EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Caminhadas silenciosas e parques tranquilos: a nova tendência de viagens

Um glaciar islandês numa caminhada com a Black Tomato.
Um glaciar islandês numa caminhada com a Black Tomato. Direitos de autor Black Tomato via AP
Direitos de autor Black Tomato via AP
De  Kim Cook com APTN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Quer fugir ao barulho? Parques tranquilos e passeios silenciosos são a tendência de viagem deste ano.

PUBLICIDADE

Em casa, nos subúrbios de Nova Iorque, Oscar Sandoval tem muitos amigos e uma vida social ativa. Mas quando chega a altura de ir de férias, prefere não fazer barulho - literalmente.

Sandoval começou a praticar o budismo zen há alguns anos e tem feito retiros silenciosos em mosteiros budistas em São Francisco e noutros locais. Passeava, sentava-se, fazia jardinagem e, de um modo geral, contemplava a vida durante uma semana. Mais recentemente, fez viagens de mochila às costas por Espanha.

"A experiência interna varia entre momentos de muito pouco pensamento e períodos de muitos pensamentos ou canções a tocar na minha cabeça", diz. "A paz e a quietude absolutas são impossíveis de pôr em palavras."

A jornalista de viagens Chloe Berge lamentou ter sido interrompida pelo zumbido de um drone enquanto caminhava pela costa remota das Ilhas Faroé durante a pandemia. "O mundo está a ficar mais barulhento e é cada vez mais difícil escapar ao ruído, mesmo na natureza", disse.

Mas vale a pena tentar, dizem os viajantes que estão a procurar alívio no silêncio. Ou o mais perto que conseguem chegar dele.

A procura do sossego está a aumentar

Desde retiros na natureza serena a caminhadas silenciosas, a procura da quietude tornou-se uma das últimas tendências das viagens modernas.

Para muitos, as viagens tranquilas vão além da fuga à cacofonia da vida quotidiana durante as férias. Pode ser uma mudança para a introspeção; uma ligação mais profunda com o local onde nos encontramos, tanto literal como figurativamente.

Pode até sentir-se mais saudável. Num estudo publicado na revista JAMA Psychiatry no final de 2022, por exemplo, diz-se que a meditação mindfulness funcionou tão bem quanto um medicamento padrão para o tratamento da ansiedade.

"As viagens transformadoras são uma tendência que estamos acompanhando para o crescimento", diz Alex Hawkins, editor da empresa de previsão de tendências e consultoria The Future Laboratory. "A tendência é a de explorar o desejo dos consumidores por experiências turísticas autorreflexivas".

A "indústria do turismo de bem-estar ", diz ele, inclui "a procura de férias hiperpessoais e estadias orientadas para a saúde".

Da Finlândia a Bali: Onde fazer um retiro tranquilo

A empresa Dark Retreats Oregon oferece um "Retiro das Trevas" de cinco dias em Tidewater, Oregon, como "um ótimo espaço para cuidar de si próprio" através da escuridão, da desintoxicação digital e de uma dieta saudável. Os participantes podem manter as luzes apagadas o tempo que quiserem durante a sua estadia e também podem decidir o quanto falam com os outros.

A**BookRetreats**, que incentiva os clientes a "Desligar. Destressar. Recarregar", oferece retiros de meditação silenciosa em Bali, Portugal, México e Países Baixos, e mais perto de casa, na Carolina do Norte, Quebec e Califórnia.

O Utula Nature,da Finlândia oferece uma estadia silenciosa no meio dos pinheiros do Lago Saimaa, a cerca de cinco horas de Helsínquia.

The Redwood National Park in California.
The Redwood National Park in California.Black Tomato via AP

O que são "parques tranquilos"?

Gordon Hempton é um ecologista acústico do Estado de Washington, também conhecido como The Sound Tracker. Passou várias décadas a percorrer florestas tropicais, costas e desertos à procura de sons interessantes e muitas vezes raros da natureza - sons que não se ouvem facilmente quando há muito ruído produzido pelo homem. "Preocupo-me profundamente com o silêncio", diz ele.

É cofundador da Quiet Parks International, uma organização sem fins lucrativos criada para aumentar a conscientização sobre os benefícios de menos barulho tanto para as pessoas quanto para a vida selvagem. O parque do rio Zabalo, no Equador, foi o primeiro a receber a designação de parque tranquilo - não é tecnicamente "tranquilo", claro: Os macacos uivadores, as aves, os insetos e o ruído do rio proporcionam uma banda sonora natural. Mas a concentração mais próxima de atividade humana é uma aldeia com cerca de 200 pessoas, a cerca de 16 quilómetros de distância.

Existem mesmo algumas áreas urbanas designadas como parques tranquilos - um mesmo à saída da agitada metrópole de Taipé, a capital de Taiwan. Outro fica em Hampstead Heath, a cerca de 48 quilómetros do centro de Londres. O parque relvado de 320 hectares inspirou "As Crónicas de Nárnia" de C.S. Lewis.

A Quiet Parks International oferece experiências como o banho de floresta, em que se abrem os sentidos aos elementos meditativos e relaxantes de um passeio no bosque.

Para aqueles que não podem sair para a natureza, o sítio Web da Quiet Parks tem gravações da vida selvagem e do tempo na floresta tropical; manhãs no deserto do Texas Ocidental; e sons do dia e do anoitecer no norte do Alasca.

PUBLICIDADE
The White Sands National Park in New Mexico.
The White Sands National Park in New Mexico.Black Tomato via AP

Quer perder-se?

A Black Tomato tem uma proposta interessante para si. A empresa de viagens de vanguarda oferece uma viagem a que chamam Get Lost. Preenche-se um extenso questionário sobre o que se espera da fuga, mas não se faz ideia para onde se vai até se chegar lá. As opções de ambiente são: Polar, Deserto, Litoral, Selva ou Montanha.

Recebe conselhos de preparação antes da viagem e instruções de navegação, e depois, na altura da viagem, todas as transferências, equipamento e pontos de controlo mapeados de que vai precisar. O seu progresso é monitorizado por um especialista no ambiente escolhido e por uma equipa local de apoio ao guia. Pode desistir em qualquer altura.

"Já enviámos clientes para a Islândia e para o Alasca", afirma Tom Marchant, cofundador da Black Tomato. "Enviámos um viajante a solo para a Mongólia." Uma mulher percorreu sozinha as montanhas do Atlas, em Marrocos.

Marchant diz que existe o desafio de gerir o ambiente, mas "é também uma altura para se desligar verdadeiramente da vida quotidiana de uma forma totalmente nova".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália, Eslovénia e Croácia: Nova linha de comboio oferece uma aventura ferroviária por apenas 8 euros

Cafés na Europa estão fartos de nómadas digitais que ocupam muito espaço

Baleias, ursos, linces: conheça os projetos que permitem aos turistas encontrar a vida selvagem de forma responsável na Europa