EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE relembra Turquia obrigação de acolher refugiados

UE relembra Turquia obrigação de acolher refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro das Negócios Estrangeiros da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, foi o principal convidado da reunião informal dos chefes da diplomacia na União

PUBLICIDADE

O ministro das Negócios Estrangeiros da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, foi o principal convidado da reunião informal dos chefes da diplomacia na União Europeia em Amsterdão em que a crise dos refugiados foi um dos temas centrais.

Os 28 relembraram Ancara sobre o dever de acolher as pessoas que fogem da guerra, numa altura em que mais de 20 mil de refugiados estão bloqueados na fronteira da Síria com a Turquia e quando se esperam mais outros tantos nos próximos dias.

Os europeus recordaram a Convenção de Genebra e não só. “É inquestionável o facto destas pessoas que vêm da Síria serem sírios que precisam de proteção internacional. A juntar-se a isso, a ajuda que a União Europeia está a dar à Turquia, destina-se exatamente a garantir que a Turquia tem os instrumentos necessários, os recursos, para proteger e acolher as pessoas que procuram asilo”, explicou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Entretanto, a Grécia concordou em reconhecer a Turquia como país terceiro seguro, o permite devolver refugiados que utilizam a Turquia como país de trânsito.

Ao mesmo tempo prossegue a bom ritmo a criação dos chamados pontos quentes onde será acolhida e registada a maioria dos migrantes.

Com a ajuda do exército, pelo menos três dos cinco locais projetados deverão estar concluídos nos próximos dias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Migrantes: Milhares de sírios esperam reabertura da fronteira turca

Ativistas denunciam projeto de lei do partido de Erdogan que prevê abate de cães vadios "agressivos"

Reino Unido procura reconstruir as relações com a Europa