Última hora

Última hora

Executivo de Juncker quer dar novo fôlego ao projeto europeu

Em leitura:

Executivo de Juncker quer dar novo fôlego ao projeto europeu

Executivo de Juncker quer dar novo fôlego ao projeto europeu
Tamanho do texto Aa Aa

“Em Bruxelas, não se falava de outra coisa há semanas. O véu foi agora levantado e já se conhecem os membros da futura Comissão Europeia e a quais deles foram atribuídas as pastas mais importantes. São 28, tal como na actual Comissão, um por cada país. Mas há novidades na divisão do trabalho”, refere a correspondente da euronews em Bruxelas, Audrey Tilve.

Um presidente, sete vice-presidentes e 20 comissários formam a estrutura da futura Comissão Europeia.

O luxemburguês Jean-Claude explicou, esta quarta-feira, em Bruxelas, como é que este executivo de 28 pessoas deverá levar a cabo as reformas na União Europeia, nos próximos cinco anos.

Ao português Carlos Moedas, até agora ministro-adjunto, foi dada a pasta da Investigação, Ciência e Inovação.

Jean-Claude Juncker disse à euronews que “quis ter ex-primeiros-ministros e ex-ministros que conhecem bem o Conselho Europeu, os parlamentos nacionais e as opiniões públicas. Será uma Comissão muito política”.

A prioridade é vencer a crise, tendo Reino Unido e França ficado com importantes responsabilidades nessa área.

A economia e as finanças francesas vão de mal a pior, mas tal não assustou Juncker, que deu a pasta a Pierre Moscovici.

“Conheço bem Pierre Moscovici de quando trabalhámos juntos no Eurogrupo e ele tem um bom conhecimento da Europa e da França. Vai ter muito trabalho em França sobre o que diz respeito à França”, explicou Juncker.

O Reino Unido, que alberga uma das maiores praças financeiras do mundo, também cobiçava algo na área económica.

Mas surpreendeu a entrega a Jonathan Hill da pasta que lida, exatamente, com a união bancária.

Juncker justifica que “é a pessoa indicada para o trabalho e, além disso, quis dar ao Reino Unido uma pasta importante, para mostrar que não desejava vingar-me da deselegância com que fui tratado pelo primeiro-ministro britânico aquando da minha nomeação para presidir à Comissão”.

Mas tanto um como outro serão supervisionados por vice-presidentes que ajudarão Juncker a manter o superior interesse de toda a União.

As audições no Parlamento Europeu são o próximo teste e, se tudo correr bem, o executivo toma posse a 1 de novembro.

Sobre a pasta que lhe coube – Investigação, Ciência e Inovação -, o comissário designado por Portugal já disse que é “a chave para o crescimento” na Europa.

“Uma Comissão Europeia pronta para o combate”

A correspondente da euronews em Bruxelas, Audrey Tilve, conversou com Jean Quatremer, correspondente do jornal francês “Libération” e autor do blogue “Bastidores de Bruxelas”, sobre como é que em Bruxelas se avalia este elenco e a reorganização da Comissão Europeia.

Audrey Tilve/euronews (AT/euronews): “Vamos começar pelas boas notícias. O que é que há de inovador na Comissão de Juncker?”

Jean Quatremer/jornalista “Libération (JQ/jornalista): “Para já, ficam para trás dez anos de Comissão Barroso. É uma boa notícia o fim de dez anos de tédio, dez anos de um Comissão sem iniciativa e que vivia às ordens do Conselho Europeu. Aliás, quando José Manuel iniciou o primeiro mandato disse que estaria ao serviço dos Estados-membros. Efetivamente, ele esperou sempre por ordens e comportou-se como um secretário-geral do Conselho Europeu”.

AT/euronews: “E além desse balanço?”

JQ/jornalista: “Bom, mas é extamente nisso que se vê a diferença. Agora há um presidente da Comissão que age como tal. Tem ideias próprias e disse que apresentaria propostas sem esperar que os chefes de Estado e de governo lhe passassem os trabalhos de casa. Propôs uma Comissão Europeia pronta para o combate. Decidiu que, em primeiro lugar, os comissários devem ir para terreno e, de seguida, criou grandes áreas de especialização. Por exemplo, há um pólo que aglutina questões ligadas à zona euro, ao emprego e ao crescimento e que será supervisionado por uma pessoa austera: o ex-primeiro-ministro da Letónia. Esse vice-presidente vai liderar um grupo de comissários socialistas, liberais e democratas-cristãos responsáveis por relançarem a máquina do crescimento”.

AT/euronews: “Ora temos exatamente este sistema de vice-presidentes, no caso sete. Mas será que tendo eles áreas de supervisão, que são uma espécie guarda-chuva de vários comissários, não se vai gerar a confusão?”

JQ/jornalista: “Não creio. Penso, ao contrário, que vai permitir uma boa coordenação e revigorar o espírito de grupo. A ideia base de Juncker é ter uma espécie de “super-comissários”, digamos assim, que coordenam uma equipa de outros três ou quatro. Vão trabalhar em equipa e depois o resultado é analisado pelo presidente da Comissão e pelo colégio de 28 comissários. Logo, o trabalho é preparado com antecedência em pequenos grupos – ou “clusters” como se diz em Bruxelas – e, de seguida, é feita uma discussão mais em conjunto”.

AT/euronews: “Jean-Claude Juncker disse sempre que queria uma Comissão Europeia mais política. O que é que isso significa na prática e será que o conseguiu?”

JQ/jornalista: “A Comissão Europeia é agora mais política, uma vez que depende fortemente do Parlamento Europeu. Pela primeira vez, temos um presidente da Comissão Europeia que foi nomeado conjuntamente pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho de chefes de Estado e de governo. É a grande novidade! Logo, Jean-Claude Juncker não vai dizer que está apenas ao serviço dos Estados-membros. Está ao serviço deles, é verdade, mas também ao serviço do Parlamento Europeu, isto é, da opinião pública europeia. Tenho esperança que a Comissão Europeia trabalhe de mãos dadas com o Parlamento Europeu e que isso ajude a resolver o que é disfuncional na União Europeia. A atual União Europeia não é – ao contrário do que dizem os eurocéticos – uma Europa federalista disfuncional. É uma Europa dos Estados, tal como desejam os eurocéticos, mas é por isso mesmo que funciona mal. Foi esse modelo de Europa dos Estados que nos colocou contra a parede”.

Presidente da Comissão Europeia



Jean-Claude Juncker(Luxemburgo)

Comissários indigitados:


Frans Timmermans(Holanda)
Primeiro vice-presidente
Melhor Regulamentação, Relações Interinstitucionais e Subsidiariedade



Federica Mogherini(Italia)
Alta Representante para a Política Externa e Segurança/vice-presidente da Comissão



Vice-presidentes:


Kristalina Georgieva(Bulgária)
Orçamento e Recursos Humanos

Andrus Ansip(Estónia)
Mercado Único Digital

Alenka Bratušek(Eslovénia)
União Energética

Valdis Dombrovskis(Letónia)
Euro e Diálogo Social

Jyrki Katainen(Finlândia)
Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade

Membros da Comissão


Maroš Šefčovič(Eslováquia)
Transportes e Espaço

Günther Oettinger(Alemanha)
Economia e Sociedade Digital

Johannes Hahn(Áustria)
Política de Vizinhança Europeia e Negociações do Alargamento

Cecilia Malmström(Suécia)
Comércio

Neven Mimica(Croácia)
Cooperação Internacional e Desenvolvimento

Miguel Arias Cañete(Espanha)
Clima e Energia

Karmenu Vella(Malta)
Ambiente, Assuntos do Mar e da Pesca

Vytenis Andriukaitis(Lituânia)
Saúde e Segurança Alimentar

Dimitris Avramopoulos(Grécia)
Imigração e Assuntos Internos

Marianne Thyssen(Bélgica)
Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade laboral

Pierre Moscovici(França)
Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e Alfândegas

Christos Stylianides(Chipre)
Ajuda Humanitária e Gestão de Crises

Phil Hogan(Irlanda)
Agricultura e Desenvolvimento Rural

Jonathan Hill(Reino Unido)
Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e Mercado de Capitais

Elżbieta Bieńkowska(Polónia)
Mercado Interno, Indústria, Empreendedorismo e PME’s

Vĕra Jourová Justice(República Checa)
Justiça, Consumidores e Igualdade de Género

Tibor Navracsics(Hungria)
Educação, Cultura, Juventude e Cidadania

Corina Creţu(Roménia)
Política Regional

Margrethe Vestager(Dinamarca)
Concorrência

Carlos Moedas(Portugal)
Investigação, Ciência e Inovação