EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Paris reage a espionagem americana: combater terrorismo não é espionar aliados

Paris reage a espionagem americana: combater terrorismo não é espionar aliados
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos mantiveram sob escuta três chefes de estado franceses – as revelações do Wikileaks caíram como uma bomba em França. O presidente

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos mantiveram sob escuta três chefes de estado franceses – as revelações do Wikileaks caíram como uma bomba em França.

O presidente François Hollande convocou de emergência o Conselho de Defesa, o primeiro-ministro Manuel Valls disse a sua indignação no parlamento e o chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, chamou a embaixadora dos Estados Unidos em Paris, Jane Hartley, para pedir explicações.

“Podemos compreender que sejam espionados terroristas, mas isso não tem nada a ver com espionar dirigentes de nações aliadas. Pedi à embaixadora que nos sejam dadas rápidamente explicações”, disse Fabius depois do encontro com Hartley.

A NSA, serviço norte-americano de espionagem, teve pelo menos os últimos três presidentes de França sob escuta – Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy e François Hollande.

Mas não só – também ministros, deputados, altos funcionários e diplomatas, pelo menos de 2006 a maio de 2012.

O presidente François Hollande considerou tratar-se de “factos inaceitáveis”, enquanto o chefe do governo, Manuel Valls, criticou “Uma gravíssima violação do espírito de confiança”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da Câmara de Paris nada nas águas do rio Sena

Chama olímpica ilumina a parada militar do Dia da Bastilha em França

Legislativas antecipadas mergulham França na incerteza política sem primeiro-ministro no horizonte