EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Refugiados afegãos: Um regresso amargo

Refugiados afegãos: Um regresso amargo
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters, AFP, EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Enquantos muitos deixam os países de origem, no Afeganistão regressa-se a casa. Mas a incerteza continua.

PUBLICIDADE

Numa altura em que tanto se fala de refugiados a deixar os países de origem, há também histórias sobre regressos.

Muitos refugiados afegãos até agora a viver no Paquistão estão a regressar ao país que deixaram há décadas, mas é um regresso amargo, um regresso à incerteza. A violência nas zonas fronteiriças entre os dois países, em ambos os lados da fronteira, tem vindo a crescer.

Rahim regressa ao fim de 28 anos: “Fomos para o Paquistão para escapar aos bombardeamentos e à insegurança no Afeganistão. Perdi tudo durante a guerra civil, refugiámo-nos aqui. Agora estamos a regressar a casa, mas infelizmente a guerra e a insegurança continuam. Depois do ataque à escola em Peshawar, a situação piorou para os refugiados afegãos a viver no Paquistão. Sempre que íamos ao mercado, a polícia assediava-nos para que lhes pagássemos subornos. A vida tornou-se insuportável”.

O massacre de 141 estudantes por parte de homens armados talibã, em dezembro, em Peshawar, no noroeste do Paquistão, foi apenas um de muitos episódios de violência nas zonas fronteiriças e reavivou as tensões entre os dois países.

"First we had to leave [Afghanistan] because of war. Now we are coming back to war and bombs" … pic.twitter.com/mgc3foZGDW

— Pakistan News (@Pakistannews) September 4, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Paquistão: centenas de pessoas tratadas por insolação durante vaga de calor

O mundo celebrou a Páscoa

Requerentes de asilo em Dublin queixam-se de tratamento “desumano”por parte do Governo