Última hora

Veredicto do TPI demonstra que as feridas de guerra estão por sarar

Veredicto do TPI demonstra que as feridas de guerra estão por sarar
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É inegável que a a guerra da ex-Jugoslávia deixou feridas por sarar, 20 anos depois. A memória dos acontecimentos é amarga e as diferentes etnias nem sempre conseguem resolver os litígios sem azedume. À esquerda , uma aldeia de refugiados sérvios explulsos das Krajinas, na época, à direita o cemitério da cidade mártir de Vukovar

Vukovar, uma próspera cidade barroca, foi cercada (na guerra entre 1991 e 95) por 36 mil sérvios do Exércido Federal, contando apenas com a defesa de 1800 croatas mal armados. Durante três meses, a população foi alvo das maiores atrocidades, nomeadamente o massacre de 200 pacientes do hospital. Eram disparados 12 mil projéteis por dia, naquele que foi o mais longo e mortífero cerco na Europa, depois da II Guerra Mundial. Vukovar caiu em 18 de novembro de 1991, centenas de soldados e civis croatas foram massacrados pelas forças sérvias e pelo menos 31 mil pessoas foram deportadas da cidade e de seus arredores.10 11 Grande parte da população da cidade sofreu uma limpeza étnica e o local passou a fazer parte da auto-proclamada República Sérvia de Krajina.

Em agosto de 1995, os croatas reconsquistaram a região das Krajinas, e, em quatro dias, expulsaram os sérvios que se tinham instalado e causaram o êxodo de 200 mil habitantes.

“O genocídio pressupõe a intenção de destruir um grupo, ou ao menos em parte”; o veredicto do Tribunal Internacional de Justiça pretendeu contribuir para acalmar as tensões entre a Sérvia e a Croácia e não para decidir separar a ténue linha entre combates de guerra e genocídio.

Há várias organizações que tentam motivar os jovens a compreenderem melhor os traumas dos pais e as consequênciaainda abertas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.