Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A criatividade conta na sala de aula

A criatividade conta na sala de aula
Tamanho do texto Aa Aa

Criatividade é o grande tema da Cimeira Mundial da Inovação para a Educação, em Doha. Os participantes vindos de todo o mundo refletem como tornar o ensino mais divertido. Mas num sistema focado nos resultados e na competitividade, como é que os professores podem desbloquear a criatividade?

Paul Collard apresentou algumas ideias no Fórum intitulado “Do impossível ao possível”: “Treinamos profissionais criativos, artistas, realizadores, designers para irem às escolas e trabalhar com os professores para os ajudar a reinventar ou reimaginar o ensino. Se estivermos numa sala de aula, a trabalhar com as crianças, assistiremos a mudanças sustentáveis”.

O programa de Paul Collard é muito usado, sobretudo, nas escolas do Norte e Leste da Europa. Mas como se pode medir a criatividade?

Paul Collard explica: “Temos uma definição muito clara ao que chamamos hábitos da mente. As pessoas associam criatividade a ser imaginativo, mas é também ser curioso, disciplinado, resiliente e colaborativo”.

Outros participantes exploram como é que as neurociências e as ciências cognitivas podem melhorar a criatividade e o pensamento crítico.

Nascira Ramia, diretora do Programa de Educação da Universidad San Francisco de Quito, defende: “Temos de ver a educação como uma ciência interdisciplinar, como uma ciência que precisa de muitos progressos e na qual também precisamos de participar. Queremos que os professores sejam formados com os novos conhecimentos. Que participem na investigação e estejam melhor equipados para tomar decisões quotidianas nas salas de aula”.

A jornalista Aurora Velez revela que “a criatividade dos participantes na cimeira foi posta à prova. Os ateliês de programação ou de artes manuais seduzem as mais de 1600 pessoas presentes na Cimeira Mundial da Inovação para a Educação. Uma maratona de três dias com mais de 80 conferências e debates”.