EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ban Ki-moon: Presidente do Burundi aceita dialogar com a oposição

Ban Ki-moon: Presidente do Burundi aceita dialogar com a oposição
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, declarou esta terça-feira estar disponível para dialogar com a oposição, disse em Bujumbura,a capital do

PUBLICIDADE

O presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, declarou esta terça-feira estar disponível para dialogar com a oposição, disse em Bujumbura,a capital do país, o secretário geral das Nações Unidas.

Ban Ki-moon encontrou-se em Bujumbura com os representantes dos partidos da oposição e com o chefe de Estado, apostado em convencer Nkurunziza a iniciar conversações com a oposição para pôr fim à crise política que paralisa o Burundi desde abril de 2015.

De acordo com uma fonte diplomática, um dos assuntos que Ban Ki-moon quer abordar com o chefe de Estado burundês, são as violações maciças dos direitos humanos registadas desde o início dos conflitos. A juventude do CNDD-FDD, o partido no poder, os chamados Imbonerakure, são acusados pela oposição e pelas organizações de defesa dos direitos humanos de violências contra os adversários políticos.

Ban Ki-moon arrived in Burundi on Monday to support of efforts to resolve political crisis https://t.co/wrnzpzeu7Kpic.twitter.com/djp9eRSCSe

— United Nations (@UN) 23 Février 2016

A eleição de Pierre Nkurunziza para um terceiro mandato violou a constituição e mergulhou o Burundi na instabilidade. A oposição, a sociedade civil e uma parte do seu campo político consideram que este terceiro mandato constitui um abuso de poder, contrário à constituição e ao acordo de Arusha, que pôs fim à guerra civil (1993-2006) entre o exército então dominado pela minoria tutsi e os rebeldes hutu.

A União Africana (UA) anunciou no dia 19 de dezembro o envio de uma Missão africana de prevenção e proteção para o Burundi, composta de cinco mil soldados, por seis meses, para travar o ciclo de violências. O governo burundês rejeitou porém a missão da UA e informou que a consideraria uma “força de invasão e ocupação”.

A oposição burundesa alerta para o perigo eminente de uma guerra civil, caso o presidente ignore os apelos ao diálogo.

Ban Ki-moon encontrou-se com os dirigentes dos partidos da oposição, o Frente para a democracia no Burundi (Frodebu) e a União para o progresso nacional (Uprona), com o líder do CNDD-FDD e com Agathon Rwasa, o dirigente das Forças nacionais de libertação (FNL), que é vice-presidente da Assembleia nacional.

Poucas horas antes da chegada de Ban Ki-Moon a Bujumbura, pelo menos duas pessoas foram mortas num atentado terrorista. Na noite de segunda para terça-feira várias granadas foram detonadas provocando pelo menos uma dezena de feridos, de acordo com as autoridades.

Depois desta visita de 24 horas ao Burundi, o secretário geral das Nações Unidas fará uma breve escala no leste da República Democrática do Congo, segunda etapa de um périplo africano que o levará também ao Sudão do Sul. Na República Democrática do Congo, Ban Ki-moon estará algumas horas em Nord-Kivu, Kitchanga, onde se situam vários campos de deslocados que as autoridades ameaçam encerrar. O sul-coreano tem agendados vários encontros no aeroporto de Goma com membros da sociedade civil.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prisão do Burundi provoca 38 mortes

ACNUR pede investigação sobre morte de refugiados burundeses

"Sem sentido": Ban Ki-Moon rejeita candidatar-se à presidência da Coreia do Sul