Última hora

Direito ao esquecimento na net limitado aos países europeus

Direito ao esquecimento na net limitado aos países europeus
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pergunta de Sandra, de Paris:

“Qual é o balanço um ano e meio depois de a justiça europeia ter consagrado o direito ao esquecimento? Os gigantes da Internet estão a respeitar as regras?”

Resposta de Max Chouzier,jurista da Reputation Squad:

“Há um ponto positivo nesta questão que é preciso sublinhar: a opinião pública – seja a nível particular ou profissional – tomou consciência da importância fundamental da vida privada e da proteção dos dados pessoais.

Agora, a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia foi ou não eficaz? É muito simples: os motores de busca aplicam o que foi determinado, mas fazem o mínimo possível.

Como é que tudo isto funciona em termos práticos? Os motores de busca disponibilizam formulários, acessíveis gratuitamente na Internet e muito fáceis de preencher. Através deles, os internautas podem pedir que seja removido qualquer conteúdo que considerem problemático.

Os motores de busca são obrigados a analisar o pedido, mas não têm qualquer obrigação de responder favoravelmente. De acordo com os números fornecidos, nomeadamente pela Google, já houve cerca de 350 mil pedidos. A Google afirma ter aceite 50%.

A questão é que os motores de busca consideram que o âmbito da decisão é apenas europeu. Ou seja, só é aplicável nas versões europeias dos ditos conteúdos. A referência pode ser retirada da google.pt, por exemplo, e das congéneres europeias.

Mas não vai desaparecer da google.com, a versão internacional, ou da versão americana, canadiana, enfim, de um país que não seja europeu. Há um autêntico conflito entre a União Europeia e os motores de busca.”

- Se quiser deixar uma questão no Utalk, clique na ligação mais abaixo

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.