EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Itália: protestos contra alojamento de refugiados

Itália: protestos contra alojamento de refugiados
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Duas localidades italianas foram alvo de vivos protestos contra a chegada de imigrantes, na maioria provenientes do continente africano. Em Quinto

PUBLICIDADE

Duas localidades italianas foram alvo de vivos protestos contra a chegada de imigrantes, na maioria provenientes do continente africano.

Em Quinto, nos arredores de Treviso, no norte de Itália, as autoridades foram obrigadas a realojar uma centena de refugiados recentemente albergados em apartamentos que estavam vazios, depois de habitantes da localidade queimarem o mobiliário doado para os imigrantes e acamparem em protesto no exterior das suas próprias residências.

Uma mulher diz que não quer que as suas crianças “vivam num campo de refugiados”.

Quase em simultâneo, uma centena de habitantes de Casale San Nicola, um subúrbio chique de Roma, manifestaram-se contra a chegada de um autocarro com duas dezenas de imigrantes.

O protesto, apoiado por um pequeno grupo de extrema-direita, degenerou em confrontos com as autoridades, que se saldaram em duas detenções e catorze polícias com ferimentos ligeiros.

O presidente do movimento xenófobo Casapound, Simone Di Stefano, acusa o governo de “trazer estas pessoas com recurso à violência” e defende que os imigrantes em questão não têm o direito “de ser recebidos num centro de refugiados”.

Uma das principais portas de entrada na Europa para os imigrantes que atravessam o Mediterrâneo para fugir a guerras e à miséria, Itália alberga atualmente 80.000 refugiados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos em tiroteio durante marcha pela paz no Paquistão

Secas, desertificação, ondas de calor: a crise climática atinge duramente a Sicília

Liga de Salvini abandona grupo de Meloni no Parlamento Europeu. Há riscos para o governo italiano?