EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

França reforça meios da polícia, justiça e prisões para lutar contra o terrorismo

França reforça meios da polícia, justiça e prisões para lutar contra o terrorismo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O primeiro-ministro francês apresentou um novo plano de luta contra o terrorismo, esta quarta-feira, duas semanas após os atentados de Paris. As

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro francês apresentou um novo plano de luta contra o terrorismo, esta quarta-feira, duas semanas após os atentados de Paris.

As medidas incluem a criação de 2.680 postos de trabalho suplementares no setor da polícia, justiça, serviços secretos e serviços prisionais.

Um reforço justificado por Manuel Valls pelo aumento de 130% do número de suspeitos de ligações a grupos jihadistas, quando há atualmente mais de 2.500 indivíduos vigiados pelas autoridades.

“É o choque terrível que vivemos e que nos lembrou da intensidade da ameaça que pesa sobre o nosso país e que permanece hoje a um nível muito elevado. A ação contra o terrorismo, o jihadismo, o islamismo radical será uma luta de longo curso”.

Para lá da criação de novos postos de trabalho nos próximos três meses, o governo desbloqueou 425 milhões de euros para melhorar o funcionamento da polícia, serviços secretos e prisões.

Um montante que vai ser investido tanto em sistemas informáticos para controlar a propaganda jihadista na Internet, como no reforço da proteção dos polícias com novas armas e coletes à prova de bala para todos os agentes.

As medidas incluem ainda a luta contra a radicalização religiosa, nomeadamente dentro das prisões francesas, com a criação de áreas de isolamento para indivíduos suspeitos de propagarem ideais radicais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornal "Le Canard Enchaîné" revela que Coulibaly foi parado pela polícia dias antes de cometer o massacre em Paris

As questões deixadas pelos ataques de Paris

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia