Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Bergman e Hitchcock levam os nossos medos à ópera

Bergman e Hitchcock levam os nossos medos à ópera
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Encenar uma ópera é, por si só, um desafio à inspiração. Encenar uma ópera inédita, baseada numa estória contemporânea, eleva a fasquia. Sobretudo porque estamos a falar da versão operática de “Difamação” ou “Notorious”, o filme culto de Alfred Hitchcock, que alguns consideram como uma das obras cimeiras do Cinema. Afinal, trata-se de uma película protagonizada por Cary Grant e Ingrid Bergman, a mítica atriz sueca. 2015 assinala o centenário do seu nascimento. A Ópera de Gotemburgo levou o filme ao palco, onde a soprano Nina Stemme desempenha o papel de Bergman. O Musica foi espreitar os ensaios.

Será que todos os filmes de Hitchcock não têm a ver com o medo em relação às figuras autoritárias?

A abordagem tem um toque político e uma dimensão psicanalítica que também os personagens secundários veiculam. A mezzo soprano Katarina Karnéus afirma que “a relação entre a Madame Sebastian e o seu filho, Alex, é muito interessante. É tão íntima que chega a ser desconfortável. Ela castigou-o muito quando ele era criança. Basicamente, ele está nas mãos da mãe. No filme, a personagem dela não é tão dura. Na ópera, ela é mais ríspida, mais maléfica.”

O encenador Keith Warner vai ainda mais longe na análise. “São muito interessantes as outras leituras que a estória traz, sobretudo sobre as mulheres, as atrizes, filhas de pais impositivos, que se debatem com o problema da dominação. A personagem de Alicia, de Bergman, não enfrenta apenas a problemática de ser a filha de um nazi. É alguém que não escapa ao controlo da figura parental ou, como sucede com todos nós, alguém que luta psicologicamente contra o controlo externo dos seus pensamentos, das suas ações. Como é que nos libertamos disso?”, pergunta.

Para Warner, “isto tem tudo a ver com a forma como o mundo lida com a questão da autoridade. Será que todos os filmes de Hitchcock não têm a ver com o medo em relação às figuras autoritárias? Ele explorou o coração dos nossos medos, das nossas vidas. Há todo o rol de mães, pais, chefes, pessoas que dominam as nossas vidas, que têm a capacidade de nos tornar miseráveis, completamente manietados. A ópera lida também com essa questão: como enfrentar a voz que domina os nossos pensamentos?”