EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Argentina: Nisman, um "fantasma" incómodo para Cristina Fernández

Argentina: Nisman, um "fantasma" incómodo para Cristina Fernández
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com EFE, El País, La Nación
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Na Argentina, cresce a revolta em torno da morte do procurador Alberto Nisman, que acusava a presidente Cristina Fernández de Kirchner de encobrimento num caso que remonta a 1994.

PUBLICIDADE

Dezenas de milhares de pessoas participaram numa marcha em Buenos Aires, em homenagem ao procurador Alberto Nisman, morto no mês passado em circunstâncias que estão por esclarecer.

Heartbreaking photos: Folks, seems there's hope for humanity & it's coming from Argentina: http://t.co/6h7YcZQNTs#18F#Nisman

— Act for Israel (@ActForIsrael) February 19, 2015

#18F#SilenzioStampa Say no more...... pic.twitter.com/VfJlpFO3tQ

— Vicha ن (@MalaVicha) February 19, 2015

Nisman foi encontrado morto com um tiro na cabeça. O suicídio não ficou provado. O procurador estava encarregue da investigação ao atentado contra um centro comunitário judaico em 1994, que fez na altura 85 mortos. Morreu quatro dias depois de apontar o dedo à presidente Cristina Fernández de Kirchner.

Segundo Nisman, a atual presidente estaria a encobrir os iranianos responsáveis pelo atentado.

O sucessor de Nisman na investigação, Gerardo Pollicita, acusa Cristina Fernández, o ministro dos Negócios Estrangeiros Héctor Timerman e duas outras pessoas de encobrimento no caso do atentado de 1994. Uma forte dor de cabeça para a presidente argentina, no último ano de mandato.

O caso chegou ao Vaticano. Um grupo de sobreviventes do atentado e familiares das vítimas esteve, esta quarta-feira, na audiência geral com o Papa Francisco.

O Papa argentino prometeu ajudar no que for preciso, contradizendo as opiniões que o acusam de cumplicidade com Cristina Fernández.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

501 caixões e 200 sacos com cadáveres encontrados abandonados na Argentina

Argentina fora dos BRICS por decisão de Milei

Manifestação contra Javier Milei reprimida pela polícia argentina