Ucrânia aprova lei que proíbe todas as discriminações no trabalho

Ucrânia aprova lei que proíbe todas as discriminações no trabalho
De  Dulce Dias com MARIA KORENYUK E AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um texto polémico que alguns viam como a porta aberta ao casamento homossexual

PUBLICIDADE

O parlamento ucraniano aprovou, esta quinta-feira, uma alteração ao código do trabalho que proíbe todas as discriminações, incluindo as que sejam baseadas na orientação sexual.

Um texto polémico que alguns viam como a porta aberta ao casamento homossexual e que acabou por ser aprovado por 234 votos, apenas 8 mais do que o mínimo requerido.

O voto foi anulado três vezes e o presidente da assembleia teve de especificar que se trata da lei laboral e não da lei matrimonial.

O texto recolheu o apoio de deputados da oposição, ao passo que alguns membros da Frente do Povo, na coligação governamental, optaram por votar contra.

Volodymyr Ariev, do “Bloco Petro Poroshenko”, congratula-se com o resultado:

“É importante mostrar que a Ucrânia é um país europeu e não um Estado soviético bafiento, onde se sente o cheiro da Rússia, como no resto dos países pós-soviética. É difícil, mas a Ucrânia está a tentar escapar à realidade pós-soviética para entrar na realidade europeia”.

Oleh Medunitsya, da Frente do Povo, não está contente nem com o resultado nem com a forma como o texto foi votado:

“A nossa sociedade não é unânime neste assunto. Há um grande nível de bipolarização na sociedade. Penso que a opinião pública reagiu de forma contraditória a este projeto de lei. E não gostei da forma como o documento foi a votos, num procedimento ad-hoc.”

De facto, a homossexualidade não é bem aceite, na Ucrânia. A primeira “gay pride” do país foi realizada em 2013 e a deste este ano, foi alvo de ataques por parte de ultranacionalistas

A lei que proíbe as discriminações no trabalho é um dos últimos documentos que o parlamento ucraniano deve aprovar para que Bruxelas dispense de vistos os cidadãos ucranianos que viajem para a União Europeia.

Mas o processo ainda não terminou, como explica Maria Korenyuk, correspondente da euronews em Kiev:

“Para que os ucranianos possam viajar para a Europa sem vistos, ainda é necessária a luz verde da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu. Kiev espera que os vistos deixem de ser necessários em 2016. E, mesmo assim, isso só se aplicará aos detentores de passaportes biométricos.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia receia grande avanço russo no próximo verão

Rússia tenta consolidar posições em torno de Avdiivka

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia