Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Irlandeses voltam a emigrar

Irlandeses voltam a emigrar
Tamanho do texto Aa Aa

A Irlanda foi o primeiro país da zona euro a entrar oficialmente em recessão, em Setembro de 2008, depois da explosão da bolsa imobiliária.

O crescimento do Tigre Celta tinha atingido 7 por cento em 2007.

Em 30 anos, este país pobre e agrícola tornou-se numa das economias mais prósperas e dinâmicas da Europa. O rendimento per capita ultrapassou o da Alemanha e do Reino Unido, o salário mínimo ronda os 1500 euros, 8.65 euros, um dos mais altos da Europa.

Uma das chaves do milagre foi a competitividade fiscal para atrair as multinacionais americanas.

O IRC passou a 12.5 % e rendeu 3,9 mil milhões de euros em 2009, 3,1 mil milhões previstos para 2010, ou seja, 10% do rendimento do governo.

Mas este liberalismo económico apagou-se por volta de 2008, quando o Estado teve de salvar os bancos infestados de produtos tóxicos, nomeadamente o Anglo Irish Bank, nacionalizado.

Os 50 mil milhões de euros canalizados para os bancos provocaram o défice orçamental de 32% do PIB.

O governo teve de pôr em prática medidas de austeridade, nomedamente no orçamento que foi votado em 2009.

Os salários dos funcionários públicos sofreram um corte de 5 a 15%, o que permitiu poupar mil milhões de euros.

O corte de 4% nas indemnizações por desemprego permitiu economizar mais 660 milhões de euros.

O desemprego atingiu os 14% e a máquina económica encravou. Os irlandeses vêem na emigração a única saída possível para a crise.

Gerry Kitterick, construtor civil:

“Sim, penso na emigração, para a Austrália ou o Canadá, onde há mais oportunidades, há mais trabalho e as possibilidades são melhores a longo prazo.”

O medo e as dificuldades afectam os mais qualificados, como os cientistas.

Sophia Millington-Ward:

“Diria que cerca de 40% de pessoas na minha área, que é a pesquisa genética, estão a lutar e a procurar por fora para trabalharem”.

Calcula-se que cerca de cinco mil pessoas por mês estejam a deixar a Irlanda. Um passo atrás amargo neste país marcado por um passado de emigração em massa.

A Irlanda foi o primeiro país da zona euro a entrar oficialmente em recessão, em Setembro de 2008, depois da explosão da bolsa imobiliária.

O crescimento do Tigre Celta tinha atingido 7 por cento em 2007.

Em 30 anos, este país pobre e agrícola tornou-se numa das economias mais prósperas e dinâmicas da Europa. O rendimento per capita ultrapassou o da Alemanha e do Reino Unido, o salário mínimo ronda os 1500 euros, 8.65 euros, um dos mais altos da Europa.

Uma das chaves do milagre foi a competitividade fiscal para atrair as multinacionais americanas.

O IRC passou a 12.5 % e rendeu 3,9 mil milhões de euros em 2009, 3,1 mil milhões previstos para 2010, ou seja, 10% do rendimento do governo.

Mas este liberalismo económico apagou-se por volta de 2008, quando o Estado teve de salvar os bancos infestados de produtos tóxicos, nomeadamente o Anglo Irish Bank, nacionalizado.

Os 50 mil milhões de euros canalizados para os bancos provocaram o défice orçamental de 32% do PIB.

O governo teve de pôr em prática medidas de austeridade, nomedamente no orçamento que foi votado em 2009.

Os salários dos funcionários públicos sofreram um corte de 5 a 15%, o que permitiu poupar mil milhões de euros.

O corte de 4% nas indemnizações por desemprego permitiu economizar mais 660 milhões de euros.

O desemprego atingiu os 14% e a máquina económica encravou. Os irlandeses vêem na emigração a única saída possível para a crise.

Gerry Kitterick, construtor civil:

“Sim, penso na emigração, para a Austrália ou o Canadá, onde há mais oportunidades, há mais trabalho e as possibilidades são melhores a longo prazo.”

O medo e as dificuldades afectam os mais qualificados, como os cientistas.

Sophia Millington-Ward:

“Diria que cerca de 40% de pessoas na minha área, que é a pesquisa genética, estão a lutar e a procurar por fora para trabalharem”.

Calcula-se que cerca de cinco mil pessoas por mês estejam a deixar a Irlanda. Um passo atrás amargo neste país marcado por um passado de emigração em massa.