Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

França lança campanha contra aliciamento de jovens para o jihadismo

França lança campanha contra aliciamento de jovens para o jihadismo
Tamanho do texto Aa Aa

O governo francês acaba de lançar uma vasta campanha, a nível nacional, para sensibilizar os jovens contra as tentações da causa terrorista.

Nos vídeos, que são difundidos por duas dezenas de médias e redes sociais, familiares do jovens que partiram para a jihad na Síria, testemunham a incompreensão e a tristeza com a partida dos filhos ou irmãos para o combate ao serviço dos grupos terroristas.

Na apresentação da campanha, o ministro francês da Administração Interna, Bernard Cazeneuve, anunciou:
“Tornarei públicas, no dia 13 de outubro, as medidas administrativas tomadas com vista à expulsão dos pregadores do ódio e as interdições de saída do território e vamos intensificar a política preventiva do contra discurso através de vídeos que são difundidos com o contributo das famílias afetadas e que enviam aos nossos jovens que tenham a tentação de cair na teia terrorista, uma mensagem muito forte”.

A campanha visa contrariar os vídeos de propaganda dos grupos jihadistas, que têm vindo a aliciar cada vez mais jovens em França. Na plataforma criada pelo governo francês em Abril de 2014 foram identificados mais de três mil jovens aspirantes à jihad na Síria e no Iraque, 23% dos quais são menores e maioritariamente raparigas.

Os quatro testemunhos desta campanha são familiares de jovens entre os 17 e os 23 anos, que partiram sem o conhecimento das famílias.

Segundo o primeiro-ministro, Manuel Valls, há 1300 indivíduos nas redes jihadistas da Síria e do Iraque, 500 dos quais são franceses ou eram residentes em França e há milhares de jovens em vias de radicalização. Um enorme desafio para a sociedade francesa.

Desde os ataques em janeiro contra o semanário satírico, Charlie Hebdo, a França vê-se confrontada com um nível de ameaça terrorista extremamente elevado. Desde aí, o país vive em alerta máximo.