Londres: metro em greve pela segunda vez este mês

Londres: metro em greve pela segunda vez este mês
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O metro de Londres está em greve até sexta-feira. É a segunda paralisação este mês, em protesto contra o arranque, previsto para setembro, de um

PUBLICIDADE

O metro de Londres está em greve até sexta-feira. É a segunda paralisação este mês, em protesto contra o arranque, previsto para setembro, de um serviço noturno nos fins de semana.

Depois de vários meses de negociação, os quatro principais sindicatos (RMT, Aslef, TSSA e Unite) e a administração do metro londrino não conseguiram um acordo sobre os turnos noturnos.

Finn Brennan, do Aslef, defende que a greve “Não é uma questão de dinheiro, é sobre a equidade e ter tempo de qualidade.”

Esta paralisação vai obrigar mais de dois milhões de passageiros a procurar transporte alternativo. Foram colocados em circulação 250 autocarros suplementares.

Os autocarros não são, porém suficientes para assegurar o transporte de todos os passageiros do metro, como diz uma mulher à eruronews:

“Os autocarros estão todos cheios. Decidi fazer a pé um percurso de 44 minutos, entre as estações de Picadilly e Paddington. Não consegui apanhar nenhum autocarro porque nem param, não abrem as portas.”

Para consolar aqueles que se vêm obrigados a fazer o caminho a pé entre estações, o site Treated.com publicou um “mapa que calcula quantas calorias são queimadas entre as estações do metro”“:https://metrouk2.files.wordpress.com/2015/07/underground_map.jpg?quality=80&strip=all&strip=all.

“É muito desagradável”, queixa-se uma turista norte-americana. “Vim passar cinco dias em Londres e vou abreviar a minha visita proque causa da greve. Não consigo fazer o caminho todo de regresso até Camden. Assim, não vou gastar dinheiro em Londres. É uma maçada para os turistas, nunca aconteceria nos Estados Unidos”, acrescenta.

Os sindicatos rejeitaram a oferta da empresa – um aumento salarial de 2% este ano e de 1% para 2016 e 2017, e um bónus de 500 libras para os trabalhadores do turno da noite.

“Esta é a segunda vez que os sindicatos reagem contra o lançamento do serviço de noite planeado pelo Metro de Londres para o próximo mês. Não é ainda claro, quanto tempo vai durar a disputa sobre a mudança de turnos de trabalho e se a população da capital britânica será confrontada com outra greve”, diz o correspondente da euronews em Londres, Ali Kheradpir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo