De Amesterdão a Vilnius: Cidades europeias com mais e menos ciclistas

Amesterdão é, sem surpresa, uma das cidades mais populares para andar de bicicleta
Amesterdão é, sem surpresa, uma das cidades mais populares para andar de bicicleta Direitos de autor Sabina Fratila on Unsplash
De  Saskia O'Donoghue
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Foi divulgado o número de ciclistas nas cidades europeias. Porque é que os números são tão baixos?

PUBLICIDADE

Há anos que a Comissão Europeia tem vindo a apelar ativamente aos cidadãos para que "utilizem a sua própria energia". A mobilidade ativa é bem conhecida, não só como uma forma significativa de poupar energia, mas também de melhorar a saúde física e mental.

A bicicleta é uma das melhores formas de o fazer, mas, de acordo com novas descobertas, relativamente poucas pessoas na Europa utilizam a bicicleta como meio de transporte regular.

A sexta edição do relatório da Comissão sobre a qualidade de vida nas cidades europeias publicou os resultados de um inquérito realizado em 2023.

Mais de 70 mil cidadãos europeus de 83 cidades da UE, do Reino Unido, da Noruega, da Suíça, dos países dos Balcãs Ocidentais e da Turquia foram inquiridos sobre uma vasta gama de aspetos da vida quotidiana.

O relatório aborda uma variedade de tópicos, incluindo a habitação, a estabilidade financeira, os cuidados de saúde, a disponibilidade de espaços verdes e, naturalmente, os transportes.

O que revela o relatório sobre a taxa de utilização da bicicleta na Europa?

Nas 83 cidades inquiridas, apenas algumas têm uma elevada percentagem de ciclistas diários, e ainda menos consideram a bicicleta como um modo de transporte relevante.

Em média, em todas as cidades, as bicicletas são utilizadas como meio de transporte por apenas 14% dos inquiridos.

Curiosamente, a sua utilização tende a diminuir à medida que as cidades se tornam maiores. Num local com menos de 250 mil habitantes, cerca de 16% dos residentes afirmam andar de bicicleta num dia normal. Este número desce para 14% nas cidades com um a cinco milhões de habitantes.

Apenas três cidades europeias referiram que mais de 35% dos seus habitantes utilizam a bicicleta diariamente.

São elas Groningen e Amesterdão, nos Países Baixos, e Copenhaga, na Dinamarca - e as três têm populações bastante baixas.

Nesses locais, a utilização relativamente elevada de bicicletas tem um efeito de arrastamento nos transportes públicos. No inquérito, as pessoas registaram menos satisfação com os sistemas do que noutras cidades.

São exclusivamente os países do norte da Europa - cidades da Bélgica, Suécia, Finlândia, Áustria e Alemanha - que completam o top 10 dos ciclistas mais prolíficos.

No outro extremo da escala, os países do sul e do leste da Europa são os que têm menos ciclistas diários. Roma registou apenas 5% da sua população como ciclistas diários, enquanto apenas 6% dos inquiridos em Belgrado e Vilnius deram a mesma resposta.

Copenhaga é conhecida como uma das cidades mais amigas das bicicletas do mundo.
Copenhaga é conhecida como uma das cidades mais amigas das bicicletas do mundo.Max Adulyanukosol via Unsplash

O que está por detrás das diferentes taxas de utilização da bicicleta na Europa?

O inquérito revelou que há muitos - e vários - fatores em jogo nos níveis de pessoas que andam ou não de bicicleta.

Os homens são ligeiramente mais propensos a dizer que andam de bicicleta diariamente e, em média, o grupo etário dos 15 aos 24 anos é o mais propenso a usar uma bicicleta - 16% - enquanto apenas 13% dos residentes com 55 anos ou mais usam a bicicleta regularmente.

Analisando mais a fundo as características sociodemográficas, a percentagem de utilizadores de bicicleta é mais elevada entre os indivíduos com ensino superior e os solteiros, mas significativamente mais baixa entre os reformados ou desempregados.

Apesar dos constantes avisos sobre os perigos das alterações climáticas e da sua ligação aos combustíveis fósseis, o automóvel continua a ser utilizado diariamente por cerca de 48% dos habitantes da cidade.

PUBLICIDADE

No entanto, quanto maior é a cidade, menos pessoas utilizam o automóvel. Na maior parte dos países apresentados no relatório, a capital é a cidade que menos utiliza o automóvel em geral.

As capitais tendem a ter os melhores serviços de transportes públicos de um país e talvez também dissuadam as pessoas de conduzir devido ao congestionamento e aos elevados custos de estacionamento. Outras cidades - como Londres - introduziram taxas para os veículos com emissões elevadas, algo que as autoridades esperam que venha a fazer diminuir significativamente a utilização do automóvel.

As cidades dos Países Baixos têm taxas particularmente elevadas de ciclistas frequentes.
As cidades dos Países Baixos têm taxas particularmente elevadas de ciclistas frequentes.Ana Gómez via Unsplash

O que poderia incentivar as pessoas a andar mais de bicicleta?

Embora pareça que muitas pessoas que vivem nas cidades estão presas aos seus carros ou transportes públicos e outras simplesmente não querem "usar a sua própria energia", os níveis de utilização da bicicleta poderiam potencialmente aumentar.

A Federação Europeia de Ciclistas (ECF) discorda do inquérito da Comissão Europeia.

A ECF afirma que "o âmbito temático do relatório é muito vasto" e divulgou os seus próprios dados, que se centram mais no ciclismo propriamente dito.

PUBLICIDADE

Nesses dados, afirma, "pudemos estabelecer uma correlação clara entre a cobertura da rede rodoviária principal com infra-estruturas separadas e os níveis de utilização da bicicleta nas cidades do relatório [da Comissão Europeia]". Por outras palavras, as ciclovias ajudam.

A ECF apela aos líderes para que façam avançar uma proposta de Declaração Europeia sobre Ciclismo para aumentar significativamente as infra-estruturas seguras e coerentes de ciclismo em todo o continente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Muito espaço para andar a pé e de bicicleta": Estocolmo espera transformar o centro com proibição de circulação automóvel

Empresa francesa concebeu a primeira bicicleta eléctrica que não necessita de bateria

Quais são os países e cidades mais e menos amigos da bicicleta na Europa?