chá, que serve chai num tradicional samovar, e casas de hóspedes que oferecem comida.

Da aldeia de Sim à cascata, cruzando uma floresta de conto de fadas

Azerbaijan Tourism
As cascatas de Sim.Azerbaijan Tourism

Distância / duração: 6,5 km / 3 horas

O percurso começa na aldeia de Sim, situada no coração das montanhas Talish. A vida na aldeia gira em torno da apicultura, do cultivo de vegetais e da criação de gado.

Sim parece uma povoação saída de um conto fantástico, com árvores milenares e rochas cobertas de musgo entre as casas. Existe um parque de campismo perto da aldeia e também é possível ficar alojado em casas de famílias locais.

A partir daqui, segue-se um percurso circular de 6,5 km (cerca de 3 horas) através do Parque Nacional de Hirkan. Vai passar por pomares de tangerinas carregados de fruta e vislumbrar o cintilante Mar Cáspio.

A caminhada termina na cascata Sim, perfeita para um mergulho refrescante.

Do pico de Chiragli a Javadkhan para ver as montanhas majestosas

Azerbaijan Tourism
Todo o percurso está marcado e os caminhos são bem visíveis.Azerbaijan Tourism

Distância / duração: 13,9 km / 5,5 horas

PUBLICIDADE

Começa-se na aldeia de Chiragli, situada nas margens do rio Ganjachay, à sombra do monte Goshgar.

A maior parte do percurso é feita por uma estrada de terra batida e caminhos de montanha. Há poucas árvores, pelo que se pode desfrutar de vistas intermináveis do espetacular monte Kapaz, do monte Goshgar e da cadeia montanhosa de Murov, com picos rochosos que se elevam a toda a volta. 

Mehbaliyev recorda aos caminhantes que devem manter-se nos trilhos assinalados neste e em todos os outros percurso, para evitar perderem-se e prevenir danos no ambiente.

No topo do pico Javadkhan, encontra-se um monumento a Javad Khan, o último cã (príncipe ou senhor oriental) do Canato de Ganja, que governou entre 1786 e 1804. A escultura é um perfil do líder com o brasão de armas de Ganja rodeado por uma cerca em forma de lança.

Existem nascentes de água na aldeia de Chiragli e no caminho, mas não há lojas. Deve então trazer as suas próprias provisões.

PUBLICIDADE

Entre maio e outubro, pode haver pastores a acampar na zona, pelo que os caminhantes devem ter cuidado com os cães. "Lembre-se sempre que eles são treinados para defender o acampamento e as ovelhas", diz Mehbaliyev. No entanto, se se perder ou tiver problemas, os pastores podem ajudá-lo.

Desde Laza até Kuzun para admirar os vales verdejantes e as quedas de água

Azerbaijan Tourism
O vale do rio Gusarchay tem penhascos íngremes, quedas de água, árvores dispersas e montanhas cobertas de neve.Azerbaijan Tourism

Distância / duração: 6,5 km / 2,5 horas

O trilho liga duas antigas povoações da região de Gusar. Começa na cidade de Laza, que tem muitas casas de hóspedes, restaurantes, cafés e uma mercearia.

Segue-se por um caminho entre montanhas, que é exuberante ao longo de todo o ano. Se estiver a pensar fazer este percurso nos meses mais frios, Mehbaliyev aconselha a verificar a previsão do tempo, uma vez que as condições podem mudar rapidamente nas montanhas.

Enquanto caminha, vai ter uma vista deslumbrante das cascatas gémeas que se precipitam no desfiladeiro de Gusarchay.

PUBLICIDADE

A caminhada tem duas subidas. No topo da primeira, pode apreciar a vista do verdejante vale de Gusarchay, tendo como pano de fundo os picos elevados do monte Gizilgaya e do monte Shahdag. O quilómetro seguinte condu-lo até um vale antes de subir novamente.

Uma curta descida final através da floresta densa leva-o à aldeia de Kuzun, com casas coloridas habitadas pelo povo Lezgin.

Pelas montanhas Candy Cane para paisagens surreais

Azerbaijan Tourism
Saiba porque é que estas montanhas coloridas ficaram conhecidas como Montanhas Candy Cane.Azerbaijan Tourism

Viajando para oeste ao longo da autoestrada Guba-Baku em direção à aldeia montanhosa de Altiaghaj, passa-se por um vale de beleza surreal. De cada lado, há colinas ondulantes com riscas vermelhas, cor-de-rosa, cor de laranja e brancas.

O escritor de viagens britânico Mark Elliott - autor de guias best-sellers sobre o Azerbaijão - apelidou as montanhas de Candy Cane (Bengala Doce). 

Pensa-se que as cores vistosas são causadas por camadas de compostos de ferro na rocha que, através da erosão gradual, foram expostas.

PUBLICIDADE

Se olhar atentamente para o chão enquanto caminha, poderá encontrar pequenos restos fossilizados de uma antiga lula, como a belemnite.

Existem vários pequenos trilhos que serpenteiam pelas colinas. Se for um caminhante confiante e tiver um sistema de mapas GPS, poderá optar por explorá-los.

Mehbaliyev recomenda caminhar até à montanha Beybayim ou à Beshbarmag.

"As principais montanhas ficam muito perto da autoestrada, o que também permite estacionar o carro nas proximidades e caminhar facilmente", acrescenta.

Caso contrário, o melhor é fazer uma excursão ou uma caminhada organizada por uma empresa local, muitas das quais se encontram nas proximidades de Baku.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Caminhos de Santiago batem recorde de popularidade

Caminhadas, passeios de helicóptero: descubra as 8 principais dicas sobre o que fazer nas Seicheles

Uma caminhada fantástica pelo trilho de Griz