Selfies são mais mortíferas que ataques de tubarões. Deverão destinos turísticos proibi-las?

No mês passado, uma gôndola virou em Veneza, Itália, quando um grupo de turistas se recusou a parar de tirar selfies e a sentar-se.
No mês passado, uma gôndola virou em Veneza, Itália, quando um grupo de turistas se recusou a parar de tirar selfies e a sentar-se. Direitos de autor Canva
De  Alexandrea Sumuel com Wealth of Geeks via AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Proibição de selfies está a tornar-se mais comum em locais turísticos populares. Eis como esta restrição salva vidas.

PUBLICIDADE

A mania das selfies é agora mais mortífera do que os ataques de tubarões. Um estudo publicado no Journal of Travel Medicine em 2022 revelou 379 mortes relacionadas com selfies nos últimos 13 anos.

Entre estes, 140 turistas tiraram tragicamente a sua última fotografia. Entretanto, apenas 90 encontros fatais durante o mesmo período de tempo envolveram tubarões, principalmente sem provocação.

Ainda no mês passado, uma gôndola virou em Veneza, Itália, quando um grupo de turistas se recusou a parar de tirar selfies e a sentar-se. Imediatamente antes do acidente, o gondoleiro pediu ao grupo para não se mexer enquanto tentava fazer uma manobra complicada debaixo de uma ponte baixa. Felizmente, ninguém ficou ferido.

A busca da selfie perfeita para as redes sociais levou os turistas a um mundo de riscos extremos, resultando em incidentes trágicos, incluindo quedas fatais de penhascos, acidentes com carros e comboios, encontros com animais selvagens perigosos e afogamentos imprevistos.

Como resultado, os turistas estão agora a ser alvo de pesadas multas e penas de prisão por se envolverem na perigosa, perturbadora e destrutiva ação de tirar selfies em excesso.

Em dezembro, uma mulher de 24 anos morreu tragicamente quando tentava tirar uma selfie à beira do Forte de Prabalgad, na Índia. Caiu 60 metros num desfiladeiro.

Durante a Volta à França de 2023, um espetador que tentava tirar uma selfie com os ciclistas que passavam cortou o guiador de um ciclista americano, causando um acidente com 20 ciclistas durante a 15.ª etapa da corrida.

Portofino, no norte de Itália, proibiu temporariamente as selfies em algumas zonas da cidade no ano passado para evitar a sobrelotação das suas ruas estreitas. A proibição foi decretada após o que foi descrito como "caos anárquico" causado por turistas que bloqueavam o trânsito para tirar fotografias.

Arriscar a vida pela fotografia perfeita

Tirar a fotografia perfeita para as redes sociais leva muitas vezes a um comportamento arriscado, alimentado pelo desejo de se destacar numa paisagem cheia de gente. Estimuladas pelo desejo de obter gostos, partilhas e fama, as selfies perigosas continuam a aumentar a sua popularidade. A procura da melhor fotografia pode levar as pessoas a ignorar os avisos de segurança ou a aventurar-se em locais inseguros.

Das 379 mortes relacionadas com selfies em todo o mundo entre 2008 e 2021, 37,2% eram de viajantes, em oposição aos habitantes locais. As quedas de altura representaram 49,9% de todas as mortes, seguidas das relacionadas com os transportes (28,4%) e dos afogamentos (15,3%).

A idade média das vítimas de selfies durante este período foi de 24,4 anos. As mulheres eram mais propensas a sofrer ferimentos fatais em quedas de altura e encontros com animais, enquanto mais homens foram mortos em riscos relacionados com os transportes. Os países com o maior número de mortes por selfie foram a Índia (26,4%), os Estados Unidos (10,3%) e a Rússia (8,7%).

Pior ainda, de acordo com um estudo do Journal of Family Medicine and Primary Care, as mortes relacionadas com selfies são muito provavelmente subnotificadas, uma vez que não são normalmente indicadas como causa de morte.

Selfies perigosas são problema de saúde pública

De acordo com uma análise científica da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW), em Sydney, na Austrália, os meios de comunicação social tendem a retratar as selfies perigosas como tolas e egoístas, culpando frequentemente a vítima. No entanto, as selfies são agora uma parte regular da vida quotidiana, e estes cientistas afirmam que o ato de tirar selfies arriscadas deve ser abordado como uma questão de saúde pública.

Do mesmo modo, as gerações anteriores consideravam que conduzir sem cinto de segurança, andar de bicicleta sem capacete e fumar cigarros eram actividades quotidianas "normais" que agora são perigos para a saúde pública.

Ao reconhecermos estes comportamentos de risco como questões de saúde pública, deixamos de culpar e envergonhar e começamos a tomar medidas de prevenção e educação.

Isto seria um passo em frente em relação às decisões anteriores de designar zonas turísticas perigosas, como massas de água, picos de montanhas e edifícios altos, como "zonas proibidas para selfies".

Destinos que restringem captura de selfies

A empresa ferroviária JR West do Japão proibiu os paus de selfie nas suas plataformas para evitar electrocussões provocadas por cabos aéreos e quedas nos carris.

Depois de uma série de acidentes relacionados com selfies em Bombaim, na Índia, o governo decretou zonas de proibição de selfies em certas áreas da cidade, incluindo algumas praias, locais de festivais e atracções turísticas. Em Pamplona, Espanha, tirar selfies durante a Corrida de Touros anual é ilegal devido a anteriores engodos.

PUBLICIDADE

Nos Estados Unidos, Nova Iorque aprovou um projeto de lei que proíbe as selfies com gatos selvagens, a menos que exista uma barreira física entre a pessoa e o animal. Da mesma forma, foi pedido aos visitantes do Lago Tahoe que não tirassem selfies com ursos, uma vez que virar as costas perto de um urso é extremamente perigoso.

A popularidade das selfies, especialmente entre os jovens, levou a um aumento de acidentes e mortes.

Alguns locais implementaram sinais de aviso, restringiram o acesso a áreas perigosas e realizaram campanhas de sensibilização. Mas estas medidas podem não resolver totalmente a questão subjacente ao comportamento de risco em nome do reconhecimento nas redes sociais.

É necessário adotar abordagens mais eficazes e inovadoras para resolver este problema de segurança dos tempos modernos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Youseum apresenta-se como museu da 'selfie'

Dois turistas encontrados sem vida numa praia da Ericeira

Museu das Selfies abre em Los Angeles