Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucrânia: "Pessoas mantêm-se na rua"

Ucrânia: "Pessoas mantêm-se na rua"
Tamanho do texto Aa Aa

Fidel Pavlenko, euronews – Angelina Kariakina, nossa correspondente em Kiev, explica-nos: a oposição perdeu a força, agora que a tentativa de fazer cair o governo fracassou? Era a ponta de lança do movimento…

Angelina Kariakina – Depois da infrutuosa tentativa de fazer passar a moção de censura no Parlamento, os dirigentes da oposição confirmaram a atualidade da exigência de demissão do executivo por todos os meios, nomeadamente através do presidente.
Pretendem, agora, que Ianukovich publique pessoalmente um decreto sobre a demissão do governo e apelam aos apoiantes e manifestantes presentes na Praça da Independência a continuarem os piquetes de greve em frente da administração presidencial e aí ficarem até conseguirem resultados. As declarações dos dirigentes da oposição são sempre fortes e firmes. Há ainda muitos manifestantes nas ruas e não está previsto reduzir os comícios.

Fidel Pavlenko, euronews – Qual é o ambiente geral entre a população? Ainda apoia os dirigentes da oposição e outros ativistas? Ou reina a deceção e o desespero?

Angelina – Quando se soube do chumbo do voto da moção de censura no Parlamento, a multidão ficou abatida. Mas as pessoas, aqui, dizem que não se reunem apenas para protestar mas para participar na greve geral com o mesmo objetivo: a demissão do governo.
Vieram para ficar. Apelam aos ucranianos de outras cidades e regiões do país para se juntarem a eles. Os estudantes aderiram ao movimento. O ambiente geral é o de continuar com as manifestações para fazer cair o governo: conseguir na rua o que não se conseguiu no Parlamento.

euronews – Depois de sobreviver ao voto no Parlamento, o primeiro-ministro Mykola Azarov anunciou mudanças drásticas no executivo. Será que a promessa satisfaz os manifestantes? A oposição estará pronta para eventuais discussões e compromissos com o governo?

Angelina – O primeiro-ministro Azarov não especificou que mudanças vai fazer no governo. Não anunciou as medidas propostas para acalmar a situação na rua e para chegar a um compromisso com a oposição e os manifestantes. É interessante notar que o ministro do Interior, Vitaly Zakharchenko, não estava no Parlamento. Ora, depois da repressão brutal dos manifestantes a demissão de Zakharchenko é uma das principais exigências da oposição. Segundo o partido das Regiões, no poder, e tendo em conta a tensão que se vive, o ministro não esteve em Rada precisamente por ter de resolver a situação no terreno – foi a justificação dada. Não há uma oferta concreta do governo para chegar a um compromisso. A oposição insiste. Mas nenhum compromisso está à vista pois o governo pisou a linha vermelha e deve demitir-se.