Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Corrupção: Transparência Internacional classifica Portugal no 36º lugar entre 175 países

Corrupção: Transparência Internacional classifica Portugal no 36º lugar entre 175 países
Tamanho do texto Aa Aa

À primeira vista, tudo os separa; e numa observação mais profunda também. HelleThorning-Schmidt e Kim Jong Un lideram os países melhor e pior classificados no relatório da organização Transparência Internacional, divulgado esta quarta-feira.

A Dinamarca é, tal como no ano passado, o país com menos corrupção no mundo. A classificação é estabelecida anualmente, segundo um índice de perceção da corrupção no seio dos partidos políticos, da polícia, do sistema judicial e dos serviços da função pública de todos os países. A Dinamarca, Finlândia e Nova Zelândia lideram a lista dos mais honestos.

No fim da lista de 175 países, que obedece a um índice de oito pontos, está a Coreia do Norte de Kim Jong Un, lado a lado com a Somália. Mais de uma dezena de instituições internacionais, nomeadamente o Banco Mundial e o Fórum Económico Mundial, fornecem os dados para analisar e estabelecer o ranking.

Do vermelho ao amarelo, há uma “palette de nuances” dos países onde há mais corrupção – a maior parte dos países africanos e da Ásia central – e aos países com mais virtude, que são os da Europa do norte. Portugal partilha o 31.º lugar e os 63 pontos (em 100, país totalmente transparente) com o Botswana, Chipre e Porto Rico, ficando seis posições acima de Espanha. Portugal é ainda mais transparente do que a Itália e a Grécia e subiu duas posições no Índice de Percepção de Corrupção.

Se a leitura for feita entre os 28 países da União Europeia (UE) e da Europa ocidental, Portugal situa-se a meio da lista, na 17.ª posição, novamente à frente de países como Itália, Grécia, Hungria, República Checa, Polónia ou Roménia. Aqui, a liderança é partilhada pela Dinamarca, Finlândia e Suécia.

A Turquia está a sofrer os efeitos do escândalo da corrupção que afetou o governo de Recep Tayip Erdogan, no ano passado. Investigações, acusações formais a conhecidos políticos, mas também detenções de jornalistas críticos do regime, contribuiram para a deterioração da imagem do país.

A vice-presidente da Transparência Internacional, Elena Panfilova, falou connosco a partir de Moscovo.

Andrei Belkevich, Euronews (EN): – Quem são os principais vencedores e derrotados deste ano?

Elena Panfilova (EP), vice-presidente Transparência Internacional: – Claro que não existem vencedores absolutos no combate à corrupção porque não existem países que eliminam por completo a corrupção. Mas, geralmente, são os mesmos países que ocupam os lugares cimeiros e alternam-se algumas vezes. Podemos mencionar os países escandinavos e outros que se juntam a eles – Singapura, Nova Zelândia e Canadá -, podemos chamá-los de líderes.

Na parte de baixo da lista, estão os países onde a situação é má não apenas na corrupção mas também nos mecanismos de Estado e a relação entre o Estado e a sociedade. Países como esses estão no fim da lista.

EN: Quais foram os países que mais mudaram, tanto de forma positiva como negativa?

EP: Este ano a Turquia e a China pioraram consideravelmente na lista. A Rússia está a marcar passo, muitas reformas de combate à corrupção estão a acontecer mas apenas no papel. Mas não existe vontade política para usar estas leis maravilhosas, fazê-las sair dos papéis.

EN: De uma forma geral o que pode dizer sobre a situação na União Europeia? Qual é a dinâmica? E se é possível falar sobre uma média da perceção da corrupção na Europa?

EP: De uma forma geral não é má. Claro, é evidente que um bloco de países, os Estados membros mais velhos mantém os seus lugares tradicionais. Por vezes sobem e descem um pouco. Mas os novos Estados membros têm que ganhar terreno, alguns conseguem lidar melhor outros enfrentam alguns falhanços. A razão para isto é mesma: As reformas de combate à corrupção, reais e estáveis, necessitam de um considerável período de tempo.