EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UNESCO condena ataque a Museu de Mossul

UNESCO condena ataque a Museu de Mossul
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / UNESCO
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A UNESCO apelou a uma reunião de crise do Conselho de Segurança da ONU, depois dos extremistas do Estado Islâmico terem destruído esculturas do Museu

PUBLICIDADE

A UNESCO apelou a uma reunião de crise do Conselho de Segurança da ONU, depois dos extremistas do Estado Islâmico terem destruído esculturas do Museu da Civilização, em Mossul, parte do património histórico do Iraque.

Os “jihadistas” divulgaram esta quinta-feira um vídeo onde vários homens derrubam estátuas da época assíria, nos séculos VIII e VII antes de Cristo.

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, Irina Bokova, disse que “esta tragédia é mais do que um assunto cultural. É uma questão de segurança vital e vemos bem como os terroristas usam a destruição do património como estratégia de terror, para destabilizar e manipular populações e garantir a sua dominação”.

#MosulMuseum: Our Director-General requests UN</a> Security Council meeting to protect heritage <a href="http://t.co/9nqedZOlVl">http://t.co/9nqedZOlVl</a> <a href="http://t.co/QAQiCPg77F">pic.twitter.com/QAQiCPg77F</a></p>&mdash; UNESCO (UNESCO) February 27, 2015

Vários peritos compararam o ato do Estado Islâmico com a demolição dos Budas de Bamiyan no Afeganistão, perpetrada pelos talibãs em 2001. Este tipo de atentados contra o património cultural por parte de grupos que partilham uma visão radical do Islão reproduziu-se também em conflitos recentes, no Mali, na Líbia e na Síria.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: Jihadistas eliminam cristãos de Hasaka

União Europeia condena lei do Iraque que criminaliza homossexualidade

Um morto e oito feridos em ataque a base militar iraquiana