Bora Bayraktar na Turquia: "Eleitores recusaram imposições do Presidente"

Bora Bayraktar na Turquia: "Eleitores recusaram imposições do Presidente"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Correspondente da euronews acompanhou as eleições em Ancara e conclui que os turcos deram uma nega às pretensões de Recep Tayyp Erdogan de alterar em proveito próprio o sistema de Governo do país

PUBLICIDADE

A euronews acompanhou bem de perto as eleições na Turquia. Em Ancara, a capital, esteve o nosso correspondente Bora Bayraktar, que nos fez, a partir de dentro, um resumo deste ato eleitoral que retirou ao partido do Governo a maioria com que o Presidente Recep Tayyp Erdogan contava para poder alterar a Constituição turca em seu proveito político:

They said:1- no to the presidential system 2- Kurdish Peace Process to continue in the parliament; 3- political decisions taken by consensus

— Bora Bayraktar (@Bora_Bayraktar) 7 junho 2015

??Os turcos disseram de sua justiça e colocaram um ponto final no poder absoluto do AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento, islamita-conservador), um controlo que durou 13 anos. Parece que a Turquia quer entrar numa nova era de coligações. O AKP perdeu 9 por cento dos votos e 68 deputados face às últimas eleições. O grande vencedor este ano é o partido pró-curdo HDP (Partido Democrático do Povo), que somou 13 por cento dos votos.

O HDP não conseguiu apenas os votos curdos, também conseguiu roubar votos aos quatro maiores partidos turcos.

Mas o que significam de facto estes resultados? Que mensagem quis o eleitorado enviar? Acima de tudo, quiseram ver a política curda entrar no palco legítimo das decisões.

Outra ilação importante a retirar destas eleições é a de que os turcos recusam as imposições e a vontade do presidente Erdogan de transformar o governo do país num sistema presidencialista.

Os turcos disseram “não” a um sistema presidencial e não validaram a maioria absoluta que o AKP necessitava para alterar a Constituição e, com isso, mudar o sistema parlamentar. Os eleitores nem sequer deram ao AKP os votos suficientes para que pudesse governar sozinho. Por outras palavras, os eleitores fizeram ver aos partidos que eles vão ter de se entender no Parlamento.

Ainda assim, os votos que o AKP somou não devem ser negligenciados. O AKP ainda é a maior força política da Turquia e os que votaram no partido do Governo mostraram que estão contentes com o desenvolvimento económico do país e com as reformas de Erdogan.

Em relação ao problema mais importante hoje em dia na Turquia, os curdos, os eleitores querem ver esta questão resolvida no parlamento.

Em conclusão, nestas eleições de 7 de junho, os turcos enviaram várias mensagens bem claras aos governantes, mas também criaram um “puzzle” muito difícil de resolver: ou os partidos vão conseguir entender-se à mesma mesa ou terão de haver eleições antecipadas??

Voters in Turkey gave clear messages to political parties and also presented them a complex puzzle to solve.

— Bora Bayraktar (@Bora_Bayraktar) 7 junho 2015

HDP HQ in Ankara. No celebrations euronews</a> <a href="http://t.co/EHaJfg7Yxn">pic.twitter.com/EHaJfg7Yxn</a></p>&mdash; Bora Bayraktar (Bora_Bayraktar) 7 junho 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vitória da oposição é sinal de "ingratidão", dizem apoiantes de Erdoğan na Turquia

Urnas já abriram na Turquia para as autárquicas, partido de Erdogan quer recuperar Istambul

Parlamento turco aprova adesão da Suécia à NATO